PUBLICIDADE
Topo

Por que o aumento das baterias não esfriou o mercado de carros elétricos

Máquinas em fábrica de baterias da Mercedes-Benz em Woodstock, Alabama, EUA - REUTERS/Elijah Nouvelage
Máquinas em fábrica de baterias da Mercedes-Benz em Woodstock, Alabama, EUA Imagem: REUTERS/Elijah Nouvelage

Do UOL, em São Paulo*

20/04/2022 08h00

Esta é a versão online para a edição desta quarta-feira (20/04) da newsletter Carros do Futuro. Para assinar esse e outros boletins e recebê-los diretamente no seu e-mail, cadastre-se aqui.

Compradores de todo o mundo estão fazendo fila para adquirir veículos elétricos este ano, mesmo com os preços subindo - invertendo o que se pensava anteriormente, de que as vendas de veículos elétricos explodiriam somente depois que os custos das baterias caíssem abaixo de um limite que sempre foi muito alto.

Este ano, a demanda por veículos elétricos permanece forte, mesmo com o custo médio das células de bateria de íon-lítio subindo para cerca de US$ 160 (R$ 744 na cotação atual) por quilowatt-hora no primeiro trimestre, comparando com os US$ 105 (R$ 488) no ano passado. Os custos subiram devido a interrupções na cadeia de suprimentos, sanções aos metais russos e especulações de investidores.

  • O UOL Carros agora está no TikTok! Acompanhe vídeos divertidos, lançamentos e curiosidades sobre o universo automotivo.

Para um veículo menor como o Hongguang Mini, o elétrico mais vendido na China, os custos mais altos da bateria adicionaram quase US$ 1.500 (R$ 6.981), o equivalente a 30% do preço.

Mas os custos de gasolina e diesel para veículos de combustão interna também dispararam desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, e especialistas observaram que as preocupações ambientais também estão levando mais compradores a escolher elétricos, apesar da economia volátil.

Fabricantes como Tesla e a SAIC-GM-Wuling, que fabrica o Hongguang Mini, repassaram custos mais altos aos consumidores com aumentos nos preços dos veículos elétricos.

Mas mais pode estar por vir. Andy Palmer, presidente da fabricante eslovaca de baterias InoBat, diz que as margens no setor de baterias já são muito pequenas, então "os custos crescentes terão que ser repassados às montadoras".

Fabricantes de veículos como a Mercedes-Benz provavelmente transferirão os aumentos para os clientes se os preços das matérias-primas continuarem subindo. "Precisamos manter as margens", disse o diretor de tecnologia, Markus Schaefer, à Reuters.

Mas os compradores de veículos elétricos até agora não foram dissuadidos. As vendas globais de veículos elétricos no primeiro trimestre aumentaram quase 120%, de acordo com estimativas da EV-volumes.com. As chinesas Nio, Xpeng e Li Auto entregaram recordes de vendas para veículos elétricos em março. A Tesla entregou um recorde de 310.000 elétricos no primeiro trimestre.

"Há um tipo diferente de ponto de inflexão que parecemos ter atingido - um ponto de inflexão emocional ou psicológico entre os consumidores", disse Venkat Srinivasan, diretor do Centro de Ciência Colaborativa de Armazenamento de Energia do Laboratório Nacional de Argonne, em Chicago. Ele diz que "mais e mais pessoas" comprariam veículos elétricos "apesar do custo da bateria e do veículo".

Esse aumento nos custos da bateria pode ser um ponto na tendência de longo prazo, em que as melhorias tecnológicas e a produção crescente reduziram os custos por três décadas consecutivas. Dados do setor mostraram que o custo médio de US$ 105 por quilowatt-hora em 2021 caiu quase 99% em relação a mais de US$ 7.500 em 1991.

Especialistas dizem que os custos da bateria podem permanecer elevados pelo próximo ano, mas então outra grande queda provavelmente está reservada para o futuro, com grandes investimentos de montadoras e fornecedores em mineração, refino e produção de células de bateria. Há ainda um movimento para diversificar as fontes de matérias-primas.

"É como uma bolha. E para que essa bolha se acalme, será pelo menos até o final de 2023", disse o consultor Prabhakar Patil, ex-executivo da LG.

A empresa britânica de baterias Britishvolt deve lançar a produção de baterias em uma fábrica de 45 gigawatts-hora no nordeste da Inglaterra em 2024. A diretora de estratégia Isobel Sheldon disse que o conselho que a empresa está recebendo dos fornecedores de matérias-primas é "não fixe seus preços agora, espere pelos próximos 12 meses e depois acerte os preços porque tudo ficará mais equilibrado."

"Essa superproteção de recursos deve estar superada até lá", disse ela.

A indústria aguarda há muito tempo o limite de custo da célula de bateria de US$ 100 por quilowatt-hora, como um sinal de que os elétricos estavam atingindo a paridade de preços com os equivalentes de combustíveis fósseis. Mas com os preços da gasolina subindo e as preferências dos consumidores mudando, isso pode não importar mais, dizem os analistas.

A demanda de veículos elétricos na China e em outros mercados "está subindo mais rápido do que as pessoas pensavam e mais rápido que o fornecimento de materiais" para baterias de veículos elétricos, disse Stan Whittingham, co-inventor de baterias de íons de lítio e ganhador do Prêmio Nobel de 2019.

A preocupação com o meio ambiente e o clima também motivou os compradores, especialmente os mais jovens, a escolher os veículos elétricos em vez daqueles que queimam combustíveis fósseis, disse Chris Burns, executivo-chefe da Novonix, fornecedora de materiais para baterias com sede em Halifax.

"Muitas pessoas mais jovens que entram no mercado estão tomando decisões de compra além da simples economia e estão dizendo que só dirigirão um elétrico porque são melhores para o planeta", diz Burns. "Eles estão fazendo esse mergulho, embora fosse mais barato dirigir um carro movido a gasolina".

"Não acho que deixaremos de ver relatórios tentando mostrar uma tendência nos preços das baterias para US$ 60 ou US$ 80 por quilowatt-hora como metas aspiracionais, mas é possível que isso nunca seja alcançado", disse ele. "No entanto, isso não significa que a adoção de elétricos não aumentará."

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

* Com informações da agência Reuters

UOL Carros recomenda

Roubos e furtos de SUVs disparam em SP; veja preferidos dos ladrões em 2022. Leia mais

Cuidado no posto: como golpe te faz pagar caro e receber menos combustível. Leia mais

Bombou nas redes

Adesivo dos Simpsons: por que nova moda nos carros é perigosa e ilegal. Leia mais

Agora a Nasa vem: 'Corcel do xerife' é a mais nova invenção do brasileiro. Leia mais