Topo

Testes e lançamentos


Audi confirma novo A8 no Brasil: é autônomo, faz massagem e não rala roda

Vitor Matsubara, Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

27/05/2019 13h26

Resumo da notícia

  • Sedã de luxo extremo deve custar mais de R$ 1 milhão
  • Quarta geração é autônomo de nível 3
  • Com nível 3, carro anda sozinho em rodovias a até 60 km/h
  • Conforto interno e conectividade cresceram

Apresentada ao país ainda durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro último, a quarta geração do sedã grande de luxo extremo Audi A8 começa a desembarcar no Brasil este ano, afirmou o presidente da Audi do Brasil, Johannes Roscheck.

Essa confirmação do chefão da marca foi feita durante o Automotive Business Experience, evento que está sendo realizado em São Paulo (SP) e envolve grandes grupos da indústria e do mercado de carros nacional.

Carro-chefe da Audi, o A8 de quarta geração foi apresentado globalmente em 2017 já com a missão de ser o modelo mais futurista da marca no momento: é o primeiro carro produzido em série da empresa -- e um dos primeiros do mundo -- capaz de rodar por vias sem interferência do condutor, graças ao chamado Nível 3 de automação.

Anda sozinho e não rala a roda

Neste Nível 3, o condutor ainda precisa ficar atento o tempo todo, prestes a assumir volante e pedais, mas o carro pode se movimentar por conta, a velocidades de até 60 km/h, em rodovias, sobretudo. Sensores a laser medem velocidade e distância de veículos que trafegam à frente, atrás e dos lados.

Além disso, lê placas, analisa o asfalto (e sua suspensão pode evitar que a roda passe dentro de buracos) e até prepara a carroceria para resistir melhor a uma batida (elevando as suspensões do lado do impacto, por exemplo). O carro ainda tem um modo que impede que as rodas sejam raladas em manobras de estacionamento.

Com esta velocidade de 60 km/h, porém, só é permitido circular na faixa de baixa velocidade (mais à direita) -- é possível fazer o acionamento também em estacionamentos e interior de condomínios.

Grande impedimento do sistema está na legislação dos países, ainda não preparada para carros autônomos. A Alemanha, por exemplo, barrou a comercialização do A8 com o sistema ativado. O carro tem a capacidade de fábrica, mas só passará a poder entrar no modo autônomo através de atualização automática (como num celular, por internet 4G), quando o país permitir.

No Brasil, ainda não ficou claro se o modelo virá ou não com a função ativada.

Mimo total a bordo

Enorme, o pacote de atrativos da nova geração do A8 ainda permite estacionar sozinho por aplicativo de celular, cabine com comandos feitos em painéis e telas sensíveis ao toque, além de massageador não só nos quatro bancos individuais, mas também nos pés de quem viaja atrás.

O conceito de conectividade e interatividade na linha Audi (com direito a várias telas pela cabine), permite configurar ainda o sistema de suspensão inteligente e ativa, capaz até de erguer um dos lados da carroceria se detectar iminência de colisão lateral -- como forma de proteger os ocupantes.

Há rodas traseiras esterçantes e até airbags centrais para proteger os ocupantes em colisões, evitando que eles se choquem entre si.

Para cá, a Audi importará apenas o A8 L, versão com entre eixos alongado , com motor 4.0 V8 de 466 cv e 67,3 kgfm de torque.

Audi também vai abolir atual nomenclatura de versões, passando a usar os emblemas Prestige, Prestige Plus e Performance, sendo que modelos mais caros também podem perder configurações de entrada.

A8+SUV = Q8

Ainda não está certo o momento de chegada do A8. Além da questão de homolgação e legislação, o interesse do mercado pode fazer outra estrela da nova linha passar à frente, o SUVão-Cupê Q8.

O utilitário esportivo com também esteve no Salão de SP e virá com motorizações a gasolina -- possivelmente o mesmo 3.0 V6 dos sedãs da marca --, sendo claramente um modelo para chamar atenção e rivalizar com Mercedes-Benz GLE e GLE Coupe, além de BMW X6.

Siga o UOL Carros no

Mais Testes e lançamentos