PUBLICIDADE
Topo

Pedala

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

"Piada" de "humorista" sobre ciclistas é desumana, vil, odiosa e violenta

Murilo Couto incitou ódio e violência contra ciclistas durante um stand-up - Reprodução/Instagram/murilocouto
Murilo Couto incitou ódio e violência contra ciclistas durante um stand-up Imagem: Reprodução/Instagram/murilocouto
Diego Salgado

Repórter do UOL desde 2015, com passagens por Estadão e Portal 2014. Ciclista há 20 anos na cidade de São Paulo, já pedalou por 10 países e atravessou sozinho a América do Sul e a Europa. A Oceania é o próximo desafio.

12/07/2021 20h37

Meu maior receio no trânsito é ser atropelado por um ônibus, porque nós, ciclistas, precisamos conviver com isso todos os dias. Eis que essa situação tão desagradável foi parar na boca de um humorista, que defendeu, entre risos, o atropelamento de ciclistas, um crime, como todos sabem.

Murilo Couto, que conta com 2,6 milhões de seguidores no Instagram, disse isso mesmo, acredite. No vídeo que viralizou no fim de semana, o "humorista" faz pouco caso dos riscos que todos os ciclistas encaram num trânsito violento como do Brasil. Ele incita o ódio e a violência diante de um cenário que já é alarmante na comparação com outros países.

As palavras de Murilo foram essas: "No caso de ciclista, eu dou razão ao motorista de ônibus que atropela", disse o "humorista", que ainda proferiu um discurso de ódio: "Seis da manhã na faixa de carro. Tenho uma raiva quando vem um ciclista: 'ah, é meu direito'".

Murilo, de forma desumana, esquece que 107 ciclistas morreram no estado de São Paulo nos quatro primeiros meses de 2021. Ou que ocupar a faixa é, sim, um direito do ciclista previsto no artigo 58 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

"Nos últimos 10 anos, quase 14 mil ciclistas tiveram suas vidas ceifadas por motoristas de ônibus, automóveis e caminhões nas estradas, ruas e avenidas de todo o Brasil. Mortos no trânsito, em geral, somam em média mais de 50 mil pessoas por ano. É uma tragédia humanitária", disse em nota a Associação Brasileira do Setor de Bicicletas (Aliança Bike).

A União de Ciclistas do Brasil (UCB) também repudiou as falas de Murilo. "Ficamos alarmados que uma pessoa pública estimule que um motorista possa vir a ferir ou matar um ciclista. Acreditamos na liberdade de expressão como princípio fundamental da democracia, mas é inadmissível a expressão de discursos que incentivem o ódio e a violência contra quem quer que seja."

A coluna entrou em contato com Murilo Couto, mas até agora não obteve resposta. O vídeo foi retirado do canal do "humorista" no YouTube, mas ele não se manifestou sobre o caso - de ontem para hoje, porém, já postou três conteúdos nos stories.

Deixo ainda uma sugestão ao "humorista". Que encare por um dia as ruas de uma grande cidade com uma bicicleta, que preste serviço de entrega como um ciclista. Eu, ao contrário de Murilo, espero que nenhum ônibus chegue perto dele.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL