Paula Gama

Paula Gama

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
ReportagemCarros

Crime sobre rodas: como bandidos usam Uber para sequestrar vítimas

A sensação de insegurança, presente em diversos espaços públicos, chegou ao transporte via aplicativo. As últimas semanas foram marcadas por casos assustadores envolvendo motoristas de Uber. Somente na região metropolitana de Salvador, dois homens foram presos - em episódios diferentes - suspeitos de sequestrar e roubar passageiros, principalmente, mulheres.

Um deles fez pelo menos cinco vítimas e causou um prejuízo de R$ 50 mil. Ainda na Bahia, uma mulher precisou pular do carro em movimento para evitar um estupro por parte do condutor.

Os casos citados, que aconteceram em um período de 10 dias, estão sendo investigados pela polícia, mas não faltam exemplos em diversos estados do Brasil de como bandidos se aproveitam da plataforma para abordar vítimas, mesmo com tantas ferramentas de segurança.

De acordo com a delegada Maritta Souza, que investiga um dos casos, o criminoso cancela a viagem assim que a vítima entra no carro, mostra a arma e anuncia o assalto ou sequestro. O próximo passo era obrigá-las a fazer transferências bancárias, sob ameaças de morte e de estupro. Depois, o criminoso deixa a vítima em uma via qualquer, sem pertences e incomunicável.

Em nenhum dos casos, a polícia deu detalhes sobre como foi feito o cadastro dos criminosos na plataforma Uber, mas chama atenção a ousadia de cometer crimes sabendo que informações pessoais, como nome, endereço e documentos estão registrados na ferramenta. É exatamente por isso que, de acordo com Eduardo Lima de Souza, presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo (Ama-SP), muitos compram contas falsas.

"Há duas situações: quando o bandido rouba o celular do motorista e se passa por ele - mas isso é por poucos minutos - e, a mais comum, criminosos que compram contas falsas. Você acha facilmente para comprar no Facebook. Eles utilizam esse tipo de conta porque não registram seus dados reais. Uma empresa de tecnologia permitir que algo desse tipo aconteça é o fim dos tempos, mas acontece", afirma.

Cássio Thyone, conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, avalia que esse tipo de crime se tornou muito comum porque empresas como a Uber ampliaram o acesso à profissão de motorista profissional. Hoje, existem mais motoristas de aplicativo do que de táxi durante o auge do serviço. Para Thyone, boa parte desses sequestros e assaltos acontecem com apoio de outro crime, como o uso de documentos falsos para se cadastrar na plataforma.

Ainda que seja praticamente impossível ficar imune à violência em qualquer espaço, o especialista em segurança pública explica que existem formas de reduzir o risco. O primeiro passo é conhecer bem a plataforma que estiver utilizando e orientar os usuários idosos ou adolescentes sobre as ferramentas existentes.

"É importante escolher motoristas mais bem avaliados e sempre conferir se a pessoa que se apresenta é a da foto. Depois, é preciso saber usar todas as ferramentas disponíveis, como compartilhamento de corrida com um familiar, gravar o áudio da viagem e o famoso botão do pânico, que aciona a polícia", explica.

Continua após a publicidade

Outra recomendação básica e importante é jamais utilizar o serviço pirata. "Mesmo que você seja assaltado usando a plataforma, terá chances de rastrear o criminoso. Se você pegar um Uber 'pirata', como esses que ficam no aeroporto, você perde todos os recursos do aplicativo, todas as garantias. Normalmente, esses motoristas informais são os que foram banidos dos aplicativos", alerta.

O que diz a Uber

UOL Carros enviou notícias sobre todos os crimes citados para a Uber. A empresa afirmou que considera inaceitável e repudia qualquer ato de violência, defende que as mulheres têm o direito de ir e vir da maneira que quiserem e têm o direito de fazer isso em um ambiente seguro.

"A empresa acredita na importância de combater, coibir e denunciar casos dessa natureza e encoraja que as mulheres denunciem qualquer incidente tanto pelo aplicativo quanto às autoridades competentes. A Uber permanece sempre à disposição para colaborar com as investigações, na forma da lei", disse por meio de nota.

O Uber disse ainda que segurança é uma de suas prioridades, por isso, investe em ferramentas que atuam antes, durante e depois das viagens para torná-las mais tranquilas.

"No entanto, a Uber entende que a violência de gênero é um problema social complexo e sistêmico que demanda ação conjunta de toda a sociedade. Por isso, a empresa possui, desde 2018, um compromisso público de enfrentamento à violência contra a mulher, que se materializa em uma série de parcerias com especialistas e autoridades no assunto para colaborar na construção de projetos e iniciativas para enfrentar essa realidade no aplicativo e na sociedade como um todo", afirmou a plataforma.

Continua após a publicidade

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes