PUBLICIDADE
Topo

Motoesporte

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Eric Granado e a temporada de sua vida

Eric Granado com a Honda CBR 1000RR-R em Jerez de la Frontera - Honda/divulgação
Eric Granado com a Honda CBR 1000RR-R em Jerez de la Frontera Imagem: Honda/divulgação
Roberto Agresti

Sobre o Autor - Roberto Agresti dirigiu durante mais de 30 anos revistas especializadas em motocicletas. Cobriu corridas da MotoGP, do Mundial de Motocross, de Enduro e um inesquecível Paris-Dakar na África. É comentarista da rádio CBN, onde desde 2014 tem o CBN Moto, onde fala sobre motociclismo em rede nacional.

Colunista do UOL

30/03/2022 11h26Atualizada em 30/03/2022 17h57

Eric Granado fará 26 anos em 2022, em 10 de junho para ser mais exato, e sabe que este ano será crucial para sua carreira. Empenhado em duas frentes, a Copa do Mundo da MotoE, as motos elétricas, e o Campeonato Espanhol de Superbikes, para dar sequência a sua trajetória internacional ele não tem alternativa: nesta temporada ele precisa vencer.

Mencionei o aniversário de Eric por conta da relevância que a idade tem no mundo da motovelocidade internacional. A precocidade do nº 1 da MotoGP em 2021, Fabio Quartararo, de 22 anos, ou de seu antecessor Joan Mir, 23 anos, aponta a situação delicada de Eric, que já não é mais um garotinho.

motoe - LCR/Divulgação - LCR/Divulgação
Eric Granado na MotoE, nos treinos em Jerez
Imagem: LCR/Divulgação

Nos últimos três anos Eric "bateu na trave" na Copa do Mundo da MotoE, onde sua velocidade é tão inquestionável quanto seus vacilos. Na temporada passada deixou o título escapar entre os dedos na etapa final. Tendo em vista sua grande experiência - lembremos que já faz uma década que Eric estreou no Mundial, no qual esteve por três temporadas - perder a chance de ser campeão daquela maneira não fez nada bem para sua imagem.

Ciente de que sua possibilidade de chegar à categoria máxima da motovelocidade, a MotoGP, é praticamente nula, Eric mira uma vaga no Campeonato Mundial de Superbikes, o que é um excelente plano B. Fez uma única corrida nesta categoria, no final de 2020, mas a real chance que teve de conseguir um posto fixo na equipe oficial da Honda-HRC foi no final de 2021, quando a marca decidiu renovar sua equipe 100%. Há quem diga que se na etapa decisiva da Copa do Mundo da MotoE Eric tivesse papado o título ele teria sido escolhido. O tropeço fez a Honda engavetar seu nome e optar por dois jovens espanhóis como seus novos pilotos para 2022, Iker Lecuona, que corria na MotoGP pela KTM, e Xavi Vierge, piloto do mundial da Moto2. Uma escolha vista como radical, uma aposta na juventude pois ambos tem zero experiência na superbike, ao contrário de Eric, que em 2021 competiu com a nova Honda Fireblade no campeonato espanhol.

Eu não sou o único a pensar que a Honda brasileira poderia ter "pesado a mão" para Eric colocar na equipe oficial da marca. Suponho que os interesses comerciais da Honda no Brasil são maiores do que em relação à Espanha. Mas certamente alguém da Honda brasileira vai me dizer que não é bem assim, que o buraco é mais embaixo. OK, deve ser mesmo. Seja como for, a Honda Brasil deu continuidade ao seu longo histórico de apoio ao Eric, e mais uma vez está bancando sua presença no Campeonato Espanhol de Superbike em 2022. Indo bem no Espanhol, há chance de subir para o time oficial da Honda no Mundial de Superbike. Porém, no ano passado, Eric não conseguiu brilhar com a CBR 1000RR-R ante aos rivais do campeonato ibérico. Registrou cinco pódios em doze corridas, sem nenhuma vitória, enquanto seu companheiro de equipe pisou sete vezes no pódio, em seis delas como vencedor.

Neste próximo final de semana Eric Granado dará início a sua temporada 2022, na primeira etapa do Espanhol de SBK, em Jerez de la Frontera. Está na mesma equipe, a forte Honda Laglisse, mas terá novos companheiros de box: o experiente espanhol Tito Rabat, dono de um título Mundial na Moto2 em 2014 e nada menos do que cinco temporadas completas na MotoGP, onde nunca brilhou. Vem de uma fraca campanha no Mundial de SBK mas tem potencial para incomodar. Outro colega de Eric na equipe será o chileno Max Scheib, que já foi campeão no espanhol de SBK em 2019. Com este naipe de gente ao lado Eric tem a chance de ouro de se destacar, para assim poder continuar a sonhar com a vaga na equipe oficial da Honda no Mundial de Superbikes.

Na MotoE, Eric fará sua primeira corrida no finalzinho de abril. Com equipe nova, a italiana LCR, e em sua quarta temporada na categoria, o que se espera do brasileiro é simplesmente o máximo, transformar o potencial demonstrado nos anos passados em um título de campeão, coisa que lhe falta desde 2017 quando foi o nº 1 no campeonato europeu da Moto2. Esta é a pedreira de Eric Granado para 2022, um momento decisivo na carreira, a temporada de sua vida, na qual deverá empenhar todo seu talento e também ter muita sorte, para finalmente colher os frutos de sua grande dedicação. Boa sorte Eric!