PUBLICIDADE
Topo

Carros de leilão: quando são um bom negócio e quais as possíveis roubadas

Leandro Moraes/UOL
Imagem: Leandro Moraes/UOL
Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

Colunista do UOL

27/08/2020 04h00

Quem assiste ou já assistiu a alguns desses programas sobre carros gravados em outros países, em especial nos Estados Unidos, reparou que muitos veículos são negociados em leilões. Tudo parece ser fácil, prático e bom para ambos os lados da negociação, mas sabemos que nem sempre é assim.

Claro que, em programas como esses, a finalidade é entreter o público. Portanto é aceitável imaginarmos que muitas dessas negociações tem dedo do pessoal da produção.

Basta participar ou simplesmente entrar em um leilão de carros aqui no Brasil para ver que o entretenimento passa longe dali. O que temos, na maior parte das vezes, são carros ruins e pessoas atentas aos veículos que poderão ser lapidados para dar algum lucro em uma futura revenda.

Deixo claro, já no início desta coluna, que não gosto de veículos com passagem por leilão. Como um Caçador de Carros, sempre evito avaliar modelos com essa procedência, e só o faço quando o cliente pede, já ciente disso.

Quase sempre me decepciono com esses carros, que estão longe do meu padrão de qualidade. Mas também já me surpreendi positivamente com alguns. Ou seja, no fim das contas, tudo tem seu preço certo, e dependendo do caso, pode ser vantajoso adquirir um veículo com passagem por leilão.

Porque não são bem vistos

Assim como eu não gosto, tenho certeza que muitos leitores também não gostam. O leilão mancha a história de um carro, e ele fica marcado para sempre. Os motivos do veículo ter ido para leilão vai influenciar diretamente no preço dele.

Um leilão de seguradora, por exemplo, em que o veículo sofreu com alguma colisão, desvaloriza muito mais do que o veículo que foi para leilão de uma financeira, por inadimplência do antigo dono.

Mas, mesmo neste segundo exemplo, em que teoricamente o carro é igual a qualquer outro, o fato do antigo dono não ter conseguido pagar as parcelas do financiamento levantam suspeitas de outras coisas danosas que ele pode ter feito com o carro, como ter usado combustível ruim, por exemplo.

É essa falta de conhecimento de como o carro foi mantido que faz com que eu não goste de carros com passagem por leilão. Mas, com sorte, um bom histórico de manutenção, com carimbos e notas fiscais de tudo o que foi feito, podem estar dentro do porta-luvas. Nunca vi algo assim, mas não posso afirmar que não exista.

Quem me conhece sabe o quanto valorizo isso. Inclusive passo a tolerar outros possíveis detalhes quando me deparo com um rico histórico de manutenção.

Quando considerar a compra de um

Mas nem tudo é ruim, pois caso contrário ninguém entraria nesse negócio. Comprar um carro com passagem por leilão só vale a pena se o preço for realmente muito bom em um carro com qualidade. Porém, por mais barato que seja, lembre-se que lá na frente, no momento da revenda, o carro continuará valendo menos que a média do mercado.

Outra condição favorável para compra é o caso de carros mais antigos ou em modelos exclusivos. Nesses casos, pouco importa esse histórico, já que a referência do valor do veículo não será o preço de mercado. Por exemplo: quem está procurando um raro Corsa GSi e se depara com um em ótimo estado, não vá deixar de comprá-lo só por ser de leilão.

Quando não considerar a compra de um

Não entre nesse negócio se você tem pouca ou nenhuma experiência no comércio de carros. É possível que você pague mais do que deveria ou revenda por menos do que ele vale.

E, caso esteja acostumado a negociar seu carro na troca por um mais novo, saiba que poucas lojas e concessionárias consideram tem um carro de leilão no seu estoque. É bem possível que você tenha que revender no mercado particular, e ter paciência para encontrar o comprador certo.

Quem também não gosta de carros de leilão são as seguradoras. Elas sabem que o carro não tem o mesmo valor de mercado, e nas vezes que aceitam a apólice, não é por 100% do valor do veículo. Se você quer colocar no seguro, melhor considerar um carro com procedência melhor.

Minha experiência dentro de um leilão

Não são raros os clientes que pedem para eu avaliar um carro que está em um leilão. Não aceito o serviço, pois sei que o veículo não poderá ser avaliado do mesmo jeito que eu avalio outros carros. Mas teve um que insistiu tanto que acabei cedendo.

O pretendente era um BMW X3, com passagem por leilão de seguradora. Já sabia que o carro estaria trancado, com os vidros fechados, e eu não poderia fazer nenhum teste. A avaliação foi apenas visual, o que me deixou bastante frustrado.

Fiz o melhor que pude, tentei enxergar o interior do carro pelos vidros escuros, mas não tive muito sucesso. No olhômetro, o carro era bom, e não poderia ter dito nada além disso. Passei as fotos e o relatório para o meu cliente, que ficou satisfeito e conseguiu arrematar o carro.

Mas não foi tão simples. Enquanto eu olhava o carro atentamente, reparei que outros me observavam. Possivelmente, ninguém fica tanto tempo focado em um modelo específico, e isso pode ter acendido o interesse de outras pessoas. O resultado foi que, no momento do leilão, muitos ofertaram valores mais altos do que o esperado. Como eu disse, meu cliente arrematou, mas precisou abrir mais a carteira.

Particularmente, não gostei da experiência. Por mais satisfeito que o cliente tenha ficado, sei que fiz pouco por ele. Se fosse para mim, jamais teria realizado a compra. Não consigo considerar a hipótese de comprar um carro sem ver todos seus detalhes, testar todos seus equipamentos e andar com ele. Ainda mais em um BMW, que sabemos ter um custo de manutenção mais alto que a média.

Depois desse caso, mantive minha postura de não aceitar avaliar carros que serão leiloados.

Como saber se o carro é de leilão

Depois que o carro saiu do leilão, ele pode ser negociado normalmente pelo seu comprador. Em boa parte das vezes, esse comprador vai tentar revender o veículo logo em seguida, obviamente por um valor maior do que foi pago por ele.

Até aí, nenhum problema. Mas, considerando que nada sobre o leilão foi dito por ele, considere fazer uma consulta paga sobre o documento do carro. Isso pode ser feito em uma dessas empresas de vistoria, ou então em sites especializados em consultas. Somente assim você não correrá o risco de comprar um carro com passagem por leilão sem saber.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL