PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Novo teste sorológico pode medir tempo de proteção das vacinas contra covid

Novo teste para medir tempo de imunização de vacinas teve metodologia publicada na revista científica "Nature" - iStock
Novo teste para medir tempo de imunização de vacinas teve metodologia publicada na revista científica 'Nature' Imagem: iStock

Taíssa Stivanin

04/05/2021 09h32Atualizada em 05/05/2021 07h39

A duração da imunidade gerada pelas vacinas contra a covid-19 ainda é desconhecida. Nos próximos anos, o monitoramento da quantidade de anticorpos presentes no organismo após as injeções será essencial para o controle das contaminações.

O teste criado pelo cientista francês Etienne Joly, do Instituto de Farmacologia e Biologia Estrutural do CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica), da Universidade de Toulouse, no sul da França, pode ser a solução para avaliar o tempo de proteção dos imunizantes contra o SARS-Cov-2. A descrição do novo método foi publicada na revista científica "Nature Communications", em março deste ano.

Durante o primeiro lockdown na França, em 2020, trancado em casa e com seu laboratório fechado, o imunologista francês pensou na criação de um teste para detectar, de maneira rápida e barata, a existência de anticorpos contra a covid-19.

Na época, ainda não existiam as vacinas: a ideia inicial seria usá-lo em países sem estruturas laboratoriais sofisticadas e com populações que vivem em locais mais afastados, para avaliar a porcentagem de imunizados em um grupo.

Para concretizar seu projeto, o pesquisador francês entrou em contato com o virologista britânico Alain Townsend, da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Juntos, eles desenvolveram esse teste inédito, que utiliza a chamada hemaglutinação, e que custa apenas 30 centavos de euros — menos de R$ 2.

O método é baseado em uma técnica que existe há cinquenta anos, utilizada para determinar a tipagem sanguínea. A realização é simples: basta recolher uma amostra de sangue fazendo um pequeno furo no dedo e diluí-la em cones específicos para o manejo.

Depois de uma hora de incubação, os glóbulos vermelhos se depositam no fundo do objeto, formando um círculo de cor vermelha. Os glóbulos vermelhos que não se aglutinaram vão adquirir a forma de uma lágrima. Aqueles que se aglutinarem em forma circular indicarão a a presença de anticorpos contra o vírus.

O ineditismo da ferramenta, que não precisa de materiais sofisticados ou máquinas para interpretar a amostra, consiste no uso de um único reagente líquido "desenhado" pelo pesquisador francês e o cientista de Oxford, formado por uma proteína recombinante.

O método associa um anticorpo que reconhece uma molécula na superfície dos glóbulos vermelhos, chamada glicoforina, a um outro peptídeo, o RBD (receptor binding domain), um dos receptores do vírus situado na superfície da proteína Spike, utilizada pelo SARS-Cov-2 para entrar nas células. Em contato com o sangue, esse reagente se fixa aos glóbulos vermelhos.

Se os anticorpos contra o vírus estiverem presentes na amostra, eles vão se acoplar aos fragmentos dos peptídeos RBD presentes em dois glóbulos vermelhos diferentes, levando à aglomeração.

Ela indicará se o indivíduo foi contaminado recentemente ou há um certo tempo. Receptores como o RBD são essenciais para o que vírus possa entrar nas células e se reproduzir rapidamente.

"A maior parte dos anticorpos neutralizadores do SARS-Cov-2 se conecta a esse peptídeo, o RBD. Por isso nós os escolhemos. Ele é diferente dos outros. Todos temos anticorpos contra o coronavírus e se tivéssemos escolhido um peptídeo que existisse em outros coronavírus, nosso teste não seria preciso", explicou o pesquisador à RFI Brasil.

O interesse da invenção, ressalta, é detectar os anticorpos que protegerão o organismo do vírus. Os testes sorológicos são fundamentais porque hoje, lembra o pesquisador francês, ninguém sabe qual é a quantidade necessária de anticorpos que protege o indivíduo de uma nova infecção.

"Sabemos que podemos ser contaminados várias vezes pelo SARS-Cov-2. Há muitos casos de pessoas que pegaram o vírus duas vezes ou foram vacinadas e pegaram. A questão é saber se há uma correlação entre o nível de anticorpos e a proteção. Isso, nós não sabemos", salienta.

Sistema imunológico

O pesquisador francês também lembra que o sistema imunológico tem outras armas para se proteger contra a infecção, como os linfócitos T, que reconhecem e destroem as células anormais do corpo.

"Há muitos argumentos que demonstram que esses linfócitos têm também um papel importante na luta contra o vírus. Sabemos que o organismo pode se defender dele. As pessoas que já foram contaminadas uma vez têm menos chance de pegá-lo e as pessoas vacinadas têm um certo grau de proteção. É muito possível, mesmo que ainda não esteja certo, que a proteção estará relacionada ao nível de anticorpos que circula no sangue das pessoas."

O imunologista ressalta que seria necessário realizar um estudo para avaliar a correlação entre a taxa de anticorpos e as infecções, em um grande número de pessoas e de maneira regular. Nesse contexto, testes de baixo custo e de simples realização, como o descoberto pelo cientista francês, seriam uma grande vantagem.

A eficácia do método já foi avaliada no soro sanguíneo de 400 pacientes de hospitais do Reino Unido, com uma sensibilidade estimada em 90%. A próxima etapa agora é obter a validação do teste junto às autoridades de saúde de diferentes países.

Para isso, explica o cientista francês, é preciso organizar, num futuro próximo, um estudo clínico, que inclua centenas de voluntários e compare o desempenho do teste a outros já existentes, o que está nos planos do imunologista francês e do cientista britânico com quem ele desenvolve a pesquisa.

Saúde