PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

OMS: corticoides podem reduzir em 20% risco de morte por covid-19

Farmacêutico mostra frasco de dexametasona - YVES HERMAN
Farmacêutico mostra frasco de dexametasona Imagem: YVES HERMAN

03/09/2020 13h53

A OMS destaca o estudo que reagrupa diversos testes realizados com doses leves de hidrocortisona, dexametasona e metilprednisolona — moléculas da família dos glicocorticoides —, que foram inoculadas em pacientes internados em terapia intensiva, e que apresentaram respostas significativas.

Os resultados mostram que o tratamento reduz a mortalidade em quase um terço entre os pacientes que necessitam de respiradores e em cerca de um quinto entre os pacientes que requerem apenas oxigenoterapia. A taxa de sobrevivência é de cerca de 68% após o tratamento com corticoides contra 60% na ausência destas substâncias, especificam os autores da análise no comunicado.

Um dos autores do relatório, Jonatthan Sterne, professor de estatísticas médicas e epidemiológicas da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, destaca que os corticoides são medicamentos de baixo custo e prontos para uso. Ele acrescenta que estudos semelhantes realizados no Brasil, Canadá, China, Espanha e Estados Unidos produziram praticamente os mesmos resultados em pacientes, independentemente da idade, sexo ou da duração de sua doença.

O relatório publicado no Journal of the American Medical Association confirma resultados revelados em junho passado que destacam a dexametasona como a primeira molécula capaz de demonstrar eficácia na redução da mortalidade entre os casos graves de covid-19. Desde então, a dexametasona tem sido amplamente usada em unidades de terapia intensiva em diversos países.

"Esses resultados são claros e podem ser usados imediatamente em prática clínica", enfatizou Martin Landray, professor de medicina e epidemiologia da Universidade de Oxford. "Em pacientes com covid-19 gravemente enfermos, corticosteroides de baixa dosagem reduzem significativamente o risco de morte."

Saúde