PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

O que é náusea? Entenda o sintoma e o que tomar para aliviar

Saiba o que é náusea e o que tomar para aliviar o sintoma - iStock
Saiba o que é náusea e o que tomar para aliviar o sintoma Imagem: iStock

Diana Cortez

Colaboração para VivaBem

01/04/2022 04h00

A náusea (ou enjoo) é um sintoma caracterizado por uma sensação desagradável de vontade de vomitar, que pode aparecer associada a suor frio, salivação em excesso, alteração do paladar, tontura, falta de apetite e dor abdominal.

Apesar de aparecer algo diretamente ligado ao estômago, trata-se de uma reação controlada pelo cérebro, mais especificamente pelo chamado "centro do vômito".

Na maioria das vezes, o sintoma surge quando essa região cerebral é estimulada por conta de alguma doença física, sendo que existem centenas de possibilidades, como as viroses ou infecções por bactérias, labirintite, alterações metabólicas (diabetes), refluxo, úlcera, doença inflamatória intestinal, pancreatite, cólica biliar, entre outras.

"Tudo o que provoca dor ou alteração da coordenação motora do tubo digestivo pode gerar um estímulo no centro do vômito por meio de fibras nervosas que se comunicam com o cérebro", diz Decio Chinzon, doutor em gastroenterologia pela USP (Universidade de São Paulo), médico assistente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e chefe do Serviço de Gastrologia da Dasa.

A náusea também pode surgir como um mecanismo de defesa (a chamada náusea fisiológica), quando o corpo identifica uma substância que faz mal ou é tóxica para o organismo. Por exemplo, quando comemos algum alimento estragado ou consumimos álcool em excesso. Nesses casos, o sintoma surge para impedir que a digestão prossiga.

"O cérebro fecha o trânsito do conteúdo do estômago, bloqueando seu acesso ao intestino, então começa um fluxo reverso e o sintoma da náusea a fim de gerar o vômito", explica Gabriel Novaes de Rezende Batistella, neurologista e neuro-oncologista pela Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e membro da Society for Neuro-Oncology Latin America.

O enjoo do movimento é outra situação comum em algumas pessoas em meios de transportes como barcos ou ônibus. E acontece porque o movimento atua no centro de equilíbrio e acaba estimulando aquela região específica do cérebro. O mesmo acontece com as crianças que tossem até induzirem o vômito, pois são áreas próximas no cérebro.

Quando a náusea é um sinal de alerta?

O enjoo não é algo que preocupa se acontecer ocasionalmente e tiver outros sintomas associados como a diarreia diante de um quadro de virose. Por outro lado, caso a frequência impossibilite a ingestão adequada de água e alimentos no dia, um médico deverá ser consultado para prescrever o melhor medicamento a fim de bloquear essa reação do cérebro enquanto a doença de base é investigada. Caso contrário, o paciente corre risco de desidratação, algo que pode inclusive afetar outros sistemas.

Caso seja um sintoma mais agressivo e recorrente, o especialista poderá investigar doenças neurológicas como tumores, AVC (acidente vascular cerebral) ou mesmo um quadro de esclerose múltipla. "Trata-se da náusea patológica, que pode persistir mesmo com medicação para cessar", explica Batistella.

intoxicação alimentar, virose, vômito, mulher vomitando no banheiro, náusea - iStock - iStock
Imagem: iStock

Pacientes quimioterápicos ou que passaram por uma cirurgia também costumam apresentar náuseas por conta da ação das substâncias usadas nos procedimentos e precisam ser medicados para que não fiquem debilitados.

Nas gestantes, os enjoos são comuns nos três primeiros meses de gravidez devido às alterações hormonais, mas, caso persistam após esse período, indica um quadro de hiperêmese gravídica.

"A gestante vomita tanto que pode desidratar ao ponto de reduzir o fluxo sanguíneo para o feto e ter desmaios. Para evitar essa situação, a mulher precisa ser tratada", alerta o neurologista.

Como aliviar a náusea?

Existem vários tipos de medicamentos antieméticos, alguns têm ação central, outros, periférica, que poderão ser prescritos depois de uma avaliação médica e de acordo com cada causa.

A ondansetrona e a metoclopramida, por exemplo, atuam diretamente no centro do vômito. Já o dimenidrinato, além de agir no cérebro, melhora a labirintite, que leva ao enjoo. O médico ainda poderá analisar o uso de corticoides para tratar o sintoma.

Nos casos recorrentes, também devem ser avaliadas doenças de fundo emocional como ansiedade, depressão ou excesso de estresse, que podem causar até mesmo a síndrome dos vômitos cíclicos, em que a pessoa apresenta episódios constantes.

"Distúrbios alimentares nos quais o paciente induz a náusea como anorexia e bulimia também devem ser investigados", comenta Batistella.

Vomitar sem ter náusea não é normal

Esse é um indicativo clássico de meningite (inflamações das meninges - membranas que envolvem o sistema nervoso central), situações nas quais aumenta a pressão dentro da cabeça ou diminui a capacidade do nosso cérebro absorver o líquido cefalorraquidiano.

A meningite pode ser causada por bactérias, vírus, fungos e até por medicamentos, sendo que o tratamento muda de acordo com a causa e envolve medicamentos para aliviar os sintomas.

Existe receita caseira para interromper o enjoo?

Água gelada - iStock - iStock
Imagem: iStock

Algumas técnicas não medicamentosas parecem ajudar a inibir os quadros de náuseas mais leves, apesar de não serem comprovadas.

Elas consistem em beber água bem gelada ou chupar gelo, ficar com o rosto no vento ou mastigar um pedacinho de gengibre.

Saúde