PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Exame detecta o risco de insuficiência cardíaca em pacientes diabéticos

kukhunthod/IStock
Imagem: kukhunthod/IStock

Bruna Alves

Do VivaBem, em São Paulo

24/11/2021 13h40

No último dia 22 de outubro, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a indicação de um exame que detecta o risco elevado de pessoas com diabetes tipo 2 desenvolverem insuficiência cardíaca. Essa condição grave que afeta 32,2% desses pacientes é responsável por, pelo menos, 50% das mortes na população diabética.

O exame é feito a partir de uma simples coleta de sangue e já é realizado por laboratórios no Brasil para outras indicações há 15 anos, tanto para avaliações eletivas quanto no ambiente de pronto-socorro, mas sem patologias prévias específicas, como é o caso agora.

De acordo com um dos principais estudos que embasaram a aprovação pelo órgão regulador, houve um aumento acentuado nos níveis do marcador cardíaco, chamado NT-proBNP, que pôde ser detectado em pacientes com diabetes tipo 2, seis meses antes de ocorrer a hospitalização por insuficiência cardíaca.

Os acompanhamentos clínicos entre pacientes com e sem diabetes tipo 2 demonstraram que os diabéticos apresentaram um risco 112% maior de desenvolver insuficiência cardíaca.

No caso de pacientes diabéticos classificados como de alto risco para desenvolver insuficiência cardíaca, e sem histórico da doença, foi comprovado que, ao longo de dois anos de acompanhamento intensificado, a taxa de hospitalização ou morte devido à doença cardíaca pôde ser reduzida em 65% em comparação com os pacientes que não receberam a mesma atenção médica.

Disponível pelo SUS apenas com a antiga indicação

Embora o exame NT-proBNP já tenha sido autorizado pelo SUS (Sistema Único de Saúde) para diagnosticar a insuficiência cardíaca (sem a nova indicação para pacientes diabéticos), na prática, ele não está disponível em todo o país.

De acordo com Humberto Villacorta, médico cardiologista e professor associado da Universidade Federal Fluminense, a Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde) e a consulta pública deram um parecer favorável para a incorporação do exame NT-proBNP no SUS, inclusive, a decisão foi publicada no Diário Oficial. "Mas falta acontecer. Teoricamente, [o exame] teria 180 dias para estar disponível no SUS, mas ainda não temos isso", diz.

Segundo ele, os hospitais que são centros de referências, como os universitários, têm o exame, e já tinham mesmo antes da incorporação.

Lembrando que já existe uma diretriz de utilização que direciona o seu uso apenas para o diagnóstico de insuficiência cardíaca, que não contempla a nova indicação.

Ainda não há nenhuma diretriz sobre o uso do exame no setor privado de saúde. O valor do exame para o paciente final, que porventura queira realizá-lo de forma particular, depende de cada laboratório.

Por que essa aprovação é importante?

Os especialistas poderão ter uma conduta clínica mais assertiva, a partir da avaliação de risco personalizada da população diabética, o que permitirá a realização de tratamentos cardioprotetores preventivos e, consequentemente, a obtenção de melhora nos resultados gerais dos pacientes.

"Estudos já mostraram que é possível prevenir e tem um grande estudo que está em andamento com mais de 2.000 pacientes, que estamos aguardando para comprovar que essa estratégia realmente previne", conclui o médico cardiologista.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi dito inicialmente, o exame em questão é disponibilizado pelo SUS em hospitais referências e universitários apenas para o diagnóstico de insuficiência cardíaca. Já para diagnosticar o risco em pacientes diabéticos, ele ainda não está disponível. A informação foi corrigida.

Saúde