PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Bolsonaro ataca CoronaVac e mente sobre não ter comprovação científica

Bolsonaro, sem máscara, durante passeio de moto em São Paulo - Reprodução/Facebook
Bolsonaro, sem máscara, durante passeio de moto em São Paulo Imagem: Reprodução/Facebook

Colaboração para o UOL

15/06/2021 23h37Atualizada em 16/06/2021 11h42

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a atacar a CoronaVac, na noite de hoje, e mentiu mais uma vez ao dizer que a vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac não tem comprovação científica.

"A segunda mais usada aqui no país, a CoronaVac, o prazo de validade dela é em torno de 6 meses, e muita gente tem tomado e não desenvolve anticorpo nenhum. Então, essa vacina não tem comprovação científica ainda", afirmou Bolsonaro, em entrevista à SIC TV, afiliada à RecordTV, em Rondônia. A entrevista foi favorável ao presidente, sem contestações às suas falas.

As vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil foram autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em caráter definitivo —caso da Pfizer e da AstraZeneca— ou de forma emergencial —como a CoronaVac. Todas elas passaram por avaliações do órgão regulador que comprovaram a sua eficácia, qualidade e segurança, após testes clínicos com milhares de pessoas.

Durante a entrevista, o presidente foi irônico ao dizer que faria um teste em duas cidades de Rondônia, imunizando em uma delas todos os habitantes com CoronaVac e na outra utilizando a vacina da Pfizer.

"Assinamos um contrato agora com 200 milhões de vacinas da Pfizer, que tem mais credibilidade do que uma outra que foi distribuída há pouco tempo e continua sendo distribuída", afirmou, sem citar o nome da vacina do Butantan.

"Você me deu uma ideia, a gente pode pegar uma cidade menor de Rondônia e pegar uma vacina como a Pfizer, que não é a CoronaVac, e jogar naquela cidade. E jogar a CoronaVac em outra. O pessoal vai reclamar da gente, quem pegar a CoronaVac vai reclamar, mas a gente pode pensar nisso daí. Eu dou a ideia para o ministro Marcelo Queiroga e a gente tenta", acrescentou.

A vacinação contra a covid-19 no Brasil começou com a aplicação da CoronaVac, logo após a Anvisa aprovar o uso emergencial do imunizante. Atualmente, segundo dados do Ministério da Saúde, 52,7% das doses distribuídas pelo país são da CoronaVac, 43,4% da AstraZeneca, produzida pela Fiocruz, e 3,9% da Pfizer.

Eficácia das vacinas

A vacina CoronaVac, criticada pelo presidente e bandeira do governador João Doria (PSDB), apresentou eficácia geral de 50,38% para prevenir casos de covid-19, 78% para prevenção de casos leves e 100% para casos moderados e graves da doença.

Nos testes, realizados com 13.060 pessoas, nenhum voluntário vacinado contraiu uma forma grave da covid-19 se contaminado. As taxas de eficácia do imunizante são semelhantes às verificadas em vacinas que já fazem parte do PNI (Plano Nacional de Imunização), como a da gripe.

O CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) informou em março que a vacina da Pfizer/BioNTech contra a covid-19 tem eficácia de 90% ou mais, em um estudo que leva em conta dados do uso do imunizante no mundo real, isto é, fora dos testes clínicos.

No dia 1º de junho, a OMS (Organização Mundial de Saúde) autorizou o uso emergencial para maiores de 18 anos da CoronaVac. A previsão original da OMS era de que o processo de revisão da CoronaVac fosse concluído em abril. Mas os técnicos da agência pediram mais informações no caso do imunizante usado no Brasil, o que acabou arrastando o processo.

Saúde