PUBLICIDADE

Topo

Pergunte ao VivaBem

Os melhores especialistas tiram suas dúvidas de saúde


Pergunte ao VivaBem

Ciúme excessivo pode ser algum transtorno mental? O que fazer?

Daniel Navas

Colaboração para o VivaBem

23/02/2021 04h00

Resumo da notícia

  • O ciúme é um sentimento normal nas relações humanas, mas pode aparecer por conta de algum transtorno mental
  • Se o sentimento está atrapalhando o dia a dia, é importante procurar a ajuda de um psicólogo ou psiquiatra
  • O ciúme excessivo pode ser fruto de baixa autoestima, sentimento de descaso ou negligência, insegurança ou do chamado ciúme obsessivo
  • Geralmente, o tratamento indicado é psicoterapia individual, que deve ser feita pelos dois, psicoterapia de casal ou até mesmo o uso de medicamentos

O ciúme é um sentimento comum e normal em relações humanas e pode sim surgir por conta de algum transtorno mental. Por isso, é de extrema importância buscar a ajuda de um profissional, se o ciúme estiver muito intenso e cause sofrimento significativo, ou interfira no trabalho, na própria relação amorosa, na família e em outros aspectos da vida da pessoa. Tanto o psicólogo como o psiquiatra estão aptos para identificar até que ponto este sentimento está em um nível adequado, ou se é necessária uma ajuda específica.

A insegurança e a baixa autoestima podem ser fatores que levam ao sentimento exagerado, assim como o descaso ou a negligência sentida pela pessoa (quando o parceiro desvia a atenção para o trabalho, hobbies, estudos e demais pessoas). Também pode ser identificado o chamado ciúme obsessivo ou patológico. Este problema ocorre quando o sentimento passa a ser muito frequente, a interferir no dia a dia do ciumento e causa sofrimento para o casal.

Geralmente, a psicoterapia individual é prescrita pelo profissional da saúde mental, mas é importante que o casal faça o tratamento. Além disso, também pode ser indicado a psicoterapia de casal ou até mesmo o uso de medicamentos, mas tudo vai depender de cada caso.

Em paralelo ao tratamento, é interessante mudar alguns comportamentos no dia a dia. Trabalhar a parceria do casal e conversar sobre o assunto, ouvir com atenção os dois lados e evitar usar do sarcasmo e ironia durante o bate-papo. Também é importante melhorar a autoestima e a rotina da pessoa que está com ciúme. Realizar atividades que gerem prazer para ela, e não para o casal ou somente para o outro indivíduo da relação.

Fontes: Eduardo Perin, psiquiatra e especialista em terapia cognitivo-comportamental pelo Ambulatório de Ansiedade do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo; Fellype Freitas, psiquiatra e psicanalista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo; Jhonatan Miranda, psicólogo, especialista em teoria psicanalítica e mestre em psicologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais); José Luiz Nauiack, psicólogo membro da Doctoralia; Marina Vasconcellos, psicóloga, psicodramatista e terapeuta familiar, de São Paulo.

Quais são suas principais dúvidas sobre saúde do corpo e da mente? Mande um email para pergunteaovivabem@uol.com.br. Toda semana, os melhores especialistas respondem aqui no VivaBem.

Pergunte ao VivaBem