PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Estudo da UFPR comprova efeitos tóxicos da cloroquina em células vasculares

Cloroquina é usada em casos graves de covid-19 no Brasil, mas ainda não provou eficácia em estudos - Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images
Cloroquina é usada em casos graves de covid-19 no Brasil, mas ainda não provou eficácia em estudos Imagem: Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

04/02/2021 13h33

Um estudo realizado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) conclui que a cloroquina provoca danos em células endoteliais, presentes em todos os vasos sanguíneos do corpo humano.

Os resultados foram publicados na revista Toxicology and Applied Pharmacology. A pesquisa foi conduzida durante o doutorado de Paulo Cézar Gregório, do Programa de Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia da UFPR, sob a orientação da professora Andréa Emília Marques Stinghen, do Departamento de Patologia Básica, e do professor Fellype de Carvalho Barreto do Departamento de Medicina Interna da UFPR.

Para chegar a essa comprovação, o pesquisador trabalhou com linhagens de células endoteliais humanas extraídas de vasos sanguíneos, que foram cultivadas na presença de cloroquina, em concentrações incapazes de causar sua morte celular, por até 72 horas.

Observou-se que, durante esse período, a célula induziu significativamente o acúmulo de organelas ácidas, aumentou os níveis de radicais livres e diminuiu a produção de óxido nítrico, levando ao estresse oxidativo e dano celular. Este processo, chamado de disfunção endotelial, pode resultar no funcionamento incorreto ou até na morte da célula. "Ela para de produzir substâncias que a protegem e passa a produzir em excesso substâncias tóxicas", resume a professora Andrea. Ainda de acordo com a hipótese do estudo, a disfunção endotelial pode afetar a circulação sanguínea, e por consequência, órgãos como coração, rins e pulmões.

O comportamento das células cultivadas em laboratório é semelhante a de células endoteliais infectadas pelo vírus SarsCov-2. Por isso, os pesquisadores concluem que a lesão nas células pode contribuir com o fracasso da cloroquina como terapia para o tratamento da covid-19. Embora haja diminuição da replicação viral in vitro, o uso da substância traz reações adversas. "Se por um lado, a cloroquina pode diminuir a replicação viral, por outro promove uma citotoxicidade que pode potencializar a infecção viral", enfatiza Gregório.

Cloroquina não trata precocemente covid-19 e pode causar efeitos colaterais

Desde o início da pandemia, algumas pessoas, incluindo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmam que a cloroquina (ou hidroxicloroquina) pode ser usada como "tratamento precoce" contra covid-19 — o que não há nenhuma evidência científica que comprove seus benefícios contra a doença. Pelo contrário, o medicamento de uso controlado pode ter efeitos colaterais, como distúrbio de visão, cefaleia e fadiga, além de ser indicado para pacientes com lúpus eritematoso sistêmico e discoide, artrite reumatoide e juvenil, doenças fotossensíveis e malária.

A cloroquina, inclusive, faz parte de um "kit covid" que inclui também a azitromicina, a ivermectina e a nitazoxanida, além dos suplementos de zinco e das vitaminas C e D. Esse mix farmacológico não é reconhecido ou chega a ser contraindicado por entidades como a OMS (Organização Mundial da Saúde) e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Saúde