PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Altamente contagioso, sarampo matou mais de 200 mil em 2019, alerta OMS

RomoloTavani/iStock
Imagem: RomoloTavani/iStock

Bruna Alves

Do VivaBem, em São Paulo

16/11/2020 13h44

Embora exista uma vacina disponível contra o sarampo, a doença matou 207.500 pessoas no ano passado, um aumento de quase 50% em relação a 2016. Ainda em 2019, o sarampo atingiu o maior número de casos notificados, em 23 anos. Esse é o resultado de um relatório de dados feito pela OMS (Organização Mundial de Saúde) em parceria com o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos.

No Brasil, a campanha de vacinação contra o sarampo no ano passado atingiu 95% de cobertura vacinal em crianças de até um ano, segundo o Ministério da Saúde. No entanto, foram registrados 18.203 casos da doença e 15 mortes. Esse ano foram confirmados 7.718 casos de sarampo e cinco mortes, até agosto.

"Nós sabemos como prevenir surtos e mortes de sarampo. Esses dados enviam uma mensagem clara de que não estamos conseguindo proteger as crianças do sarampo em todas as regiões do mundo. Devemos trabalhar coletivamente para apoiar os países e impedir este vírus mortal", alertou o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O relatório divulgado pela OMS mostra que o Brasil, em meio à pandemia, foi um dos países que seguiu fazendo campanhas de vacinação. Contudo, o Programa Nacional de Imunização aponta que, até setembro desse ano, pelo menos metade das crianças não recebeu todas as vacinas necessárias.

Os especialistas temem que a situação piore devido a pandemia, e que haja subnotificação de casos. Vale ressaltar que o sarampo pode ser ainda mais contagioso que a própria covid-19.

Sarampo é altamente contagioso

O sarampo é um vírus altamente contagioso e a infecção causada por ele pode ter sérias consequências para a saúde, sobretudo nas crianças menores de um ano.

Os sintomas são febre, manchas vermelhas no corpo, tosse, coriza, olhos inflamados e dor de garganta. Mas o vírus também pode causar pneumonia, dano cerebral permanente, surdez, parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascer. Em casos mais graves, a doença pode levar à morte.

A boa notícia é que a doença pode ser prevenida com as vacinas (tríplice viral, tetra viral e dupla viral), que são oferecidas, gratuitamente, pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A imunização é a única medida preventiva eficaz contra o sarampo.

Veja como é o esquema vacinal

  • Aos 12 meses de idade: administrar a primeira dose da vacina Tríplice Viral;
  • Aos 15 meses de idade: completar o esquema de vacinação contra o sarampo, caxumba e rubéola com a vacina tetra viral;
  • Entre cinco a 29 anos não vacinadas ou com esquema incompleto: devem ser vacinadas com a vacina tríplice viral conforme situação encontrada, considerar vacinada a pessoa que comprovar duas doses de vacina;
  • Pessoas de 30 a 49 anos de idade não vacinadas: devem receber uma dose de tríplice viral. Considerar vacinada a pessoa que comprovar uma dose de vacina tríplice viral;
  • Para profissionais de saúde independentemente da idade: administrar duas doses, conforme situação vacinal encontrada. Considerar vacinado o profissional de saúde que comprovar duas doses de vacina tríplice viral.

*Com informações da reportagem publicada em 08/10/2019.

Saúde