PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Linfoma, câncer de Jeff Bridges, não é tratado com cirurgia; saiba mais

Jeff Bridges em cena do filme "O Grande Lebowski" - Reprodução
Jeff Bridges em cena do filme "O Grande Lebowski" Imagem: Reprodução

Bruna Alves

Do VivaBem, em São Paulo*

20/10/2020 11h24

Jeff Bridges, ator do filme "O Grande Lebowski", anunciou hoje que está tratando um câncer no sistema linfático. Ele citou seu personagem no filme para contar a notícia aos fãs.

"Como o cara diria... Novas m***** surgiram. Fui diagnosticado com um linfoma. Apesar de ser uma doença séria, me sinto sortudo por ter uma ótima equipe de médicos e um bom prognóstico. Comecei o tratamento e vou mantê-los atualizados sobre a minha recuperação", disse.

O que é linfoma e como tratá-lo?

O linfoma divide-se, principalmente, em dois tipos: linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin. Eles se diferenciam pelos tipos de células encontradas e pelo comportamento biológico, além de terem respostas diferentes à terapia.

"As manifestações mais comuns dos linfomas são o aumento de gânglios, popularmente conhecidos como ínguas ou caroços, muitas vezes no pescoço, axilas e virilha. Mas existem outras como emagrecimento, febre noturna, anemia e alterações na contagem de plaquetas", explica Ricardo Bigni, médico hematologista que também é responsável pela rotina de Linfomas Não Hodgkin e Leucemia Linfoide Crônica do Inca (Instituo Nacional de Câncer).

Segundo o hematologista, uma vez estabelecido o diagnóstico, definida a extensão da doença, além do tipo de linfoma —já que a literatura médica descreve mais de 40 tipos, o tratamento "precisa começar logo e pode ser diferente dependendo do tipo de linfoma. Na maioria dos casos, o paciente é tratado com quimioterapia e em alguns casos é preciso, também, realizar a radioterapia. É importante ressaltar que os linfomas não são tratados com cirurgia, como acontece em alguns tipos de câncer", salienta Bigni.

É muito importante procurar um médico para avaliação e, consequentemente, receber o diagnóstico e o tratamento adequado o mais rápido possível. Quanto mais cedo se busca ajuda, maiores as chances de se ver livre da doença.

*Com informações de reportagem de 15/09/2019.

Saúde