PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

"Não penso que vou morrer de câncer, mas, sim, no legado que vou deixar"

Bárbara Therrie

Colaboração para VivaBem

04/10/2020 04h00

Diagnosticada com câncer de mama há oito anos, Ednéia da Cruz Silva, 46, achou que tinha se curado após se submeter a todas as etapas do tratamento. Passado um tempo, ela descobriu uma metástase óssea e, desde então, está em tratamento paliativo. Nesse depoimento, ela conta como lida com o fato de ter um tipo de câncer sem cura e afirma que não pensa na morte: "A finitude é real e vai chegar para todos".

"Em agosto de 2011, estava deitada na cama quando passei a mão nos seios e senti um nódulo na mama direita. Marquei uma consulta com a ginecologista no posto de saúde, ela me pediu uma mamografia e um ultrassom, mas não apareceu nada nos dois exames.

Fiquei 'tranquila' por um período, achei que fosse um cisto, nada grave, mas alguns meses depois voltei na médica dizendo que continuava com o caroço e que queria continuar a investigação. Como todo o processo foi pelo SUS, demorou um pouco e só consegui uma consulta com a mastologista em agosto de 2012.

A médica me examinou e disse que, pelas características, provavelmente era câncer de mama. Fiz a biópsia e 45 dias depois saiu o resultado: tinha um tumor ductal invasivo grau 2.

Fiquei assustada, chorei e me senti um pouco negligente e revoltada comigo mesma por não ter insistido mais na busca por uma resposta.

Ednéia da Cruz Silva tem câncer metastático - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Não havia nenhum caso na minha família, ingressei em um universo novo, comecei a pesquisar sobre o assunto, entrei em grupos de apoio no Facebook e conheci várias histórias. Percebi que minha vida era vazia e que precisava mudar muita coisa, a principal era dar menos importância ao trabalho e mais atenção à família. Estabeleci como metas me cuidar, viajar e curtir mais meu marido e meu filho.

A primeira etapa do tratamento foi fazer 16 sessões de quimioterapia. A segunda foi me submeter à mastectomia radical com reconstrução imediata e simetrização. E a terceira foi fazer 28 sessões de radioterapia. Comemorei o final desse ciclo e achei que estava curada.

Durante três anos fiquei estável, mas em novembro de 2015 fiz alguns exames após sentir fortes dores no quadril. Foi constatada uma metástase óssea, com três pontos de lesão, no quadril, na costela e na calota craniana.

Foi uma fase difícil, pois sabia que o câncer metastático não tem cura e que seria uma paciente em tratamento paliativo para o resto da vida.

A partir daí, passei a fazer os planos a curto prazo, a adiantar alguns objetivos e a ter mais pressa. O mais importante nesse processo todo foi aprender a ressignificar cada momento e cada adversidade. Já passei por várias fases de sentimentos, preocupação, revolta, medo, dúvida, esperança e superação.

Hoje sou uma pessoa positiva e resiliente, que busca ter qualidade de vida no tempo em que me resta. Procuro desmistificar para mim mesma e para as pessoas que o câncer é uma coisa terrível —embora ele seja— e que sou uma doente ou uma vítima. Não sou. Prefiro pensar que sou protagonista da minha vida e que a doença é apenas coadjuvante.

Após a notícia da metástase, tive uma descoberta atrás da outra. Em 2019, houve uma progressão, apareceram vários tumores no fígado e fui submetida a uma radiocirugia. Passei a fazer quimioterapia por três semanas seguidas e a folgar uma.

Ednéia da Cruz Silva tem câncer metastático - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Depois, tive uma lesão na cabeça do fêmur direito e fui operada para a implantação de uma haste. Em dezembro desse mesmo ano, comecei a sentir dores na perna esquerda a ponto de não conseguir andar sozinha e precisar usar muletas e andador. Mesmo com bastante dificuldade, fiz um cruzeiro internacional com o meu filho. Ia para as baladas, piscina e teatro na cadeira de rodas. Apesar das coisas não terem saído como planejei, aproveitei ao máximo a viagem.

Passadas as festas de final de ano, fiz novos exames e foi constatado que a cabeça do fêmur esquerdo tinha fraturado. Fiz uma nova cirurgia para colocar uma prótese no quadril. Foram 60 dias sem conseguir colocar o pé no chão e mais 60 dias com o andador, tive que reaprender a andar.

Ainda estou em reabilitação, manco com as duas pernas, mas já consigo fazer leves caminhadas. Recentemente, os médicos descobriram algumas lesões no cérebro. Vou encarar uma radiocirurgia e dar continuidade ao tratamento.

Vejo que o câncer está progredindo, mas continuo com a minha dose diária de esperança de que meu quadro vai se estabilizar. É só mais uma fase que vai passar. Tenho consciência de que a finitude é real e de que ela vai chegar para todos, independentemente de um tumor ou não.

É como um paciente que tem diabetes, ele não fica pensando na morte o tempo todo mesmo sabendo que a doença dele não tem cura, ele simplesmente vive. O mesmo acontece comigo, vou vivendo enquanto estou me tratando.

Não penso que vou morrer de câncer, mas penso como vou viver com o câncer, as coisas que vou fazer, os sonhos que vou realizar e o legado que vou deixar".

Saúde