PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Chances de pegar covid-19 em voos são pequenas atualmente, diz especialista

Turista usa máscara de proteção contra o coronavírus no Aeroporto Internacional de Los Angeles, nos Estados Unidos - Getty Images
Turista usa máscara de proteção contra o coronavírus no Aeroporto Internacional de Los Angeles, nos Estados Unidos Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

20/08/2020 09h15Atualizada em 20/08/2020 14h10

Viajar de avião pode parecer arriscado durante a pandemia do novo coronavírus. Mas de acordo com Arnold Barnett, professor do MIT Sloan School of Management, as chances de pegar covid-19 em um voo são relativamente pequenas atualmente. As informações são da CNN.

O fechamento das fronteiras de alguns países e o medo de voar durante a pandemia reduziram drasticamente o tráfego aéreo global. E embora tenham existido casos de passageiros infectados passando o vírus para a tripulação e outros viajantes, as taxas de transmissão têm sido baixas nos últimos meses.

Uma explicação para o nível de risco aparentemente baixo é que o ar das cabines das aeronaves modernas é substituído por ar fresco a cada dois ou três minutos. A maioria dos aviões também é equipada com filtros de ar projetados para reter 99,99% das partículas.

Além disso, os novos protocolos implementados pelas companhias aéreas, como o uso obrigatório de máscara, aferição de temperatura, movimentos limitados durante o voo e a limpeza intensiva das cabines também garantem uma proteção maior.

Baixo risco de transmissão

Analisando os benefícios da regra de deixar assentos vazios intercalados, seguida por algumas companhias, o especialista Arnold Barnett tentou quantificar as chances de se infectar com o vírus.

De acordo com suas conclusões, com base em voos de curta distância - até duas horas - nos Estados Unidos em aeronaves configuradas com três assentos em cada lado do corredor e supondo que todos estejam usando máscara, o risco de pegar o vírus em pleno voo é de apenas 1 em 4.300, afirmou Barnett.

Essas chances caem para 1 em 7.700 se o assento do meio estiver vago.

O professor ainda disse que as chances de se infectar são ligeiramente maiores para aqueles que ocupam assentos no corredor.

"Estatisticamente, o assento da janela é um pouco mais seguro do que o assento do meio ou o assento do corredor em um avião que está cheio. Mas não é uma grande diferença", explicou.

Proteção dobrada

Ainda assim, Barnett recomenda que os viajantes usem todos os equipamentos de proteção individual necessários durante voos. Além da máscara, o professor também estimula o uso de escudos faciais de plástico.

"Existem várias coisas que podem ser feitas para assumir o risco, que é pequeno, e torná-lo ainda menor", afirmou.

"Porque (um escudo) cobre seus olhos, nariz e boca, diminui o risco de outras pessoas infectarem você", completou.

De acordo com a última atualização da Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos acumulam 5.530.247 casos confirmados de covid-19 e 173.193 mortes causadas pelo novo coronavírus.

Saúde