PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Parte antiga do sistema imunológico pode explicar casos graves de covid-19

Ricardo Moraes
Imagem: Ricardo Moraes

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

03/08/2020 11h09

Uma das partes mais antigas do sistema imunológico (defesa), chamada de sistema do complemento e composta por proteínas da membrana plasmática e solúveis no sangue, pode estar influenciando a gravidade dos casos de covid-19, de acordo com um estudo publicado no periódico científico Nature Medicine.

Os coronavírus, segundo a pesquisa, são mestres em mimetismo, especialmente em "imitar" a aparência de proteínas envolvidas na coagulação e proteínas que compõem o sistema do complemento, que atuam como anticorpos e ajudam a eliminar patógenos aderindo a vírus e bactérias e marcando-os para destruição.

"O Sars-CoV-2, imitando proteínas de complemento ou coagulação, pode levar ambos os sistemas a um estado hiperativo (aumentando a inflamação no corpo)", explica Sagi Shapira, professor da Columbia University, em Nova York, e líder do estudo.

Maior suscetibilidade em grupos específicos

Se o complemento e a coagulação influenciam na gravidade da covid-19, pessoas com distúrbios hiperativos preexistentes do complemento ou da coagulação devem ser mais suscetíveis ao vírus.

Por isso, a equipe passou a examinar pacientes com covid-19 que sofriam com degeneração macular, uma doença ocular causada por hiperatividade no sistema do complemento, além de distúrbios comuns da coagulação, como trombose.

Entre 11 mil pacientes, os pesquisadores descobriram que mais de 25% daqueles com degeneração macular relacionada à idade morreram, em comparação com a taxa média de mortalidade, que era de 8,5%. As maiores taxas de mortalidade e intubação não puderam ser explicadas pelas diferenças de idade ou sexo dos pacientes.

"O complemento também é mais ativo na obesidade e no diabetes, e pode ajudar a explicar, pelo menos em parte, por que as pessoas com essas condições também apresentam maior risco de mortalidade por covid-19", apontou Shapira.

Saúde