PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Começar a fumar na adolescência dificulta parar na vida adulta, diz estudo

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

De VivaBem, em São Paulo

08/04/2020 09h51

Um estudo publicado hoje nos Estados Unidos mostra que pessoas que começam a fumar cigarro muito jovens têm maiores dificuldades de interromper o hábito na vida adulta. O resultado conclui que fumar cigarros, inclusive apenas como forma de experimentar, devem ser fortemente desaconselhados entre os adolescentes.

"Fumar cigarros é um risco de saúde que é evitável e cujas sementes são plantadas na infância", afirmou à CNN David Jacobs Junior, líder e autor do estudo. Jacobs é professor de saúde pública na divisão de epidemiologia e saúde da comunidade na Universidade de Minnesota, em Minneapolis.

O estudo foi publicado no Journal of the American Heart Association e colheu informações junto a 6.600 pessoas de EUA, Austrália e Finlândia, sendo 57% mulheres.

O estudo observou a experiência de fumar entre 6 e 19 anos, com a pessoa vivendo entre 20 e 30 anos e depois dos 40. A conclusão mostrou que há prevalência do vício em fumar cigarros para quem já fumava na adolescência - o que foi semelhante entre os participantes dos três países.

O novo estudo é o mais longo acompanhamento de pessoas fumantes já feito, de acordo com a CNN. Estima-se que até 270 milhões de pessoas fumem diariamente mundo afora. O cigarro causa 6 milhões de mortes por ano entre adultos de até 30 anos.

Nos Estados Unidos, 87% de quem fuma diariamente começou antes dos 18 anos e 95%, antes dos 21.

Quanto mais jovens as pessoas quando começaram a fumar, maior a tendência de se tornarem fumantes regulares e menos provável era que conseguissem ter largado o vício por volta dos 40 anos.

De acordo com os números exibidos no estudo e publicados na CNN:

  • Entre os que experimentaram fumar pela primeira vez entre 18 e 19 anos, apenas 8% se tornaram fumantes diários entre seus 20 e 30 anos;
  • Entre os que experimentaram fumar pela primeira vez entre 15 e 17 anos, 33% permaneceram como fumantes diários entre seus 20 e 30 anos;
  • Entre os que experimentaram fumar pela primeira vez entre 13 e 14 anos, 48% permaneceram como fumantes diários entre seus 20 e 30 anos;
  • Entre os que experimentaram fumar pela primeira vez entre 6 e 12 anos, 50% permaneceram como fumantes diários entre seus 20 e 30 anos.

O estudo ainda mostrou que crianças que apenas experimentaram cigarros, poucas vezes, se mostraram mais propensas a adquirem o hábito regular. A pesquisa não mostra porque isso acontece, mas sugere que a exposição a nicotina possa ser a causa.

"O que se sugere é que o vício em nicotina é mais forte quando se começa a fumar na infância", diz o estudo. "Este estudo é muito importante, por ter informações de diversos países e por ter seguido os indivíduos na fase adulta, com uma observação crítica", diz Rose Marie Robertson, responsável pela American Heart Association - e não ligada ao estudo. "Ele reenfatiza a importância de manter tabaco longe de jovens até 21 anos."

Saúde