PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Mulher de 61 anos apresenta síndrome rara que produz álcool em sua bexiga

iStock
Imagem: iStock

Giulia Granchi

Do VivaBem, em São Paulo

26/02/2020 11h58

Com a urina apresentando um alto nível alcoólico, uma mulher de 61 anos com cirrose e diabetes foi colocada na lista de espera para um transplante de fígado.

De acordo com o periódico Annals of Internal Medicine, em que seu caso foi descrito, a equipe responsável pelos transplantes no primeiro hospital que ela visitou a aconselhou a participar de um programa de tratamento para abuso de álcool, suspeitando que ela havia mentido sobre não beber.

Mas, na verdade, os médicos tinham um cenário bem incomum à sua frente: eles descobriram que a própria bexiga da mulher estava produzindo a substância, o que a levou ao quadro grave de cirrose, uma doença hepática.

Os pesquisadores envolvidos no diagnóstico afirmam que a mulher sofria de "urinary auto-brewery syndrome", em português, algo como "síndrome da fermentação urinária". O problema ocorre quando o fermento se acumula no intestino, converte o açúcar dos alimentos em álcool e, no caso da paciente, produz a substância na urina.

A equipe médica acredita que o diabetes mal controlado pode ter influenciado no surgimento da doença hepática, já que a condição permite altos níveis de açúcar no sangue, o que pode ter alimentado um crescimento excessivo de fermentação na bexiga da mulher.

Após todos os testes, a mulher foi autorizada a solicitar novamente um transplante de fígado e permanece na fila.

Condição não é reconhecida mundialmente

A existência da síndrome não é consenso na comunidade médica. Uma revisão literária publicada em 2000 concluiu que "até o momento nenhum dos estudos publicados que apoiam a teoria resistiu a um exame minucioso".

No entanto, desde então, vários estudos de caso e reportagens adicionais documentaram casos suspeitos da síndrome. De acordo com entrevista da médica Barbara Cordell à BBC News Mundo*, mos últimos dois anos, ela recebeu entre 500 e 600 telefonemas de pessoas que dizem que sofrem com o quadro e mantém contato com cerca de 200 que foram diagnosticados.

"O fato de não haver muitos diagnósticos não implica que a condição não tenha sido documentada", explica Cordell, que recentemente escreveu um livro chamado Meu intestino produz álcool, em tradução livre. Na publicação, ela descreve alguns dos casos aos quais teve acesso.

Quadro pode apresentar-se de formas diferentes

Em outro caso similar, um homem apresentava sintomas de embriaguez, como tonturas, lacunas de memória e irritabilidade. Depois de vários episódios em que se sentiu "bêbado", ele foi ao hospital e os médicos não acreditaram que ele não havia tomado álcool.

Após exames, seus médicos determinaram que uma exposição a antibióticos alterou um crescimento anormal dos fungos Candida e S. cerevisiae em seu intestino.

Este último fungo é conhecido como o elemento que fermenta carboidratos para a produção de alguns tipos de cerveja e foi responsável por produzir a substância no corpo do homem. O tratamento consistiu em uma aplicação de antifúngicos e uma suspensão parcial da ingestão de carboidratos.

*Com informações da reportagem da BBC, publicada em 24/10/2019.

Saúde