PUBLICIDADE

Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Pessoas com comportamento antissocial têm cérebro diferente, diz estudo

Essas pessoas têm o córtex mais fino e menores áreas de regiões do cérebro relacionadas ao comportamento - GETTY IMAGES
Essas pessoas têm o córtex mais fino e menores áreas de regiões do cérebro relacionadas ao comportamento Imagem: GETTY IMAGES

Do VivaBem, em São Paulo

18/02/2020 15h19

Pesquisa sugere que a estrutura cerebral é diferente em indivíduos que apresentam comportamento antissocial persistente ao longo da vida. O estudo, publicado no periódico The Lancet Psychiatry, mostrou que essas pessoas têm o córtex mais fino e a área superficial de regiões do cérebro relacionadas ao comportamento menor.

Os cientistas consideraram antissociais indivíduos com histórico de roubo, agressão e violência, intimidação, mentira ou falha repetida em cuidar das responsabilidades do trabalho ou da escola. Os resultados mostraram, entretanto, que quem tem esse comportamento apenas na adolescência não tem anormalidades estruturais cerebrais generalizadas.

Os autores afirmam que as descobertas fornecem a primeira evidência robusta para sugerir que existem diferenças neuropsicológicas subjacentes em pessoas com comportamento antissocial persistente ao longo da vida e têm implicações na maneira como são tratados jovens infratores.

"Pode haver diferenças em sua estrutura cerebral que dificultam a desenvoltura de habilidades sociais que os impeçam de praticar comportamentos antissociais. Essas pessoas poderiam se beneficiar de mais apoio ao longo de suas vidas", diz Christina Carlisi, autora principal.

Como o estudo foi feito

  • Os pesquisadores compararam diferenças estruturais do cérebro de 672 pessoas com idade média de 45 anos usando ressonância magnética.
  • Dos 672 participantes, 80 (12%) foram classificados como tendo comportamento antissocial persistente ao longo da vida, 151 (23%) como tendo comportamento antissocial limitado na adolescência e 441 (66%) como tendo baixo comportamento antissocial.
  • Indivíduos com trajetória persistente ao longo da vida tiveram uma área superficial média menor e espessura cortical média menor do que os do grupo baixo. A maioria das áreas reduzidas estava ligada a comportamento direcionados a objetivos, regulação das emoções e motivação.

Implicações futuras

Segundo os autores, não está claro se essas diferenças cerebrais são herdadas e precedem o comportamento antissocial, ou se são o resultado de uma vida inteira de fatores de risco confusos, como abuso de substâncias, baixo QI e problemas de saúde mental.

Os cientistas ainda afirmam que são necessários mais estudos de longo prazo sobre esse tipo de comportamento e que incluam várias medidas de cérebro, genes e ambiente para entender como se desenrola o antissocial persistente ao longo da vida.

"As abordagens políticas para comportamentos juvenis geralmente oscilam entre medidas punitivas e espaço para 'reforma'. Nossas descobertas apoiam a necessidade de diferentes abordagens para diferentes infratores —no entanto, alertamos para que a imagem cerebral não seja usada para triagem, pois o entendimento das diferenças da estrutura cerebral não é suficientemente robusto para ser aplicado em um nível individual", diz a co-autora Terrie Moffitt.

Equilíbrio