Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Por que para alguns é tão difícil ter paciência? 5 dicas para saber esperar

iStock
Imagem: iStock

Simone Cunha

Colaboração para o VivaBem

03/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • A impaciência está entre os principais fatores de risco para pressão alta em jovens adultos
  • Estamos sempre com sensação de urgência, causando ansiedade e diminuindo a paciência
  • A paciência é uma habilidade que pode ser desenvolvida no dia a dia com exercícios simples como a empatia e controle da respiração

Saber esperar atualmente é um exercício de paciência. Enfrentar filas diariamente, ficar preso no trânsito ou demorar para ser atendido são situações corriqueiras que faz qualquer um perder a paciência. Segundo a Associação Médica Americana, a impaciência está entre os principais fatores de risco para pressão alta em jovens adultos. E tais pessoas têm 84% mais chances de sofrer hipertensão, o que pode levar a problemas cardiovasculares como infarto e AVC (acidente vascular cerebral) precocemente.

Para a psicóloga Priscila Gasparini Fernandes, psicanalista com especialização em neuropsicologia e neuropsicanálise que atende na BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, vivemos em um momento que devemos fazer tudo rápido, ultrapassando os limites do corpo e da saúde. "Mas não podemos acelerar o ritmo da vida ou manipular o tempo; por isso, precisamos ter paciência para poder viver o aqui e o agora, desfrutando de bons momentos", considera.

Não acione o botão de urgência

A maioria das situações dispensa o imediatismo, mas estamos sempre com uma sensação de urgência. E isso provoca ansiedade e estresse, diminuindo a paciência. "Temos vários estressores que nos dificultam chegar a um objetivo, por isso é importante identificar os gatilhos que minam a nossa paciência para conseguir ter mais autocontrole", informa Liliana Seger, psicóloga do Programa de Transtornos do Impulso do IPq (Instituto de Psiquiatria) da USP.

A ansiedade, por exemplo, está intimamente ligada à falta de paciência, a um imediatismo psíquico. Afinal, os mecanismos de apressamento a qual estamos submetidos regularmente são o oposto da espera. No entanto, a paciência é uma habilidade que pode ser desenvolvida e, nos dias de hoje, pode ser considerada uma virtude essencial para agir com serenidade nos momentos de estresse.

É preciso desenvolver formas de sobrepor a razão à emoção exacerbada para que o impaciente tenha uma qualidade de vida melhor. A primeira medida é entender as razões que levam à intolerância, a fim de trabalhar essa questão interiormente. "O impaciente patológico precisa trabalhar as explosões para buscar um equilíbrio entre a emoção e a razão para não comprometer o desenvolvimento das tarefas diárias", alerta Fernandes.

É possível aprender a ter paciência

De acordo com Bárbara Snizek Ferraz de Campos, psicóloga especialista em Saúde Mental e Psicanálise pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), algumas pessoas são mais capazes de ter paciência e de não se apressarem diante das intensas demandas sociais dos dias atuais. E para haver paciência é preciso que haja autocontrole, autoestima estruturada, maturidade para lidar com as situações e, principalmente, controle da ansiedade.

"Uma pessoa com boa autoestima, por exemplo, tem mais segurança para passar por períodos de privação sem perder a confiança", comenta Campos. Portanto, é essencial aprender a viver sem atropelar os fatos e pensamentos, aproveitando as oportunidades no momento em que elas ocorrem, sabendo analisar e tomar decisões corretas. Afinal, a correria e o medo de não dar conta de fazer as tarefas diárias aliados à ansiedade colaboram para o aumento da produção do hormônio do estresse, o cortisol, que, em excesso, é altamente prejudicial à saúde.

Aliás, a irritabilidade é um dos principais sinais de quem é impaciente. "A raiva e a ironia também podem apontar para a impaciência, pois cada sujeito reage de uma forma, assim como alguns têm mais dificuldade em demonstrar isso", diz Liliana. Por isso, buscar o autoconhecimento, identificar preocupações e angústias, além de observar as reações do corpo e do estado mental é a melhor maneira de medir o nível de paciência e, cada vez mais, exercitar essa capacidade de saber esperar.

5 dicas para aprender a ser mais paciente

1. Descubra as causas
Relembre qual foi a última vez que ficou impaciente e o motivo; considere condições físicas que possam tirar a sua impaciência como sono, fome, dor ou cansaço; e anote sempre que tiver um comportamento explosivo para tomar consciência sobre o que leva à impaciência.

2. Faça exercícios de respiração
Enquanto conta até 10 procure respirar fundo, se possível, várias vezes ao dia. Os exercícios de respiração permitem o distanciamento emocional da situação que causou a impaciência, além de ajudar a controlar a ansiedade e o estresse.

3. Diminua o ritmo
Ao perceber que está agindo com pressa, mesmo sem necessidade, pare e diminua o ritmo. Caminhe com tranquilidade, contemple o que está ao seu redor, leia um livro enquanto espera. Ao agir com paciência é possível desenvolver essa habilidade de viver o tempo presente, incorporando-a ao seu comportamento.

4. Controle o perfeccionismo
O perfeccionismo pode comprometer seriamente a produtividade e o bem-estar, pois é necessário ser paciente quando as coisas não saem como o esperado. Desapegue-se do controle e se permita aceitar o que não pode mudar.

5. Tenha empatia
Tentar se colocar no lugar do outro é uma das formas de desenvolver a paciência. Quando um atendente demora com o seu pedido, por exemplo, escolha pensar que ele está sozinho para dar conta de tudo ou que é novo nesse trabalho, evitando ser grosseiro. Procure ser gentil e respeitoso, evitando o estresse por pequenas coisas.

Podcasts do UOL
Ouça o podcast Maratona, em que especialistas e corredores falam sobre corrida. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Equilíbrio