PUBLICIDADE

Topo

Dieta sem grãos: entenda como essa restrição pode ser prejudicial

iStock
Imagem: iStock

Amanda Cruz

Colaboração para o VivaBem

25/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Arroz e feijão juntos formam o casamento proteico perfeito e não tem porque eliminá-los do seu prato
  • Leguminosas e cereais causam inflamação e inchaço apenas em pessoas que sofrem com intolerância a nutrientes específicos
  • Dieta sem grãos, como qualquer restrição alimentar, pode emagrecer, mas resultado dificilmente será duradouro

Você costuma comer grãos em geral? Muita gente acaba não refletindo sobre esse grupo alimentar e, ao tentar cortar calorias ou carboidratos, acaba reduzindo demais o consumo desses alimentos, como nossos queridos arroz e feijão. Existem até algumas dietas da moda que costumam cortá-los, como a dieta paleolítica. O problema é que essa restrição pode afetar negativamente a saúde.

Alimentação sem grãos e saúde não combinam

Classificamos como grãos os cereais (como arroz, aveia e cevada) e as leguminosas (feijão, ervilha, soja, lentilha, entre outros). O consumo desses dois grupos é essencial para uma alimentação completa e balanceada, como explicam as nutricionistas Maria Claudia Santos, coordenadora do curso de Nutrição da Universidade Anhembi Morumbi, e Bruna Quintanilha, docente do curso de Nutrição da mesma instituição. Cada dia mais a ciência tem mostrado que esses itens auxiliam no aporte de fibras, proteínas, carboidratos e vitaminas do complexo B, que são nutrientes muito importantes para o bom funcionamento do nosso organismo.

"Uma dieta para emagrecer que corte um grupo de alimentos não traz benefícios à saúde. A pessoa pode até emagrecer no início por estar cortando calorias totais, mas no longo prazo essa emagrecimento não se sustenta", completa a nutricionista Márcia Terra, membro da diretoria da SBAN (Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição).

Principais problemas pela falta de consumo de grãos

Uma dieta sem grãos, que restringe o consumo de cereais e leguminosas, acaba por limitar também a ingestão de nutrientes, como vitaminas do complexo B, carboidratos, fibras e proteínas. Abaixo, Terra explica alguns dos malefícios da falta de grãos na nossa saúde:

  • A falta do consumo de leguminosas acaba restringindo a ingestão de proteínas e minerais;
  • O arroz, o cereal mais famoso nas casas brasileiras, contém alguns aminoácidos que o feijão não contém. Por isso, se diz que a combinação dos dois é ótima;
  • Além da proteína, os grãos são uma fonte importante de fibras. Sabemos que as pessoas em geral consomem pouca fibra, assim, cortar esse grupo de alimentos pode acabar piorando ainda mais esse quadro.

Mas os grãos não causam inchaço e inflamação no organismo?

Você com certeza já deve ter ouvido falar nisso. Porém, a não ser que haja algum tipo de intolerância a determinado componente desses alimentos, não há porque eliminar os grãos da dieta. Em geral, apenas pessoas que têm intolerância ao glúten (que está presente no trigo, aveia, cevada e centeio) devem evitar essas fontes alimentares, mas para saber exatamente se esse é seu caso, o ideal é buscar ajuda de um especialista.

Existem também as pessoas que tem problemas com alguns alimentos que contém os chamados FODMAP, um grupo de carboidratos que não absorvido no processo digestivo, então são fermentados pelas bactérias. Em pessoas que são sensíveis, essa fermentação pode gerar azia, gases, diarreia e distensão abdominal.

Os FODMAP estão presentes em leguminosas como feijão cozido, grão-de-bico, lentilha e feijão vermelho, assim como em cereais como o centeio e trigo, mas também aparecem em vegetais, frutas e laticínios, ou seja, se esse é seu problema, não adianta excluir apenas os grãos da dieta.

Uma dieta sem grãos ajuda a emagrecer?

A verdade é que qualquer dieta onde exista a restrição calórica provavelmente irá levar a perda de peso, o que não significa que este será um emagrecimento saudável. "A perda de peso saudável é resultado de uma dieta equilibrada que leve em consideração não apenas os fatores biológicos da pessoa, mas também os fatores sociais, culturais e comportamentais", destaca Santos.

Dietas restritivas não são a solução

Restringir alimentos não é a saída para emagrecer e muito menos para ter mais saúde. "O problema ao fazer isso é que você acaba provocando uma grande deficiência de macro e micronutrientes no organismo", explica Terra. Inclusive, estudos mostram que mais de 90% das pessoas que fazem dietas restritivas voltam a engordar, podendo até ganhar mais peso do que apresentavam no início.

"As dietas restritivas podem gerar efeitos negativos, como deficiência nutricional (quando seguida por período prolongado), redução do metabolismo, aumento do apetite e, consequentemente, aumento do peso", conclui Quintanilha. Portanto, deixe os grãos fazerem parte da sua rotina alimentar, pois eles têm muito mais a oferecer do que você imagina.