Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Doença misteriosa ligada ao cigarro eletrônico se espalha nos EUA

Doença ligada ao cigarro eletrônico está causando internações entre jovens dos EUA - iStock
Doença ligada ao cigarro eletrônico está causando internações entre jovens dos EUA Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

19/08/2019 18h16

O CDC (Center of Diseases Control and Prevention) dos Estados Unidos está investigando uma misteriosa doença pulmonar ligada ao uso de cigarro eletrônico, prática comumente chamada de "vaping".

O problema pode ter afetado 94 pessoas em 14 estados americanos, incluindo Califórnia, Indiana e Wisconsin. A maioria dos pacientes são adolescentes e jovens adultos, e já se sabe que a causa não é infecciosa.

O órgão reforça que, embora tenha ligação com o uso de cigarros eletrônicos, ainda precisa de mais dados para ter certeza sobre o que está causando o problema.

De acordo com o jornal britânico The Independent, os sintomas descritos antes da hospitalização são dificuldade de respirar e dor no peito. Uma vez internados, os pacientes apresentaram febre, tosse, vômito e diarreia. O jornal ainda afirma que não há certeza se a doença está sendo causada pelo uso dos cigarros eletrônicos ou por substâncias específicas adicionadas na hora da inalação.

O uso desses dispositivos vem crescendo entre os jovens de todo o mundo. A falsa ideia de que ele seria mais seguro que o cigarro comum é o que mais atrai essas pessoas.

Mas a realidade não é bem essa. Um estudo publicado pelo periódico Thorax revelou que o vapor desses cigarros eletrônicos pode ser responsável por desativar as principais células do sistema imunológico no pulmão e aumentar as inflamações no organismo*.

"O problema é que há poucos estudos sobre o que as substâncias que produzem o vapor do cigarro eletrônico causam na saúde", explica Stella Regina Martins, especialista em dependência química do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor (Instituto do coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP).

De acordo com a especialista, além da nicotina, os cigarros eletrônicos ainda podem conter aditivos para dar sabores de fruta, por exemplo, o que traz mais danos à saúde. "Cada aditivo tem uma composição diferente, não regulamentada, que vai mudar quando aquecida. É quase impossível saber em quais substâncias eles vão se transformar após o aquecimento e o que isso vai causar no corpo", acredita.

No Brasil, os DEFs (dispositivos eletrônicos para fumar), como são chamados os cigarros eletrônicos, são proibidos pela Anvisa por meio da resolução RDC 46/2009 justamente pela falta de evidências de que o uso desses produtos é seguro. O órgão recentemente realizou uma audiência pública para debater o tema.

Cigarro eletrônico não é seguro

Para o médico Paulo Corrêa, pneumologista da Comissão Científica de Tabagismo da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), os aparelhos para o "vaping" são comercializados, ainda que proibidos, de forma livre e como um produto seguro --o que não é o caso. "Muitos jovens usam achando que a fumaça é apenas vapor de água, mas não é verdade", conta. "O líquido contém substâncias como glicerol e propileno glicol, que podem originar substâncias cancerígenas depois de aquecidas", alerta o médico.

Além disso, há ainda a adição de nicotina em muitos deles. A substância também está presente no cigarro comum e é conhecida por causar dependência. "Os usuários acreditam estar fumando algo moderno e personalizável, mas na verdade estão com um produto que pode fazer tanto mal quanto o cigarro comum", afirma Corrêa.

Doença misteriosa ainda é investigada

Em busca de respostas, o CDC está coletando mais informações com pacientes e médicos para conseguir fechar uma análise segura do problema. Ainda não há um protocolo médico a ser seguido e também não se sabe se os pacientes irão se recuperar sem sequelas.

De acordo com Corrêa, em um quadro de pneumonia clássico, o paciente é tratado com corticoides; porém, como estes medicamentos reduz a resposta inflamatória do corpo, é importante administrar também antibióticos para combater as bactérias causadoras da doença, garantindo a recuperação do paciente.

No entanto, há alguns tipos da doença que não são causadas por microorganismos e, portanto, o uso de antibióticos não é recomendado. É o caso da pneumonia eosinofílica, quando os eosinófilos (um tipo de glóbulos brancos) surgem em maior número nos pulmões. A doença é comumente causada pela exposição a alguns tipos de medicamentos, produtos químicos, fungos e até parasitas. Há ainda a pneumonia lipoide, considerada incomum, causada pela aspiração de partículas oleosas.

Para Stella Regina Martins, é importante que os novos usuários estejam avisados dos riscos que correm ao utilizar esse produto. "Não sabemos se trocamos seis por meia dúzia. Quem quiser usar precisa saber que pode entrar nessa moda e sair doente", afirma.

*informações retiradas de matéria publicada em 16/08/2018.

Errata: o texto foi atualizado
A foto da matéria não era do cigarro eletrônico, e sim, de um IQOS. Foto alterada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Saúde