Topo

Equilíbrio

Cuidar da mente para uma vida mais harmônica


Equilíbrio

Ansiedade pode levar à demência anos depois

A ansiedade na meia-idade foi associada a um risco maior de demência em um intervalo de pelo menos 10 anos - iStock
A ansiedade na meia-idade foi associada a um risco maior de demência em um intervalo de pelo menos 10 anos Imagem: iStock

Do VivaBem

01/05/2018 10h45

Uma nova pesquisa realizada por uma equipe de cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Southampton, no Reino Unido, encontrou uma relação entre ansiedade moderada a severa e desenvolvimento tardio de demência.

Publicado no periódico BMJ Open na segunda-feira (30), o estudo analisou 3.500 pesquisas em busca de artigos que examinaram a ligação entre depressão na meia-idade --com ou sem ansiedade -- e demência de início tardio. Do corpo de pesquisa examinado, apenas quatro estudos focaram no tópico desejado e incluíam quase 30.000 pessoas.

Veja também:

"A ansiedade clinicamente significativa na meia-idade foi associada a um risco aumentado de demência em um intervalo de pelo menos 10 anos", escreveram os pesquisadores.

Segundo os cientistas, a resposta anormalmente alta ao estresse pode acelerar o processo de envelhecimento das células cerebrais - iStock
Segundo os cientistas, a resposta anormalmente alta ao estresse pode acelerar o processo de envelhecimento das células cerebrais
Imagem: iStock

A ligação entre ansiedade e demência, observam os autores, pode ser explicada pela excessiva resposta ao estresse desencadeada pela condição de saúde mental. Essa resposta anormalmente alta pode acelerar o processo de envelhecimento das células cerebrais, o que, por sua vez, pode acelerar o declínio cognitivo relacionado à idade.

Meditação e terapia podem ajudar

Segundo os cientistas, a descoberta não necessariamente quer dizer que aliviar a ansiedade manteria a demência afastada. Isso "continua sendo uma questão em aberto", dizem. No entanto, eles sugerem que vale a pena testar opções de tratamento para a ansiedade desde cedo.

"Terapias não farmacológicas, incluindo terapias da fala, intervenções baseadas em mindfulness e práticas de meditação, que são conhecidas por reduzir a ansiedade na meia-idade, podem ter um efeito de redução de risco, embora isso ainda não tenha sido completamente pesquisado", afirmou Amy Gimson, principal autora do estudo.

Siga o VivaBem nas redes sociais
Facebook • Instagram • Youtube

Mais Equilíbrio