PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Covid-19: como vai funcionar 3ª dose da vacina para maiores de 18 anos

Além de ampliar a terceira dose para toda a população adulta, ministério mudou o intervalo para o reforço: antes, eram seis meses, agora, são cinco - Getty Images/BBC News
Além de ampliar a terceira dose para toda a população adulta, ministério mudou o intervalo para o reforço: antes, eram seis meses, agora, são cinco Imagem: Getty Images/BBC News

André Biernath - @andre_biernath - Da BBC News Brasil em São Paulo

16/11/2021 15h29

O Ministério da Saúde anunciou que todos os brasileiros adultos poderão tomar um reforço cinco meses depois da segunda dose. Entenda como a campanha será realizada nos próximos meses.

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (16/11) que todos os brasileiros com mais de 18 anos estão aptos a tomar uma terceira dose da vacina que protege contra a covid-19.

Até o momento, o reforço acontecia após seis meses e só era indicado para indivíduos com mais de 60 anos, profissionais da saúde e imunossuprimidos (pessoas com problemas no sistema imunológico).

O ministro Marcelo Queiroga assegurou que o país tem doses suficientes para oferecer essa terceira aplicação em todos os adultos entre novembro de 2021 e maio de 2022, nos 38 mil postos de saúde espalhados pelo país.

"Graças às informações preliminares que temos dos estudos científicos de efetividade, realizados em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) e a Universidade de Oxford, nós decidimos ampliar essa dose de reforço para todos aqueles acima de 18 anos", anunciou Queiroga.

Entenda a seguir como deve funcionar essa nova etapa da campanha de vacinação contra a covid-19.

Quando poderei tomar?

De acordo com as informações divulgadas pelo Ministério da Saúde, os brasileiros receberão a terceira dose cinco meses depois de terem tomado a segunda (no caso dos imunizantes CoronaVac, da Pfizer e da AstraZeneca).

Ou seja: quem completou o esquema vacinal em outubro de 2021 poderá ir aos postos de saúde para a terceira dose por volta de março de 2022.

Já para aqueles que tomaram a vacina da Janssen, que era de dose única, o ministério passa a indicar uma segunda dose com dois meses de intervalo. Cinco meses depois, o indivíduo poderá tomar o reforço (a terceira dose).

O Ministério da Saúde diz que fará campanhas de comunicação para informar mais detalhes sobre esse cronograma. As secretarias de Saúde dos Estados e dos municípios também devem criar calendários próprios, seguindo a orientação do governo federal, o quantitativo de doses enviadas e as características da população local.

De acordo com as projeções do governo, 12,4 milhões de brasileiros já estão aptos a receber a dose de reforço agora em novembro.

Em dezembro, será a vez de outros 2,9 milhões de indivíduos voltarem aos postos de saúde.

A partir de janeiro, o número deve crescer novamente para 12,4 milhões e continuará subindo em fevereiro (21,8 milhões) e março (29,6 milhões).

Para abril, são projetados 19,6 milhões de indivíduos com a terceira dose. Já em maio, serão 4,3 milhões.

Qual vacina poderei tomar?

Ao ser questionado sobre o tipo de imunizante que será utilizado como reforço, Queiroga afirmou que o ministério segue apostando no esquema heterólogo.

"A preferência é que essa dose adicional seja de uma vacina diferente, que é uma decisão baseada em dados e na evidência científica", explicou.

Em outras palavras, isso significa que quem tomou duas doses de AstraZeneca receberá uma terceira da Pfizer e vice-versa.

A tendência, de acordo com o ministro, é que a maioria dos adultos receba o produto da Pfizer como terceira dose, até porque o imunizante da AstraZeneca foi o mais utilizado como primeira e segunda doses nessa faixa etária ao longo dos últimos meses.

"No caso de um eventual desabastecimento da vacina da Pfizer, o que não deve acontecer, poderemos utilizar uma outra plataforma vacinal, de preferência de um tipo diferente do que foi usado na vacinação primária", completou Queiroga.

A médica Rosana Leite de Melo, secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, explicou que o Brasil já garantiu vacinas suficientes para aplicar a terceira dose e já avalia a necessidade de comprar mais unidades para uma eventual quarta dose em idosos no segundo semestre de 2022.

Em julho, o Ministério da Saúde havia solicitado à FioCruz e à Universidade de Oxford uma pesquisa sobre a variação da imunidade após a vacinação com duas doses e a necessidade de um reforço algum tempo depois.

Esses dados serviram de base para a decisão de ampliar a oferta de terceira dose para toda a população com mais de 18 anos.

Ainda não se sabe se indivíduos mais jovens precisarão de novas doses no futuro.

E a segunda dose?

Durante o anúncio, os representantes do Ministério da Saúde também chamaram a atenção para a quantidade de brasileiros que não tomaram as duas doses.

"Muitos ainda não procuraram a unidade básica de saúde para completar o esquema vacinal", alertou Queiroga.

De acordo com as evidências científicas, as duas doses conferem um bom nível de proteção, especialmente contra as formas mais graves da covid-19, que estão relacionadas à internação e à necessidade de intubação.

Segundo o painel VigiVac Covid-BR, da FioCruz, mais de 15 milhões de brasileiros estão com a segunda dose atrasada. Esse número praticamente dobrou nos últimos dois meses.

Saúde