PUBLICIDADE

Topo

Lucas Veiga

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A importância de aprender a lidar com as nossas sombras

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Lucas Veiga

Lucas Veiga é psicólogo e mestre em psicologia clínica pela Universidade Federal Fluminense.

Colunista do UOL

26/10/2021 04h00

Quanto mais uma luz incide sobre nós, maior a sombra que dela deriva. O processo de autoconhecimento é indissociável de estar cada vez mais em contato com a parte que nos faz sermos quem somos, mas que até então estava longe da nossa consciência.

As marcas que trazemos de nossa história individual e coletiva produzem modos de ser, estar, sentir e perceber o mundo. E produzem também modos de adoecer, de impedir a potência vital que nos habita, de reduzir as possibilidades de conexão com o outro e com o mundo.

No território do amor, para dar um exemplo, a sombra seria aquilo que diminui a potência do encontro amoroso seja pelo medo do abandono, da entrega ou da repetição de histórias familiares. Medo é um afeto por meio do qual a sombra, na maioria das vezes, atua. Você tem medo de quê?

A cena que mais gosto no filme "Nós", de Jordan Peele, um tratado cinematográfico sobre a sombra, é a seguinte: o filho do casal protagonista, ao perceber que sua sombra pretendia explodir o carro em que sua família estava, sai do carro e começa a estalar os dedos. Ele havia ensinado sua sombra a estalar os dedos de forma ritmada anteriormente. Dessa forma, ele retoma a conexão com a sombra pelo ritmo e vai andando de costas enquanto estala os dedos. A sombra o imita e anda de costas até queimar numa fogueira enorme que havia por trás dela. O menino salva a família e a si mesmo por ter criado uma maneira de se conectar com a sombra e fazê-la seguir suas direções.

Encontre sua maneira de se conectar e de conviver com sua sombra. Descubra seu jeito próprio de conversar e de negociar com ela. Conhecer-se mais é também entrar mais em contato com aquilo de nós que não gostamos tanto ou que nos atrapalha de alguma forma. Compreender isso e agir na relação consigo mesmo a partir desse entendimento é uma prática de cuidado com você e com as relações que é fundamental para uma vida mais inventiva e menos repetitiva de padrões de comportamento nocivos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL