PUBLICIDADE

Topo

Larissa Cassiano

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Saúde sexual é saúde! Pesquisa mostra benefício de vibradores; saiba mais

iStock
Imagem: iStock
só para assinantes
Larissa Cassiano

Larissa Cassiano é médica ginecologista e obstetra, especializada em gestação de alto risco pela USP (Universidade de São Paulo). Fez residência médica na Maternidade de Vila Nova Cachoeirinha (SP), uma das maiores do Brasil, referência em parto humanizado no SUS e em gestação de alto risco.

Colunista do UOL

01/06/2022 04h00

A médica e cientista Alexandra Dubinskaya apresentou um estudo com a revisão de dados sobre o uso de vibradores para abordar patologias na pelve feminina. A revisão observou o efeito do uso do vibrador na função sexual, função do assoalho pélvico, dor vulvar, como a vulvodínia, combate da incontinência urinária e sugeriu que médicos devem prescrever o uso de vibradores.

Essa revisão é importante, pois ainda existe um preconceito sobre o uso os vibradores associados ao desconhecimento dos modelos e de como utilizar. Além disso, uma pesquisa feita pela instituição Prazerela em 2018, apontou que 74% das mulheres gozam com a masturbação, e só 36% atingem o ápice do prazer sexual com os(as) parceiros(as).

Por exemplo, para mulheres com dificuldade ou ausência de orgasmo, as estimulações mais intensas do clitóris podem ser uma alternativa, e o uso do vibrador pode ser um aliado. Ignorar ou desconhecer essa opção pode ter diversos impactos na vida sexual de muitas pessoas, pois a nossa sociedade ainda fala muito pouco sobre o grande número de mulheres que não têm prazer com a penetração vaginal. Muitas vezes essa falta de prazer não está relacionada a um problema, mas, sim, às terminações nervosas do clitóris, que são muito mais favorecidas pelo estímulo que acontecem diretamente nele.

Para auxiliar, vou descrever alguns dos modelos mais conhecidos de vibradores, para quem nunca utilizou ou para quem já utilizou e quer ter mais opções.

Magic Wand ou varinha mágica: são um pouco maiores que os vibradores mais comuns, e podem ser utilizados como massageadores. Ele pode estimular diversas regiões do corpo incluindo o clitóris. Como tem um formato mais característico, existem diversas opções de vibração e a possibilidade de massagem para o corpo todo, pode ser uma opção inicial, para quem está começando a utilizar vibradores.

Bullet: são os vibradores menores, em formato de cápsula ou um pequeno tubo. O tamanho pequeno permite levá-lo para qualquer lugar, por exemplo, na bolsa em uma viagem, além disso, o valor deste modelo costuma ser menor, porém com poucas opções de vibração.

Sugador de clitóris: está entre os modelos queridinhos da atualidade, possui um estímulo direto para o clitóris com mais potência e intensidade através de uma pulsação de ar, não há com que se preocupar, ele não suga verdadeiramente o clitóris, só possui uma pulsação que dá essa impressão de sucção. Como o foco e o formato dele é principalmente para o clitóris, funciona como uma ótima opção para que tem dificuldades ou demora mais tempo para alcançar o orgasmo. Atualmente, está entre os modelos com mais opções de intensidade e vibração e para quem não deseja nenhum tipo de penetração vaginal este é um dos modelos mais favoráveis.

Rabbit: Possui a capacidade de vibrar, ser penetrado e ainda estimula o clitóris. Como esse modelo é um pouco maior, perde um pouco nos movimentos mais sutis, mas ganha na vibração com penetração e estímulo do clitóris.

Butterfly: possui o formato de uma borboleta para ser colocado diretamente na vulva, pode ser usado com calcinha, e alguns modelos podem ser utilizados durante o dia com manipulação pelo controle remoto.

Vibrador para casais: em formato de U pode ser utilizado durante a penetração vaginal ou contato vulva com vulva, criando uma sensação para as duas pessoas.

Personal: é o modelo mais conhecido, pode ser utilizado tanto para penetração como para estímulo no clitóris.

São muitas opções de vibradores, valores e formatos, cada um para se adaptar a uma necessidade, talvez com um trabalho científico algumas pessoas que ainda não experimentaram possam conhecer e compreender que saúde sexual é saúde.

Gostou deste texto? Dúvidas, comentários, críticas e sugestões podem ser enviadas para: dralarissacassiano@uol.com.br.

Referências:

https://www.cedars-sinai.org/newsroom/urology-meeting-news-women-vibrators-and-pelvic-health/
Gruenwald I, Lauterbach R, Gartman I, Aharoni S, Lowenstein L. Female Sexual Orgasmic Dysfunction and Genital Sensation Deficiency. J Sex Med. 2020 Feb;17(2):273-278. doi: 10.1016/j.jsxm.2019.11.001. Epub 2019 De 16. PMID: 31859236.