PUBLICIDADE

Topo

Fernanda Victor

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Queda de cabelo pode ser hormonal? Saiba mais

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fernanda Victor

Fernanda Victor é médica endocrinologista e metabologista. É titulada pela SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) e mestre em ciências da saúde pela UPE (Universidade de Pernambuco)

Colunista do UOL

14/04/2022 04h00

A resposta é sim! Isso porque nosso cabelo é bastante sensível às alterações hormonais, sendo um alvo fácil quando há algum desequilíbrio no organismo. A queda de cabelo pode estar sinalizando que algo na sua saúde não está bem.

Naturalmente, perdemos de 100 a 150 fios de cabelo por dia. Acima disso, é preocupante e algumas situações podem servir de alerta:

  • Notar tufos de cabelo no travesseiro, no ralo do banheiro ou espalhados pela casa;
  • Perceber o couro cabeludo mais aparente;
  • Observar redução do volume ou o rabo de cavalo cada dia menor.

Alopecia (ou queda de cabelo) é uma queixa muito comum e pode fazer parte da sintomatologia de várias doenças. Diante de uma percepção real de queda capilar acentuada, fatores hormonais precisam ser investigados e excluídos.

A relação entre disfunções hormonais e a alopecia já é bem estabelecida e representa uma das grandes razões de comprometimento capilar. Entre as causas endócrinas para a queda excessiva dos fios, citam-se:

- Distúrbios da tireoide: o hipertireoidismo (excesso de hormônios tireoideanos) e, especialmente, o hipotireoidismo (deficiência) são disfunções que podem causar queda de cabelo ou dificultar a sua recuperação;

- Excesso de andrógenos ou hormônios masculinos (testosterona e seu derivado diidrotestosterona): podem desencadear ou agravar quadros de alopecia androgenética. Esses andrógenos são naturalmente produzidos por homens e, em menor quantidade, por mulheres. Quando em excesso, podem ser identificadas situações clínicas, tais como síndrome dos ovários policísticos (SOP), climatério e menopausa, hiperplasia adrenal congênita (HAC), tumores ou até mesmo pelo uso indiscriminado de anabolizantes.

- Estresse metabólico, como no diabetes mellitus descompensado;

- Após cirurgia bariátrica, em virtude do estresse cirúrgico, da perda acentuada de peso e/ou da deficiência de nutrientes causada pela má-absorção;

- Excesso do hormônio prolactina (PRL): a hiperprolactinemia é apontada em raros casos como causa de queda de cabelo e afinamento dos fios;

- Excesso de cortisol: pode ocorrer em situações de estresse físico (infecções, cirurgias) ou emocional, além de tumores que podem liberar altos níveis de cortisol no sangue;

- Doenças endócrinas que podem cursar com deficiência de vitaminas e minerais, principalmente ferro, zinco, selênio e vitaminas D e B12;

- Dietas muito restritivas, sobretudo quando há déficit importante de proteínas.

As alterações capilares necessitam de diagnóstico correto e precoce. A queda de cabelo pode ser o primeiro sintoma associado a algum desequilíbrio hormonal, sendo indispensável avaliação pelo especialista para detectar ou descartar alguma doença sistêmica.