Topo

Viagem


Em Madagascar, você pode visitar um cemitério de piratas de verdade

Sepulturas do cemitério de piratas da ilha de Nosy Boraha, em Madagascar - jalvarezg/Getty Images/iStockphoto
Sepulturas do cemitério de piratas da ilha de Nosy Boraha, em Madagascar Imagem: jalvarezg/Getty Images/iStockphoto

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

10/09/2019 04h00

Nos dias de hoje, as pessoas entram em contato com histórias de piratas principalmente através de filmes de Hollywood.

Mas, além das aventuras fantásticas de Jack Sparrow e similares, você sabia que, na África, é possível conhecer um lugar que realmente pertence ao mundo dos corsários?

Na ilha de Nosy Boraha, em Madagascar, existe um antigo cemitério de piratas que é aberto a visitas turísticas.

É um local pequeno, forrado por muita vegetação, pontuado por sepulturas desgastadas pelo tempo e situado sobre uma colina verdejante, com vista para o mar lá embaixo.

O cemitério de Nosy Boroha, em Madagascar, pode ser visitado por turistas - javarman3/Getty Images/iStockphoto
O cemitério de Nosy Boroha, em Madagascar, pode ser visitado por turistas
Imagem: javarman3/Getty Images/iStockphoto

Nos séculos 17 e 18, Nosy Boraha (que à epoca era chamada de Île Sainte-Marie) foi reduto de centenas de corsários (alguns deles famosos até hoje, como Thomas Tew, Olivier Levasseur, John Taylor e John Pro).

Eles usavam este pedaço de terra como base para seus ataques contra embarcações que navegavam pelo oceano Índico e como local para comercializar as mercadorias que conseguiam roubar durante os assaltos.

A ilha oferecia áreas propícias para a atracação de navios e estava bem na rota marítima entre o oceano Atlântico e a Ásia, por onde, naquele tempo, eram transportadas enormes riquezas.

Paisagem da ilha de Nosy Boraha, reduto de piratas nos séculos 17 e 18 - pierivb/Getty Images/iStockphoto
Paisagem da ilha de Nosy Boraha, reduto de piratas nos séculos 17 e 18
Imagem: pierivb/Getty Images/iStockphoto

Como testemunho desta época, sobrou o cemitério em questão, com dezenas de túmulos à mostra para os visitantes.

Uma das lápides exibe o símbolo mais famoso da pirataria: a caveira sobre dois ossos cruzados. Mas, em muitas delas, as inscrições estão ilegíveis.

Histórias e lendas

Durante passeios guiados pelo cemitério, os turistas aprendem sobre as lendas envolvendo a Île Sainte-Marie.

Um dos relatos afirma que a ilha foi o local onde existiu a mítica Libertalia, uma espécie de nação de piratas com um conjunto de lei próprias e que dispensava um tratamento igualitário a seus cidadãos.

Não há comprovações de que uma sociedade composta desta maneira existiu na Île Sainte-Marie ou em qualquer outro lugar do mundo, mas se trata de uma história muito famosa no universo da pirataria.

Nosy Boraha é uma ilha de atmosfera selvagem e cheia de histórias fascinantes - jalvarezg/Getty Images/iStockphoto
Nosy Boraha é uma ilha de atmosfera selvagem e cheia de histórias fascinantes
Imagem: jalvarezg/Getty Images/iStockphoto

Há também as pessoas que acreditam que, na ilha e em seus arredores, ainda estão escondidos ou afundados no mar grandes tesouros roubados pelos corsários.

A ilha deixou de ser um lar da pirataria ainda no século 18, época em que a França tomou controle do local.

Para explorar este pedaço de terra (e, principalmente, o cemitério), é possível contratar os serviços de guias na cidade de Ambodifotatra, o principal centro urbano de Île Sainte-Marie.

E, lá, aproveite para curtir outros pedaços da ilha, que exibem praias lindíssimas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Viagem