PUBLICIDADE

Topo

Viagem


Parque famoso de Londres esconde cemitério de animais centenário; conheça

Cemitério no Hyde Park, na capital inglesa, abriga centenas de túmulos de animais de estimação  - Divulgação/The Royal Parks
Cemitério no Hyde Park, na capital inglesa, abriga centenas de túmulos de animais de estimação Imagem: Divulgação/The Royal Parks

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

31/07/2019 04h00

"À memória do meu querido cachorrinho Pickles. Meu fiel amiguinho e companheiro durante 12 anos". Esta dedicatória, que marca uma antiga lápide encravada em um pequeno gramado, está entre as diversas frases tocantes com as quais o turista se depara ao entrar no cemitério de mascotes que existe dentro do Hyde Park, um dos mais famosos parques de Londres.

Trata-se de um canto escondido e desconhecido desta área verde da capital inglesa, mas que promete mexer com as emoções de quem gosta de bichos de estimação.

Lápides do cemitério londrino são marcadas por declarações de amor e manifestações de tristeza - Divulgação/The Royal Parks
Lápides do cemitério londrino são marcadas por declarações de amor e manifestações de tristeza
Imagem: Divulgação/The Royal Parks

Lá estão os restos mortais de centenas de animais, em sua grande maioria cachorros que pertenceram a membros da alta sociedade londrina entre as últimas décadas do século 19 e o começo do século 20.

Ao caminhar ao redor dos túmulos, o visitante lê declarações de amor dos antigos donos e, também, manifestações de dor e tristeza: "my poor little Prince" ("meu pobre pequeno Prince), exclama uma das lápides no local.

Túmulo do cachorro Spot no cemitério de animais do Hyde Park - Divulgação/The Royal Parks
Túmulo do cachorro Spot no cemitério de animais do Hyde Park
Imagem: Divulgação/The Royal Parks

Muitos dos nomes dos bichinhos sepultados são típicos de cães domésticos ingleses, como Spot, Ruff e Scot.

Há também nomes fofos (como Chim-Chim) e graças inusitadas: em um dos túmulos se encontram os restos mortais de um cachorro que se chamava Scum (palavra inglesa que pode ser traduzida como "escória").

É bem provável, porém, que ele fosse muito amado pelos seus donos, que fizeram questão de colocá-lo no cemitério do Hyde Park.

Cemitério antigo

Em 1881, o então porteiro do Victoria Lodge (um edifício que existe dentro do Hyde Park) realizou o primeiro enterro do cemitério de animais do parque londrino.

Era de um maltês terrier que havia morrido de velhice e que, em vida, ia com frequência ao Hyde Park com seus donos.

Os túmulos do cemitério de animais são do século 19 e começo do século 20 - Baloncici/Getty Images
Os túmulos do cemitério de animais são do século 19 e começo do século 20
Imagem: Baloncici/Getty Images

O porteiro sepultou o cãozinho em uma área atrás do Victoria Lodge, que, a partir daí, começou a receber mascotes falecidos de diversas famílias ricas que viviam na região do parque e em outras zonas abastadas de Londres. Um deles era um yorkshire terrier que pertenceu ao duque de Cambridge.

Hoje com aspecto envelhecido, as lápides do local mostram anos de morte como 1894, 1895 e 1900, indo até os primeiros anos do século 20. E, entre elas, surge o túmulo de um gato que se chamava Peter.

O cemitério de animais fica na área do Hyde Park, em Londres - Alphotographic/Getty Images
O cemitério de animais fica na área do Hyde Park, em Londres
Imagem: Alphotographic/Getty Images

O "pet cemetery" está na região do Hyde Park que se localiza junto à via Bayswater Road. É preciso se planejar, entretanto, para conhecer o cemitério, que não é frequentemente aberto ao público.

As visitas são pagas e organizadas pela entidade The Royal Parks. Geralmente, estes tours também incluem locais como o Speakers' Corner (famosa área do Hyde Park onde pessoas realizam discursos políticos e religiosos) e um lugar onde milhares de pessoas foram executadas ao longo da história.

Para saber sobre os próximos tours, acesse: www.royalparks.org.uk

Viagem