Topo

Viagem


Após cancelamento de voos da Avianca, preço médio de passagens sobe 14%

Segundo o Kayak, o preço médio de bilhetes aéreos subiu de R$ 630 para R$ 717,60. - doomu/Getty Images/iStockphoto
Segundo o Kayak, o preço médio de bilhetes aéreos subiu de R$ 630 para R$ 717,60. Imagem: doomu/Getty Images/iStockphoto

Marcel Vincenti

Colaboração para o UOL

03/05/2019 14h53

Um dos principais buscadores de viagens da internet, o site Kayak informou nesta sexta-feira (3) que identificou um aumento médio de quase 14% no preço de passagens aéreas nacionais após a Avianca anunciar, no último mês de abril, o cancelamento de uma série de voos dentro do Brasil.

O Kayak analisou, em sua base de dados, a variação do nível dos preços de passagens aéreas de ida e volta em rotas que contavam (ou ainda contam, mas em menor volume) com a participação da Avianca e que tiveram oferta de viagens reduzida após o anúncio da suspensão dos voos (e onde ainda atuam outras empresas, como Latam e Gol).

Nos trechos pesquisados, o valor médio dos bilhetes saltou de R$ 630 para R$ 717,60.

De acordo com o Kayak, passagens para Brasília foram as que mais encareceram após os cancelamentos - Bruno Pinheiro/Setur-DF
De acordo com o Kayak, passagens para Brasília foram as que mais encareceram após os cancelamentos
Imagem: Bruno Pinheiro/Setur-DF

"Com os cancelamentos, a oferta de voos nacionais diminui e os preços aumentam. É a lei da oferta e da demanda", afirma Eduardo Fleury, líder de Operações do Kayak no Brasil.

Segundo o Kayak, voos com destino a Brasília foram os que mais encareceram -- com uma elevação média de 70% no preço.

Também aparecem nesta lista viagens aéreas para os aeroportos que servem as cidades de Petrolina, em Pernambuco, com aumento médio de 24% no valor dos bilhetes; Goiânia, em Goiás, com incremento médio de 16% no preço; Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, com aumento médio de 15%; Maceió, em Alagoas, com aumento médio de 11% no preço da passagem; e Foz do Iguaçu, no Paraná, com incremento médio de 11%.

Voos para Maceió também ficaram mais caros com a suspensão dos voos da Avianca - Getty Images/iStockphoto
Voos para Maceió também ficaram mais caros com a suspensão dos voos da Avianca
Imagem: Getty Images/iStockphoto

A companhia aérea Avianca anunciou, durante o último mês de abril, o cancelamento de aproximadamente 2.000 voos no Brasil.

Em crise financeira e recuperação judicial, a empresa está devolvendo aeronaves que compunham sua frota para empresas de leasing.

No dia 29 de abril, a empresa começou a concentrar suas operações nacionais em apenas quatro aeroportos brasileiros, voando nas seguintes rotas: Congonhas (SP) - Santos Dumont (RJ), Congonhas (SP) - Salvador (BA), Brasília (DF) - Santos Dumont (RJ) e Brasília (DF) - Congonhas (SP).

Mais Viagem