PUBLICIDADE

Topo

Moda

Indústria da moda 'estupra' mulheres com marketing movido a sexo, diz Armani

Giorgio Armani durante a Semana de Moda de Milão, em 2015 - AFP Photo / Giuseppe Cacace
Giorgio Armani durante a Semana de Moda de Milão, em 2015 Imagem: AFP Photo / Giuseppe Cacace

Por Claudia Cristoferi e Hanna Rantala

Milão

21/02/2020 17h35

Giorgio Armani acusou a indústria da moda, hoje, de "estuprar" as mulheres com tendências de vida curta e marketing movido a sexo ao apresentar sua linha Emporio Armani na Semana de Moda de Milão

"Acho que é hora de eu dizer o que penso. As mulheres continuam sendo estupradas pelos estilistas, por nós", disse Armani, de 85 anos, a repórteres nos bastidores do desfile da linha voltada a clientes mais jovens.

"Se uma mulher anda pela rua e vê um anúncio com uma mulher com os seios e a bunda em plena vista e também quer ser assim, é uma maneira de estuprá-la", disse Armani. "Pode-se estuprar uma mulher de muitas maneiras, seja atirando-a no porão ou sugerindo que ela se vista de uma certa maneira."

Armani, conhecido por suas roupas discretas e elegantes, fundou sua grife em 1975 e a transformou em uma marca global.

"No meu desfile há saias curtas, saias compridas, calças amplas e justas. Dei liberdade máxima às mulheres que podem usar todas as possibilidades se forem sensíveis", disse.

"Estou cansado de ouvir a palavra 'tendência'. Precisamos tentar trabalhar para a mulher de hoje. Não deveria haver tendências."

Em seu desfile outono/inverno 2020 da Emporio Armani, o estilista se mostrou leal aos looks simples e neutros, mantendo as silhuetas soltas e com linhas retas e dando uma ênfase nova em materiais reciclados.

"A coleção cápsula R-EA foi feita com tecidos e materiais reciclados, como já foi feito para a linha masculina do Emporio", disse Armani após o show.

No começo o preto dominou a passarela, e depois foi a vez dos tons de verde e azul, porque "as lojas precisam de cores para atrair os olhares das compradoras", como Armani observou.

As modelos vestiram shorts curtos de renda com acabamento, meiões opacos e calças de pernas largas. Os vestidos apareceram pregueados e cingidos na cintura com cintos ou combinaram veludo e seda.

Jaquetas compridas e soltas ou cortadas e abotoadas foram combinadas com tops minúsculos de frente única. Os calçados consistiram principalmente de botas rendadas, e as bolsas de alça e de mão eram pequenas. O veludo, um material recorrente, também foi empregado em acessórios.

"A mulher Emporio Armani é obstinada, eclética e ousada em suas decisões. Com pouca consideração por regras mundanas, ela é uma mulher jovem que intriga e surpreende", diz o folheto do desfile.

Armani apresentará a coleção outono/inverno 2020 da sua linha principal Giorgio Armani no domingo.

Moda