PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Unha longa atrapalha sexo entre mulheres? O que fazer além da masturbação

A sexóloga Carla Ruiz, que é lésbica e atende no consultório pessoas LGBTQIA+, afirma que "sexo é criatividade" - iStock
A sexóloga Carla Ruiz, que é lésbica e atende no consultório pessoas LGBTQIA+, afirma que "sexo é criatividade" Imagem: iStock

Nathália Geraldo

De Universa, em São Paulo

06/04/2022 04h00

Na música "Maldivas", a cantora Ludmilla faz uma metáfora prometendo ser a "melhor DJ" a noite toda com a parceira. "Posso tocar a noite inteira e você pode me pedir replay", sugere a famosa, na letra que diz ter dedicado à esposa, Brunna Gonçalves. A expressão é comum para falar de sexo e se refere ao movimento da mão na região íntima da outra pessoa para estimular a vulva e o clitóris. Mas, seja por querer explorar outras formas de ter prazer ou porque está com unhas grandes que podem arranhar ou machucar a companheira, nunca é demais se empenhar em outras posições e práticas no sexo entre mulheres.

Como apostar na variedade na cama com prazer para todas as envolvidas para além da masturbação? A sexóloga Carla Ruiz, que é lésbica e atende no consultório pessoas LGBTQIA+, traz dicas de sexo entre mulheres e sugere: "Sexo é criatividade".

Sexo entre mulheres: dicas para além da masturbação

Nas letras e nas redes sociais, Ludmilla é uma artista que faz questão de falar sobre sexualidade e sexo sem tabus. Tanto que em um post do Twitter ela comentou em tom de brincadeira que só consegue manter alongamento nas unhas "quando a Bru está longe":

Carla Ruiz, que também é historiadora e psicóloga, diz que a masturbação, com a fricção das mãos ou a introdução dos dedos na vagina, é uma das opções de práticas sexuais entre mulheres. Mas, há outras opções que podem conectar as parceiras:

  • Sexo oral

O sexo oral é uma das atividades que pressupõem dedicação entre as parceiras. Nem todo mundo gosta de receber e de fazer. Por isso, é preciso ter em mente que o prazer de quem está ali precisa estar em primeiro lugar. Quando as duas estão de acordo, aproveite: aposte no uso da língua não como preliminar, mas como sexo propriamente, e mantenha o estímulo antes de chegar ao clitóris, beijando a região das coxas, por exemplo.

  • Tesoura

Para pessoas que têm vagina, a posição de "tesoura" é boa para ao gerar a fricção das partes íntimas e pode até levar ao orgasmo. São três dicas de ouro: ritmo, movimentação e, se necessário, lubrificação.

A prática pode ser feita deitada, sentada e com variações: uma das pessoas fica por cima, sentada, fazendo o movimento de vai e vem. Se a mão estiver "liberada", siga com o estímulo no clitóris também. "É uma prática bastante prazerosa em que ambas se conectam", explica Carla.

  • Uso de produtos eróticos

Vibradores, cinta peniana, sugador de clitóris. A quantidade de produtos disponíveis também pode fazer com que a transa entre mulheres seja satisfatória sem a necessidade do uso das mãos. "Geralmente, priorizamos a mão quando estamos no processo de conhecer nosso próprio corpo; mas, entre o casal, há a possibilidade da descoberta de outras práticas", comenta Carla.

"Explorar o prazer requer viver próprio desejo", diz sexóloga

Carla Ruiz explica que, no consultório, as demandas que comprometem a busca pelo prazer entre lésbicas estão ligadas, por vezes, a questões de autoestima corporal. "Isso interfere no próprio desejo sexual e gera um medo de se relacionar com a outra, porque a mulher se preocupa se está perto ou não do corpo 'padrão'", explica.

Colocar essas travas na própria experiência é uma cilada. Do mesmo modo que reproduzir "sexo machista", com a simulação de posturas heteros que colocam o sexo em um conceito limitante. "O fato de uma pessoa querer ser mais passiva ou ativa, por exemplo, isso pode ser uma simulação de sexo heteronormativo entre pessoas que têm vagina".

Isso passa longe, alerta a sexóloga, da ideia de que sexo lésbico com penetração é "machista". "Não é o bastante para dizer que estamos reproduzindo uma postura machista ou patriarcal? Quando dizemos isso é para percebermos se, na hora da transa, por exemplo, a parceira está sendo ouvida".

Sexo