PUBLICIDADE

Topo

Moda

Conheça Eduardo Caires, o designer que está cobrindo as famosas de strass

O designer Eduardo Caires. - Eduardo Caires/Divulgação
O designer Eduardo Caires. Imagem: Eduardo Caires/Divulgação

Aline Fava

Colaboração para Universa

01/12/2020 04h00

Se o seu feed do Instagram anda brilhando muito —das lives de Manu Gavassi aos looks glamourosos de Bruna Marquezine, Sabrina Sato, Juliana Paes, Larissa Manoela e Xuxa—, são grandes as chances do nome por trás desse brilho todo ser o do designer paulistano Eduardo Caires.

O amor de Eduardo pelo strass é antigo, como ele conta a Universa. "Nos anos 80, minha mãe usava strass e minha avó tinha aqueles broches e brincos que eu amava muito. Eu ficava brincando com papel alumínio, moldando e fazendo brincos e colares quando eu era criança."

Outra referência de brilho muito forte no trabalho do designer são as criações de designer francês Yves Saint Laurent: "Eu via todos os desfiles, assistia tudo, pesquisava e sempre vi ele como referência nessa questão do brilho".

Some-se a tudo isso a estética punk e então surge o trabalho de Eduardo: "Eu fui para Londres em 2007 e surtei! Voltei de lá e comecei a trabalhar essa estética punk nas jaquetas, na customização com alfinetes e pinturas", recorda.

Do shopping para o ateliê

Mas o designer teve um pequeno desvio de percurso antes de começar a carreira na moda. "Meu primeiro emprego foi como mecânico de ônibus, arranjado por um tio. Eu só aguentei três dias e falei: 'Quer saber, eu não nasci para isso. Vou procurar um emprego no shopping, para trabalhar com moda, porque é isso que eu amo", conta. Como vendedor, ele percebeu sua habilidade para montar looks e foi parar na área de merchandising visual.

Foram dez anos trabalhando em uma grande empresa até tomar coragem de abrir sua própria marca. "Eu sempre tive um lado artístico: pinto quadros, customizava jaquetas com pinturas... E levava isso em paralelo ao meu trabalho com merchandising visual. Mas chegou um momento da carreira em que eu pensei que não tinha mais para onde crescer e decidi sair. Fiquei uns dois meses sem saber muito o que fazer até que, num belo dia, eu tive uma ideia: 'Quer saber, eu amo brilho, vou customizar uma jaqueta com brilho'".

Um blazer vintage, garimpado na casa de um amigo, foi a primeira peça que Edu customizou: com strass, broches e tudo mais que tinha em mãos.

"Eu postei essa peça só para mostrar. E os stylists começaram a me procurar para entender que trabalho era esse, o que eu estava fazendo", conta. Um deles perguntou se Eduardo não fazia peças como sutiãs e brincos só de strass: "Não faço, mas eu posso descobrir como fazer e vou tentar", disse o designer à época. "Fui aprender, descobrir, fui atrás de matéria-prima, fui estudar, tudo sozinho."

O resultado deu certo e o trabalho do designer foi sendo divulgado no boca a boca. Até que Pedro Salles, stylist de Sabrina Sato, entrou em contato com Eduardo para desenvolver peças para a apresentadora. "Eu fiz um brinco para ela usar no Carnaval de 2019, e aí estourou."

Naquele ano, começaram a chover clientes: "Foi assim que eu entendi que tinha virado uma marca, que precisava montar um espaço, fazer embalagem... Como sou formado e trabalhava com marketing, sempre prestei atenção nos detalhes e nos cuidados que minha marca tem que entregar para meus clientes", diz Eduardo.

"No início, foi difícil, mas meu namorado me incentivou muito a fazer e não ficar pensando muito em preço ou quantidade de vendas. Batalhei sozinho. Fui fazendo as coisas com meu coração, do jeito que eu amo, e começou a rolar."

De lá para cá, Eduardo viu suas peças em clipes de Preta Gil, Pabllo Vittar, Anitta, editoriais de moda de várias revistas, nos looks das famosas e até na novela "A Dona do Pedaço". "Ver as minhas peças na Vivi Guedes [interpretada por Paolla Oliveira] foi muito emocionante porque eu cresci assistindo novela. Quando eu ia imaginar que uma peça minha ia estar em destaque na novela das 9, com milhões de brasileiros assistindo? Eu olhava aquilo e não acreditava, até chorei no dia", lembra Eduardo.

No início do ano, Eduardo fez uma parceria com a Colcci e criou peças especiais para a atriz Bruna Marquezine usar na campanha da marca. Entre elas, está uma jaqueta que tem mais de mil fios de strass cortados a mão e pesa mais de 30 quilos.

Outro ponto alto da carreira do designer é o chapéu brilhante de Ludmilla no clipe de "Verdinha" que virou hit do Carnaval. "Eu vi muita gente usando. Achei legal que as pessoas gostaram, pegaram a referência e foram fazer os seus."

Já no Big Brother Brasil, os brincos da marca usados por Manu Gavassi viraram objeto de desejo instantâneo. Mas o acessório nem sempre foi prioridade nas criações do designer: "Quando comecei a fazer minhas peças, eu não pensava em criar brincos, que são os itens mais vendidos hoje. A primeira sessão de fotos foi feita com uma amiga para mostrar as jaquetas. Então, para completar o look, eu fiz um brinco só para as fotos. E as pessoas me disseram 'Uau! Não é só um brinquinho de strass'."

De dia ou de noite

Eduardo quer tirar o estigma de que brilho é para ser usado só à noite ou para o Carnaval. Para ele, o strass vai do jeans ao look de festa sem passar despercebido, seja em um brinco, top ou pochete, um dos ícones de sua marca.

Sobre a construção dos modelos, o designer explica que seu processo é bem artesanal: "Eu faço um trabalho de moulage [modelagem feita sobre um corpo com volumes] no manequim e sempre tento fazer as minhas peças de um jeito que elas caibam em todos os corpos. Elas não têm um caimento muito definido. Geralmente, ele é mais solto, mais fluido, com fechamentos que você pode ajustar, aumentar ou diminuir."

Suas criações, como joias, são feitas para durar, diz o designer. "Tem que ter um cuidado especial, guardar fechada, em um saquinho. Se você compra uma peça minha e cair alguma pedra, por exemplo, eu vou estar sempre disponível para repor esse produto. É uma coisa que você vai ter para sempre, não vai descartar, assim como peças que nossas avós tinham", explica Edu.

Além disso, ele quer que suas peças possam ser usadas por qualquer um: "Homem, mulher, não tem gênero, não tem tipo de corpo".

De tanto vestir as famosas, Edu também entrou para o hall da fama: "Eu consegui, de alguma forma, que o strass trouxesse uma linguagem diferente. E que as pessoas olhem os produtos e saibam que são meus. Eu trabalhei muitos anos em marcas de moda e sei o quanto é difícil para uma marca se posicionar e ter esse reconhecimento", diz. "Fico muito grato e feliz por, em tão pouco tempo, ver a potência que a minha marca tem."

Moda