PUBLICIDADE

Topo

Ex-ring girl relata relacionamento abusivo e violento: 'Era como um vício'

Aline Franzoi posta foto chorando ao contar sobre relacionamento abusivo - Reprodução/Instagram
Aline Franzoi posta foto chorando ao contar sobre relacionamento abusivo Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa, em São Paulo

07/07/2020 11h57

A ex-ring girl do UFC Aline Franzoi, que atualmente trabalha como modelo, usou o Instagram para se abrir sobre um relacionamento abusivo pelo qual passou recentemente. Ela mostrou imagens de hematomas e arranhões pelo corpo, além de uma foto aos prantos.

Aline contou que o momento mais traumático do namoro foi quando foi "espancada na frente dos [seus] amigos, dentro de um navio, e largada em uma ilha, sem RG, sem nada". "Era como um vício... Sabia que aquilo era ruim para mim, mas necessitava daquele sentimento horroroso que me consumia", descreveu.

"Ele era muito agressivo, me batia, xingava minha família...", contou. "Só quem esteve ao meu lado na época consegue mensurar a vida destrutiva que tinha. Ele me fez acreditar que eu pertencia a ele".

"Os traumas foram tão grandes que desenvolvi uma síndrome do pânico e tomo remédio controlado até hoje!", revelou ainda.

História do relacionamento

Aline disse que conheceu o namorado em questão em 2018, mas que descobriu, após um ano de relacionamento, que ele já era casado e tinha uma família.

"Essa pessoa tinha um outro celular, um outro endereço e uma vida dupla. Ele tinha uma equipe contratada para mentir pra mim, seguranças na porta da minha casa para me acompanhar diariamente", contou.

Ela chegou a terminar o namoro e engatar outro, mas o ex "infernizou sua vida" e a fez voltar. Somente após o incidente do espancamento e do abandono na ilha é que ela terminou o relacionamento de vez — sentindo as consequências do tempo que passou sofrendo abusos.

"Passei o ano de 2019 em uma cama pedindo iFood, eu queria morrer... Precisava mostrar para o mundo que estava bem, mas dentro do meu quarto era apenas uma pessoa querendo desistir da vida", disse.

A recuperação veio através da fé, segundo Aline, que é cristã. "Eu confio na justiça de Deus, ela nunca falha. O preço do pecado é a morte. Por mais que tenha aceitado viver uma história de horror como essa, presenciei a morte de perto", escreveu.

Solidariedade

De acordo com Aline, o sentido de se abrir sobre esta história agora é dar força a mulheres que podem estar passando pelo mesmo.

"Por que esse post? Por que passei por tudo isso? Por que não?", questionou. "Para quê? Para salvar as mulheres que passam por isso. Eu passei, e vendo essas fotos consigo sentir vergonha de aceitar tudo o que vivi".

Violência contra a mulher