PUBLICIDADE

Topo

Por que uma foto de Kylie Jenner sem maquiagem te incomoda?

Kylie Jenner sem maquiagem: flagra caiu nas redes - Reprodução/Twitter
Kylie Jenner sem maquiagem: flagra caiu nas redes Imagem: Reprodução/Twitter

Nathália Geraldo

De Universa

23/04/2020 04h00Atualizada em 23/04/2020 11h12

Nesta quarta, uma foto com uma mulher sem maquiagem galgou o ranking de assuntos mais comentados no Twitter. Nesse mundo de isolamento social, em que parte das mulheres já questiona suas rotinas de beleza —como fez a cantora Solange Almeida em interação com fãs nas redes sociais, internautas circularam variações de um meme em que a celebridade norte-americana Kylie Jenner é flagrada de cara lavada (ou quase).

Entre várias brincadeiras, a questão imposta era entre a diferença de sua versão com e sem make. A famosa —junto de todo o clã da família Kardashian— é referência na make "reboco", com aplicação de muitas camadas e capricho no contorno. Ter aparecido com um visual mais natural nos traz um questionamento: estamos prontas para avaliar se somos escravas da maquiagem? Que efeitos emocionais ficar de "cara limpa" gera sobre nós?

A boca volumosa, os cabelos compridos e escovados, a sobrancelha "na régua", o rosto "sem defeitos". No Instagram, em que é seguida por 171 milhões de pessoas, a maioria das publicações de Kylie Jenner reproduz o padrão de beleza a que estamos acostumadas.

Uma das marcas registradas da celebridade, explica a maquiadora e consultora de beleza Fabiana Gomes, é a maquiagem "com grande quantidade de produtos, para fazer a alteração em características no rosto, e a técnica de contorno, em que ele é praticamente esculpido".

"É um padrão social, especificamente feminino, buscar os defeitos, seja uma nas outras, seja em nós mesmas. E quando a gente encobre esses defeitos com maquiagem ou filtros, tendemos a criar a falsa impressão de que aquilo é o ideal", explica a psicóloga especialista em terapia cognitivo-comportamental Ellen Senra. "Não há problema em usar maquiagem, desde que isso seja algo confortável para você e não imposto. Se você não consegue suportar sua imagem natural, é preciso reestruturar a autoimagem".

Ela afirma que é preciso entender que usar ou não maquiagem é uma questão de construção social — baseada, de maneira geral, na valorização da estética próxima ao modelo europeu, do corpo magro e da pessoa branca. Somos acostumados ainda a olhar no espelho e procurar "defeitos" estéticos, diz.

Uma publicação compartilhada por Kylie (@kyliejenner) em

A publicação, no entanto, gerou muitas comparações entre a "Kylie montada" e a "Kylie no isolamento":

"Realidade versus Fantasia sendo demonstrada excepcionalmente bem por Kylie Jenner".

Também foi trazido à tona o fato de Kylie ter a pele branca — apesar de usar maquiagem e edição de imagem para se assemelhar à pele negra. Vale dizer que parte dos usuários argumenta que as fotos são antigas, de uma época em que Kylie ainda não tinha passado por procedimentos estéticos.

"Eu estou de quarentena por tanto tempo, Kylie Jenner é branca de novo".

Além de make, filtros

Fabiana Gomes explica que o estilo de maquiagem da famosa segue um padrão estético bastante difundido especialmente nas redes sociais.

"[O estilo] coloca o rosto no formato oval que, pelas medidas áureas [ideia de simetria e proporção que definiria a beleza humana], é o oval. Então, ela faz o que precisa fazer para ser aceita no 'reino da beleza ocidental'. É usada bastante base para cobrir o que está embaixo, anulando as olheiras, por exemplo; os olhos são aumentados, com côncavo marcado, cílio postiço e raiz do cílio pintada. A boca fica maior e arredondada, para se ter um ar sexy — mas, nesse caso, é possível que tenha outros procedimentos estéticos", comenta. "Aí, a mulher tem como resultado esse look plastificado".

Além da maquiagem, a aparência de Kylie também sofre modificações por conta dos ângulos das fotos publicadas nas redes sociais e dos filtros aplicados sobre elas.

"É preciso entender que, no Instagram, ela prega o apagamento da realidade. Desde a iluminação artificial que usa para capturar a imagem à pose para chegar a esse modelo de 'perfeição'. Nas fotos, é comum que as mulheres façam a boca no formato de soprar, meio entreaberta, para ter um tom de erotismo, por exemplo", indica Fabiana.

Tudo isso, diz a maquiadora, precisa ser questionado. "Estamos a duas telas de distância da pessoa real: a que ela usou para tirar a foto e a tela em que estamos vendo. Isso pode gerar ansiedade em quem acha que não pertence a esse 'padrão'; as mulheres podem se sentir erradas por não corresponder a ele", analisa.

Com 17 anos de experiência no mercado da beleza, Fabiana Gomes afirma que essa desconstrução não é fácil.

"A maquiagem pode ser transformadora, estética e emocionalmente. Eu mesma uso maquiagem, não todos os dias, mas reconheço que tenho algumas muletas. Quando percebo isso, tento brincar e tirar aos poucos o que eu acho que consigo. Mas para chegar nesse momento de libertação, é preciso não ser escrava dos produtos", recomenda.

O isolamento social, diz Fabiana, pode ser um bom momento para treinar o momento "sou assim sem make". "Aliás, queria que a Kylie viesse a público para dizer como se sentiu com isso [ser comparada com e sem make]", diz Fabiana. "De um lado, pode ter gente se inspirando mas, de outro, pode ter gente pensando: 'Realmente preciso de maquiagem, porque achei ela feia sem nenhum produto'. A única questão é que feio e bonito são subjetivos, certo?"

what lip is your fav tap for details! @kyliecosmetics

Uma publicação compartilhada por Kylie (@kyliejenner) em

Autoestima