PUBLICIDADE

Topo

Relacionamentos

Irmãos, amigos que dividem apê... Vocês não parecem um casal? Mude já isso

iStock
Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

25/02/2020 04h00

A paixão entre um casal, segundo estudos, dura em torno de dois anos. Depois disso, entra em cena o companheirismo — e então surge um novo formato de relacionamento, que precisa ser olhado de perto e com cuidado.

"A rotina do dia a dia acaba colocando o sexo como algo secundário na vida a dois", observa Raquel Fernandes Marques, psicóloga da Clínica Anime, em São Paulo. "Quando ainda namoram, as pessoas separam um tempo especificamente para curtir o relacionamento, e isso inclui o sexo. Quando passam a morar juntos, a urgência de aproveitar aquela oportunidade desaparece. A frequência pode diminuir, isso é normal, mas nunca desaparecer."

Hoje, a impressão é que tudo contribui para que o erotismo da relação sofra um abalo considerável. Boletos infinitos para pagar, expediente massacrante no trabalho, demandas domésticas, cuidados com os filhos, trânsito, compromissos com a família, cansaço e estresse em níveis alarmantes... Como chegar em casa no fim de um dia exaustivo e ter forças, fôlego e energia para transar?

O problema é que, diante de tanta correria, a intimidade, a cumplicidade e o simples prazer de estar junto também ficam prejudicados. Quando se dão conta, homens e mulheres deixaram de ser casais e se transformaram em gestores de crise, sócios na administração da casa, colegas dividindo um apartamento ou um escritório.

Para Marina Prado Franco, mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), vários fatores da rotina de uma relação conjugal podem fazer com que o par se aproxime mais como amigo e se afaste enquanto verdadeiro casal.

"As pessoas esquecem que existe afetividade sexual, namoro, sedução. Com o passar do tempo, o afastamento vai sendo cada vez maior e, claro, inevitável", afirma. "Dividir as tarefas da casa, a educação dos filhos e as despesas não caracteriza duas pessoas como sendo um casal. É necessário que exista uma ligação emocional e sexual entre elas."

Atenção às relações longas

Segundo Joselene L. Alvim, psicóloga clínica de Presidente Prudente (SP) e especialista em neuropsicologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), o distanciamento é mais comum entre os casais que estão juntos há muito tempo.

"No início de um casamento, o casal ainda está na fase de descoberta sobre o outro, mesmo que já venham de um namoro relativamente longo", diz. "A novidade de viver sob o mesmo teto tende a ser excitante e ambos estão mais cheios de energia e desejo. São mais românticos e, por isso, também fazem mais surpresas um para o outro, alimentando a relação."

Com o tempo, o surgimento de papéis diferentes podem causar ruído na convivência. Normalmente, de acordo com Raquel, casais que trabalham juntos conseguem entender melhor as angústias do dia a dia, assim como a carga horária e outras peculiaridades da vida profissional, as dificuldades, os desafios e as necessidades.

"Sem contar que é possível trocar ideias e pedir dicas, e isso faz com que os dois fiquem ainda mais unidos. No entanto é importante deixar claro o papel desempenhado por ambos em cada ambiente, ou seja, fora do trabalho eles são um casal e precisam agir como", pontua.

Funções de pais não podem se sobrepor às de casal

Na opinião de Joselene, é preciso prestar atenção às funções de pai e mãe que, em muitos casos, acabam se sobrepondo e até tomando conta dos papéis de homem e mulher.

Sob o ponto de vista de Marina, os casais que estão juntos há muito tempo têm que ficar mais atentos e começar a observar os sinais de que a relação já não é a mesma para que ela não se perca por completo. "Porém, o que determina que isso irá, realmente, acontecer é a forma como o casal vê e lida com a situação", afirma.

"Um casal que trabalha e mora junto, mas tem a sua individualidade mantida ao sair com amigos de vez em quando ou ao continuar a cultivar seus hobbies anteriores, pode não notar essa mudança de paradigma no relacionamento. No fim, depende muito de qual casal estamos falando e qual a ideia de relacionamento que esses indivíduos têm, o que cada um valoriza num relacionamento e como lidam com isso", afirma.

Dicas para virar o jogo

A boa notícia é que, com um esforço mútuo e constante dos envolvidos, dá, sim, para reverter a situação. É claro que não é possível recriar a chama apaixonada do início da relação, pois o casal e a própria dinâmica do relacionamento vão se transformando ao longo do tempo. No entanto, os dois podem resgatar a cumplicidade e a intimidade. Veja alguns passo recomendados pelas especialistas:

1) Desconstrua a visão idealizada de relacionamento
A culpa por não ter um romance digno de cinema caminha ao lado da idealização da vida a dois. É preciso ter senso de realidade sobre qual o ponto da relação no momento. "A visão calcada em expectativas de casal sempre feliz impossibilita ambos olharem o relacionamento como algo que pode ser melhorado", afirma Joselene.

2) Aperfeiçoe diariamente a relação
Gostar da sensação de estar com alguém é ótimo, mas não é o suficiente para uma relação dar certo. "É responsabilidade de cada um aperfeiçoar diariamente a relação, encontrando-se um no outro, descobrindo objetivos comuns, sem esquecer-se de levar em conta as diferenças de pensamentos -- ou seja, respeitando a individualidade do outro. O diálogo e o respeito são requisitos básicos", aponta Joselene.

3) Equilibre amizade e sexualidade
Um relacionamento alterna fases mais quentes com outras mornas. Em uma relação conjugal, é claro que a amizade não deve ser descartada, pois é uma peça fundamental. No entanto, quando o sexo deixa de ser prioridade, pode ser um alerta para a entrada da relação num campo neutro demais.

4) Não deixe o desejo morrer
"É preciso criar estratégias para que o desejo sempre aconteça. Mudar a rotina, tirar um tempo para curtir a dois, trocar mensagens mais quentes durante o dia, tudo isso pode contribuir para ajudar nesse sentido", diz Ellen Moraes Senra, psicóloga especialista em terapia cognitivo-comportamental, do Rio de Janeiro.

5) Volte a namorar, pelo menos de vez em quando
"O fato de estar casado não deve acabar com o namoro, beijos, abraços, carinho, mãos dadas, telefones, mensagens, e-mails e demonstração de amor. É importante que o casal disponha de momentos a sós, principalmente quando a família já compõem filhos. Saiam para jantar sozinhos, estiquem para um cinema ou teatro, durmam uma noite fora de casa...", sugere Raquel.

6) Converse abertamente sobre o que foi deixado de lado nesse tempo juntos
A partir daí, é importante retomar o que notar que foi perdido e renovar em alguns pontos também. Os dois precisam estar abertos a mudanças e novas ideias, dialogar, mostrar empatia um com o outro, ter bom humor, procurar sempre cultivar o otimismo e ver o lado bom do par e das situações.

7) Encontre novos objetivos
Pode ser reformar a casa, trocar de carro, fazer uma viagem juntos, começar a praticar exercícios, descobrir um hobby, não importa. Traçar missões e sonhos em comum cria a sensação de ter com quem contar e de fazer a relação evoluir, não ficar estagnada.

Relacionamentos