PUBLICIDADE

Topo

Direitos da mulher

Novo teste deve responder em 4 horas causas que levaram a aborto espontâneo

Getty Images
Imagem: Getty Images

De Universa, em São Paulo

10/02/2020 19h00

Um quarto das mulheres em todo o mundo sofre aborto, embora poucas delas saibam o verdadeiro motivo que levaram à fatalidade.

Nesse caso, segundo especialistas, as anormalidades cromossômicas são as causas mais comuns. No entanto, testes genéticos para confirmar esse diagnóstico custam uma fortuna - algo que poucas mulheres, principalmente as que não tem renda para pagar um acompanhamento, podem pagar.

Uma nova possibilidade surge a caminho: Dr. Zev Williams, diretor do Centro de Fertilidade da Universidade de Columbia, em Nova York, desenvolveu, o que ele diz ser, o método mais rápido e barato para testar anomalias genéticas no tecido fetal.

O teste, que teve seu desenvolvimento publicado na revista científica BioTechniques, leva cerca de quatro horas para dar o resultado e custa menos de US$ 200, aproximadamente R$ 850.

"A perda de gravidez é realmente, do ponto de vista de uma paciente, incrivelmente devastadora, mas do ponto de vista médico e científico, uma caixa preta. Agora, estamos começando a nos esquivar disso", disse Williams ao Today.

O dispositivo usado para esse novo método é similar um mini grampeador e está disponível comercialmente desde 2015, sendo usado de várias maneiras, incluindo testes para o combate do coronavírus.

O teste em questão extrai o DNA de uma amostra de tecido e revela as anormalidades cromossômicas, podendo dar à mulher e ao homem respostas sobre os motivos pelos quais o aborto pode ter acontecido.

Williams e sua equipe enviaram dados do teste ao Departamento de Saúde de Nova York para sua aprovação. Se aprovado, o método começará a ser comercializado.

"Espero que possamos trabalhar com um parceiro comercial a fim de oferecê-los a médicos em todo o país. Por enquanto, estamos trabalhando para reduzir ainda mais o custo", disse ao Today. "Nossa força motriz é ajudar e dar respostas".

Direitos da mulher