PUBLICIDADE

Topo

Monique Curi revela caso de bulimia e relação abusiva que a afastou da TV

Monique Curi, aos 52 anos, revela caso de bulimia que sofreu na adolescência - Reprodução/YouTube
Monique Curi, aos 52 anos, revela caso de bulimia que sofreu na adolescência Imagem: Reprodução/YouTube

De Universa

03/02/2020 19h56

Monique Curi revelou alguns momentos difíceis que viveu ao final de sua adolescência, ao sofrer em um relacionamento abusivo, que resultou em um caso de bulimia. Hoje, ao completar 52 anos, ela divulgou um novo vídeo em seu canal no YouTube, "Jeito de Ser", em que bate um papo com Glenda Kozlowski sobre sua vida.

A atriz, que ficou conhecido ainda na infância ao atuar na novela Os Gigantes (1979), teve uma pausa forçada na carreira aos 17 anos, quando um relacionamento atrapalhou a sua carreira profissional e vida pessoal.

"Eu tinha um namorado, era superapaixonada, primeiro amor e ele era superciumento. Se ele vir essa entrevista, não vai nem imaginar a responsabilidade que teve na história da minha vida. Ele dizia que se eu voltasse a fazer novela, terminaria o namoro comigo. Fui para Belo Horizonte, namorando de longe. Quando eu estava lá, me chamaram para fazer duas novelas; o Marcos Paulo para fazer O Outro (1987) e o Dennis Carvalho me chamou para fazer Corpo Santo (1987)", contou.

Na ocasião, o convite era para interpretar a personagem Zezinha (interpretado por Claudia Abreu), filha de Denizard (Francisco Cuoco).

"Eu tinha acabado de terminar o namoro, recebi os dois convites e pensava: 'Se aceitar fazer novela, ele não volta'. Então, não aceitei. Não fui nem na Globo falar com o Marcos Paulo. Liguei com medo de encontrá-lo e ele me seduzir a fazer o grande papel. Sofri horrores por anos da minha vida, até pouco tempo atrás", revelou.

Ela ainda seguiu seu relato: "O namoro não voltou, minha autoestima foi a zero: fiquei sem o namorado, sem profissão, sem o Rio de Janeiro, sem as amigas, não me adaptei a Belo Horizonte. Foi um horror! Comecei a comer muito. Ali foi a transformação da menina feliz para uma menina sem autoestima nenhuma. Fiquei superinfeliz, comecei a comer demais e a engordar. Não me reconhecia no espelho, não conseguia fazer dieta. Eu queria a comida para preencher aquele vazio. E não preenchia".

O fim da relação levou Monique a sofrer de bulimia. "Tive a ideia horrorosa de colocar para fora. Daí a minha vida acabou. Eu comia seis, sete vezes por dia para vomitar. Tive danos sérios de saúde: estraga os dentes, tive dores abdominais, você fere a mão porque para conseguir vomitar tem que enfiar a mão inteira lá dentro. Isso não é uma ideia, gente. Isso mata".

Alguns anos mais tarde, procurou o autor Manoel Carlos para tentar voltar a trabalhar. Ligou para ele e foi chamada para fazer um teste, em 1991, que resultou em seu trabalho na trama Felicidade.

"A bulimia foi sendo curada aos poucos porque eu comecei a trabalhar. Eu não tinha tempo de comer, a autoestima foi sendo resgatada. Eu me arrependo de não ter pedido ajuda. Poderia ter sido muito mais rápido. Foram seis anos de bulimia. Minha vida foi para o fundo do poço mesmo", contou.

No entanto, com o fim da novela, Monique acreditava que precisava arranjar um namorado para se sentir preenchida. "Encontrei uma pessoa. Minha autoestima foi para cima daquela pessoa que não tinha nada a ver comigo. Foram outros oito anos no fundo do poço. Hoje, falo abertamente sobre isso. Dos 17 aos 30 anos, eu abro parênteses na minha vida".

Autoestima