PUBLICIDADE

Topo

Mulheres inspiradoras

Ilustradoras levam debate feminista ao universo da HQ com ajuda da internet

Mariana Costa

Colaboração para Universa

08/12/2019 04h00

É com a força da internet e das redes sociais que uma jovem geração de artistas tem rompido barreiras impostas pelo machismo no mundo dos quadrinhos e atraído um público feminino que até então não se interessava por esse tipo de linguagem. São autoras que usam o Instagram para publicar suas tirinhas e dar visibilidade a temas pouco explorados nesse universo, pautado por muitos anos por um protagonismo masculino na produção e no consumo de HQs.

As campanhas de financiamento coletivo e a autopublicação têm sido uma estratégia eficaz para que autoras furem os filtros impostos pelo circuito mainstream das grandes editoras e estúdios. Feminismo, sexualidade, autoestima, direitos humanos são temas que aparecem com força na produção dessa nova geração, trazendo à tona outras narrativas sobre a realidade e atraindo um público que não se via representado na construção sexista e estereotipada de personagens femininos nas histórias de super-heróis.

Universa conversou com cinco autoras dessa nova geração, que estão lançando trabalhos publicados a partir de financiamento coletivo e participam da Comic Con Experience, um dos mais importantes eventos de cultura pop que acontece entre até domingo (8), em São Paulo.

Um bestseller independente

Gabriela Masson é conhecida como lovelove6 - Divulgação - Divulgação
Gabriela Masson é conhecida como lovelove6
Imagem: Divulgação

Gabriela Masson tem 30 anos, nasceu em Brasília, vive em São Paulo e é formada em Artes Plásticas. No Instagram é @odiozinho. Mais conhecida como lovelove6, sempre gostou de desenhar e começou a publicar seus primeiros trabalhos em 2013. O mais conhecido é "Garota Siririca", disponível online e em duas edições impressas, e considerado um best seller independente. Seus quadrinhos abordam sexualidade, feminismo e outras questões de gênero. Prepara-se para lançar "Sheiloca", em que um grupo de mulheres vive uma distopia feminista.

"No Brasil há um problema de distribuição das HQs mais autorais e independentes. As editoras publicam poucos quadrinhos e existe esse viés sexista, muitas preferem publicar homens em vez de apostar em autoras mulheres. Tenho uma produção que é mais voltada para um público adulto, me considero o lado B do underground dos quadrinhos. Trato de questões feministas, trabalho com sexualidade, muita nudez, pornografia e sexo. Por isso, faço autopublicação, considero um posicionamento de resistência.

Último dia pra garantir seu livro sem cobrança de frete no catarse.me/sheiloca! Uma das revisões que Sheiloca teve foram as primeiras páginas redesenhadas. Gosto da diferença entre a primeira e a última vez que desenhei a Fedora (quase dois anos de distância). A consistência desse traço atualizado tem a ver também com a percepção amadurecida de quem a personagem é. Me lembra essa situação quando conhecemos uma pessoa e a vemos de um jeito e, depois de um tempo nos relacionando, nossa impressão sobre ela muda de tal forma que parece refletir uma mudança até física na própria pessoa. A Belly também mudou muito por esse motivo, mas especialmente à medida que me familiarizei um pouco mais com corpos gordos como o dela. Sinto bastante falta dessas noções anatômicas sobre corpos gordos. Recorri a muitas fotos como as produções artísticas da Milena Paulina, a estoques pelo Google, mas também precisei acessar alguma pornografia, sabendo que seria o lugar mais possível e fácil de encontrar alguns ângulos de que eu precisava. Talvez fosse legal organizar umas sessões de modelo vivo entre quadrinistas e ilustradoras, focada em corpos gordos, no próximo ano. Último dia pra garantir seu livro sem cobrança de frete! catarse.me/sheiloca #sheiloca #lovelove6 #hqbr #indiecomics #hq #historiaemquadrinhos #gibi #queercomics #feministart #feministcomics

Uma publicação compartilhada por Lovelove6 (@odiozinho) em

Por muito tempo no Brasil os quadrinhos eram consumidos por fanáticos, por pessoas atraídas por essa linguagem. De uns anos pra cá, com essa nova leva de autoras e autores abordando temas como feminismo e antirracismo, muitas pessoas se aproximaram. Os leitores estão valorizando mais as temáticas do que a estrutura da linguagem. Garota Siririca atrai muitas mulheres que não são consumidoras de HQs, mas estão interessadas nesse tipo de discussão. São temas transversais aos quadrinhos que estão formando esse novo público. Sei que tem pais que compram Garota Siririca para conseguir abrir um diálogo mais descontraído a respeito de sexo. É um conteúdo mais acessível.

Fui especialmente provocada por essa ausência de personagens que eu pudesse olhar e me identificar.

A personagem mulher geralmente é colocada de forma sexualizada ou alvo do interesse romântico de alguém. Quando é protagonista, em geral, é representada para saciar o desejo do leitor.

Essa representação pontua nosso imaginário e nossas possibilidades de ser mulher vão ficando restritas a isso. Quis criar personagens interessantes, completas em si mesmas e que não estão ali para saciar nem o desejo do personagem, nem do leitor. Em Sheiloca, são 300 páginas de mulheres peladas. É uma comunidade de mulheres nuas que não estão sexualizadas e os seus momentos íntimos estão escondidos. Quis provocar essa reflexão"

A vida moderna dos adultos

Camila Padilha: carioca, começou no Facebook - Divulgação - Divulgação
Camila Padilha: carioca, começou no Facebook
Imagem: Divulgação

Camila Padilha (@aliensofcamila), tem 23 anos, é quadrinista, nasceu no Rio e mudou-se para São Paulo, onde trabalha em um estúdio de animação. É formada em Design Gráfico e autora da série "Aliens Of Camila", publicada inicialmente no Facebook e compilada em uma edição impressa lançada em 2017. A sátira sobre a vida moderna dos adultos da sua geração tem 357 mil seguidores no Facebook e 67 mil no Instagram. Camila prepara-se pra lançar "O Ônibus da Madrugada", publicado por meio de financiamento coletivo e que contará com a participação de outras quatro quadrinistas convidadas.

"Comecei no Facebook e houve uma explosão muito rápida. Depois migrei pro Instagram, que também cresceu rapidamente. A Gabi (@lovelove6) me inspirou porque faz um trabalho independente há muitos anos e publica todos os quadrinhos online. Fazemos tirinhas feministas e problematizadoras de forma simples e didática. Qualquer um pode entender e é por isso que dá certo. Com as redes sociais, trouxemos leitores que não eram de quadrinhos. É de graça, de fácil compreensão e gera identificação. Mas o mercado editorial não investe em artistas do Instagram, ainda sinto que buscam os que já são mais consagrados.

Odeio todos os homens, menos os meus ?

Uma publicação compartilhada por Aliens of Camila na CCXP - C08 (@aliensofcamila) em

Consegui entrar nesse mercado por meio dos quadrinhos, mas são poucas as oportunidades reais de trabalho. Muitas empresas grandes surfam nessa onda, mas não vejo um real movimento para trazer mais mulheres para esse mercado.

Da nossa parte, falta organização e um posicionamento mais profissional. É comum aceitar trabalhos de graça ou mal pagos, mas a arte não é só a divulgação. É um trabalho e precisa ser pago.

Ainda precisamos quebrar muitas barreiras no universo geek, nesse mundo dos heróis. Grandes estúdios, tipo Marvel ou DC, acabam agregando apenas a visão masculina sobre as coisas. Há uma maioria esmagadora de homens produzindo e consumindo. Os personagens masculinos estão sempre em posição de poder, enquanto as mulheres são retratadas pela sensualidade, beleza e mistério. Essa é a visão que eles têm e sabem que os leitores fantasiam assim. Se você olhar os créditos de um desenho animado raramente vai ver o nome de alguma mulher.

Precisamos ter mulheres em posição de poder, pra pegar um roteiro e identificar coisas problemáticas. Há um certo movimento nesse sentido, mas ainda não é a nossa realidade.

Meus quadrinhos são quase autobiográficos, compartilhamos experiências e criamos personagens reais. Isso atrai muita mulher que não se via representada nos gibis de heróis. Meu público hoje é 80% feminino. Falo sobre aceitação, sobre sexualidade, sobre corpo, sobre aborto, sobre o universo das mulheres sem tabu. Minhas personagens são mulheres gordas, magras, altas, com vitiligo. Não é só aquele mesmo corpo padrão. Mas no Brasil ainda existe essa visão de que quadrinho é infantil ou é de herói. O público leigo em sua maioria ainda não entende que existem romances gráficos e dramas que não são feitos para crianças"

Um forte viés politico

Helô largou o jornalismo para desenhar - Divulgação - Divulgação
Helô largou o jornalismo para desenhar
Imagem: Divulgação

A paulistana Helô D'Angelo tem 25 anos é quadrinista e ilustradora freelancer. No insta, está como @helodangeloarte. Formada em Jornalismo, começou nos quadrinhos com reportagens gráficas como "Quatro Marias" — em que falou sobre aborto a partir de histórias reais. Seu trabalho tem um forte viés político e seus desenhos tratam de temas como racismo, direitos dos LGBTs, feminismo e críticas à atual situação do Brasil. Publica diariamente em seu Instagram, onde tem 89 mil seguidores. "Dora e a gata" é seu primeiro livro.

"Sempre desenhei, mas como gostava muito de histórias, escolhi jornalismo e vi que podia misturar as duas coisas. Meu TCC foi uma grande reportagem em quadrinhos sobre aborto, que acabou virando um site. Um ano depois, resolvi criar meu Instagram e isso me fez voltar. Larguei o emprego de jornalista e consegui focar na carreira de quadrinista e ilustradora. Comecei falando sobre feminismo, direitos humanos em geral e sobre o meu cotidiano. Passei a atrair um público muito grande, pessoas que não estavam acostumadas a ler quadrinhos.

As grandes editoras ainda estão em uma lógica excludente de mulheres. Parece que, para você ser publicada, tem que ser perfeita, tem que ser a maior quadrinista de todas. Há muitas autoras mulheres, negros e LGBTQ que estão em uma onda gigante de produção e de público, mas que não estão nesse mainstream, ainda dominado por homens brancos e em sua maioria heterossexuais.

E vemos por aí muitas histórias de super-heróis que são uma porcaria ou quadrinhos autorais que não são uma grande maravilha. Os grandes estúdios estão em uma toada legal de ter mais personagens femininos, LGBTs e negros, mas ainda falta muito.

A linguagem dos quadrinhos facilita muito o entendimento de certos assuntos. Quebra a barreira do texto, muita gente não gosta ou não tem costume de ler.

Tive experiências interessantes em relação a isso, como falar do feminismo de forma didática, explicando principalmente para homens. No meu quadrinho sobre aborto, achei que receberia muitas ameaças e xingamentos, e de fato recebi. Mas também muitas mensagens de pessoas falando que começaram a entender melhor o assunto, conseguiram se conectar mais.

O protagonismo das mulheres é importante não apenas para trazer à tona questionamentos sobre o que é ser mulher, mas também mostrar que as autoras são capazes de estar no mesmo patamar que os autores e fazer quadrinhos sobre faroeste, de horror, jornalístico. Claro que é importante — e indispensável — falar sobre feminismo e há mulheres excelentes fazendo esse trabalho, mas a gente tem que lutar para falar sobre qualquer coisa e não só sobre ser mulher"

Personagem de suas próprias tirinhas

Thaís Carmo está lançando a segunda edição do livro "Engraçada, mas nem tanto" - Divulgação - Divulgação
Thaís Carmo está lançando a segunda edição do livro "Engraçada, mas nem tanto"
Imagem: Divulgação

Thais Carmo tem 25 anos e é mineira formada em Belas Artes e trabalha como freelancer. Seu trabalho pode ser visto no Insta em @t.s.carmo. Começou a desenhar suas tirinhas em 2017 e no ano seguinte lançou seu primeiro livro "Engraçada, mas nem tanto", por meio de financiamento coletivo. Prepara-se para lançar o segundo volume do livro. É personagem das suas tirinhas, que falam sobre a vida adulta e o seu cotidiano de forma bem-humorada. Tem 80 mil seguidores no Instagram.

"Comecei de forma bem orgânica. Sempre quis desenhar, mas nunca achei que era isso que acabaria fazendo. Fazia Belas Artes e tinha uma certa dificuldade de criar uma composição. As tirinhas foram a forma que encontrei para resolver isso. Comecei em 2017 e foi dando certo. No início as pessoas viam coisas fofas no meu traço e isso me incomodava. Entrei em crise, joguei tudo fora.

Até que lembrei de uma professora que dizia que as pessoas sentem o que é verdadeiro e que não conseguiria uma resposta do público se não fosse sincera.

Fazia coisas fofas porque achava que era o que as pessoas iriam curtir. Mas aquilo não era verdadeiro pra mim. Criei uma personagem feminina que era linda: tinha uma cinturinha fina, pernas compridas. Até que fui para a frente do espelho e vi que não eu era daquele jeito: não depilava a perna havia um mês, tenho barriguinha. Tinha muita agonia de usar meu cabelo cacheado solto, tenho um cabelo enorme. Desenhei isso e vi que as pessoas se sentiam do mesmo jeito. Ter essa noção sobre o meu corpo me fez perder a vergonha e me ajudou a aceitar do jeito que sou. O desenho fluiu muito mais rápido.

Falo sobre ser paquerada e não ser correspondida, falo sobre tristeza, falo sobre as dores no útero. Descobri que não estava sozinha.

Hoje tem sido mais comum mulheres se representando de uma forma mais realista, mas eu lia comentários do tipo "nossa, mas você é bonita, porque se põe feia desse jeito?". De alguma forma isso ainda incomoda porque existe esse conceito em volta da mulher, de ser representada de forma fofa, de não poder se portar de certa forma, não falar palavrão. Mas isso está mudando.

No início eu postava e saía correndo, voltava horas depois. Tinha muito medo de postar e ser julgada. Hoje não tenho nenhum problema com meus seguidores, nunca tive xingamentos ou haters. Meus posts têm muitos comentários interagindo, às vezes entre eles, e eu também recebo muitas mensagens por direct de pessoas relatando que aconteceu algo parecido com elas. Muitas vezes ouço que minhas tirinhas salvaram o dia delas e isso melhora o meu dia também"

A influência da arte

Gabi Vasko desenha música e outros sentimentos - Divulgação - Divulgação
Gabi Vasko desenha música e outros sentimentos
Imagem: Divulgação

Gabi Vasconcelos (26 anos e @gabivasko no Insta) nasceu em Niterói (RJ) e é formada Comunicação Visual. É ilustradora e concept artist em um estúdio de animação no Rio de Janeiro. Desde criança sempre gostou de desenhar e assistia muito desenho animado. Prepara-se para lançar seu primeiro projeto autoral, "Thanks for de Memories", uma coletânea com 30 ilustrações que representam músicas e sentimentos distintos.

"Acredito que a arte tanto reflete quanto influencia a sociedade em que vivemos. Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade machista. E apesar de estarmos conquistando espaço ao longo dos anos, ainda é perceptível a predominância masculina tanto em temáticas quanto nos cargos com maior poder de decisão. As redes sociais são uma poderosa ferramenta para encontrar pessoas que se identificam e apoiam nosso trabalho, sem necessariamente existir a preocupação de agradar grandes empresas ou o grande público. É ótimo também porque sinto que a relação com o público é mais próxima e rica.

As redes sociais permitem conhecer projetos de outras mulheres, conversar com elas, dividir referências e é claro, me inspirar no trabalho de cada uma.

Havia uma carência de projetos em que as mulheres se relacionassem, que mostrassem mulheres plurais e não apenas personagens bidimensionais, como acontece em muitas histórias. Grande parte das vezes projetos voltados ao público feminino são feitos por uma maioria masculina, com todas as suas pré-concepções do que é ou não ser mulher. É libertador como novas formas de compartilhar e consumir informação tem encontrado seu espaço no mercado e que mulheres autoras venham servindo de referência para as gerações mais jovens. O público feminino estava precisando desse tipo de conteúdo e isso se prova com a quantidade de projetos bem-sucedidos feito por mulheres e voltados para mulheres.

Já ouvi muitas histórias absurdas de como mulheres foram completamente ignoradas mesmo sendo totalmente competentes. Ou como recebiam menos se o salário fosse comparado ao de um homem, mesmo realizando a mesma função. Acho que tive sorte e digo que não, nunca senti uma dificuldade maior na área por ser mulher. Acredito que de uns anos para cá essa proporção tem se equilibrado melhor. Mas no início confesso que me sentia intimidada justamente por não haver outras mulheres ao meu redor que pudessem servir como referência.

Ouço muito que minhas ilustrações têm um traço muito feminino. Não sei bem o porquê. No Instagram, por exemplo, o público feminino é de 70%. O que pra ser sincera, me deixa feliz. Meu trabalho também é muito ligado à sentimentos e sensibilidade, características por vezes ligadas ao feminino. Espero continuar sendo coerente e verdadeira com minhas ilustrações e que eu consiga representar e ajudar na luta das mulheres por espaço nesse mercado"

Mulheres inspiradoras