Topo

William Waack, A Fazenda, Titi: casos de racismo recentes tiveram punição?

Sabrina Paiva, de A Fazenda - Reprodução/Instagram
Sabrina Paiva, de A Fazenda Imagem: Reprodução/Instagram

Nathália Geraldo

De Universa

06/11/2019 14h03

A participante de A Fazenda 2019 Sabrina Paiva afirmou ter sido chamada de "macaca" por um operador de câmera do reality, que fica atrás dos espelhos, na noite de terça-feira (5). Nesta quarta (6), a Record TV se pronunciou sobre o caso afirmando que o funcionário "foi repreendido e teve seu contrato rompido sumariamente".

No Instagram de Sabrina, atualizado por sua assessoria, foi publicada nota oficial da equipe jurídica da modelo, anunciando que o caso será encaminhado ao Ministério Público de São Paulo para que o autor seja punido também por meios judiciais:

Infelizmente, esse não foi o primeiro caso de injúria racial na TV brasileira. E as redes sociais também são palco de ofensas a pessoas negras, anônimas ou famosas. Acontece que, quando o caso ganha repercussão nacional, como em situações de reality show ou programas televisivos, é mais comum que o tema "racismo" volte às rodas de conversa e o público se pergunte, afinal, se os agressores foram punidos de alguma forma.

Abaixo, relembramos casos com repercussão nacional — e, principalmente, o que aconteceu com os autores das agressões no campo judicial.

Quem chamou o goleiro Aranha de "macaco"

Um dos mais escancarados casos de racismo no futebol, o goleiro Aranha, na época (2014), do Santos, foi chamado de "macaco" por uma torcedora do time adversário, o Grêmio. Não ficou por isso mesmo. Rendeu processo ao Grêmio, que foi excluído da Copa do Brasil, e à mulher, que estava na arquibancada gremista e foi gravada ofendendo o atleta.

"Coisa de preto": a fala do jornalista William Waack

O jornalista William Waack era âncora do Jornal da Globo, em 2017. Durante cobertura das eleições presidenciais dos Estados Unidos, em Washington, Waack foi interrompido por uma buzina, na rua. Ele, então, comentou com colega de trabalho que só podia ser "coisa de preto". O comentário racista gerou seu afastamento imediato pela emissora.

Na época, o pronunciamento da Globo afirmou que a emissora e o jornalista "decidiram que o melhor caminho a seguir é o encerramento consensual do contrato de prestação de serviços que mantinham". William Waack foi anunciado como contratado para a equipe da rede CNN Brasil.

Intolerância religiosa no BBB: Paula Von Sperling

Paula Von Sperling, ganhadora do BBB19, foi indiciada por intolerância religiosa ao fazer comentários considerados racistas dentro do reality sobre as crenças religiosas do participante Rodrigo França. Na ocasião, Paula comentou que tinha "medo de Rodrigo. Ela fala de Oxum".

Apesar de o caso ter sido considerado pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro como intolerância religiosa, ainda quando os brothers estavam na casa, o inquérito foi arquivado no meio de outubro.

Universa entrou em contato com o Ministério Público do Rio de Janeiro para ter acesso à decisão e atualização do caso. Assim que o órgão responder à reportagem, a matéria será atualizada.

Titi, filha de Ewbank e Gagliasso, atacada nas redes

A filha de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, Titi, foi alvo de ofensas raciais pelas redes sociais por menor de idade, em 2016. A autora das ofensas foi condenada, em 2018, à pena de liberdade assistida por seis meses.

Em 2017, a menina também foi ofendida pela autointitulada socialite Day McCarthy, e o casal foi à delegacia registrar queixa sobre os comentários da cor da pele e dos cabelos da criança, que também foi chamada de "macaca" pela autora. Não há informações novas sobre o caso.

Injúria racial e racismo: tipos de punições

Injúria racial e racismo são crimes diferentes previstos pelas leis brasileiras. A Lei de Racismo, de 1989, engloba "os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional".

O autor de crime de racismo pode ser preso por um a cinco anos, dependendo da gravidade do caso. O crime é inafiançável e imprescritível: no caso de quem é condenado, não é possível pagar fiança; para a vítima, não há prazo para denunciar o crime. exemplos: vetar a presença de um negro num ambiente.

Já injúria racial "consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência". A pena é de um a três anos de prisão, além de multa. Ela se caracteriza pelo ataque à dignidade de uma pessoa, e não de uma coletividade. Exemplo: xingar um negro de alguma palavra pejorativa relacionada à raça.

Posicionamento da Record sobre Sabrina Paiva

A Record emitiu nota na quarta-feira (6) de manhã sobre a ofensa racial feita a Sabrina Paiva em "A Fazenda". Leia o texto completo:

"A Record TV informa que ontem (5) durante o reality A Fazenda, ao vivo, um operador de câmera, posicionado atrás de um dos espelhos da sala, fez um comentário racista a respeito da participante Sabrina Paiva.

Imediatamente ao fim do programa, a produtora Teleimage (que presta serviços à Record TV e é a contratante do operador de câmera), identificou o ofensor. Ele foi repreendido e teve seu contrato de trabalho rompido sumariamente.

A Record TV repudia veementemente esta atitude e qualquer tipo de preconceito. Como se trata de ofensa racial, será informado à participante Sabrina Paiva que a ela será dado o direito de fazer a representação legal ao ofensor, se assim quiser e no momento que desejar. A Record TV e a produtora Teleimage lamentam o fato e não admitem que algo dessa natureza aconteça em suas produções".

Mês da Consciência Negra