Topo

"Ela ia embora, ele pedia pra voltar", diz amiga de mulher asfixiada em SP

Thaís de Andrade deixa uma filha de 14 anos - Reprodução/Facebook
Thaís de Andrade deixa uma filha de 14 anos Imagem: Reprodução/Facebook

Mariana Gonzalez

Da Universa, em São Paulo

06/03/2019 17h40

A balconista Thaís de Andrade, de 29 anos, foi estrangulada e morta pelo companheiro, Anderson Dornelos Urich, de 25, na madrugada de terça-feira (5), e este teria sido o ápice de um ciclo de violência doméstica. Segundo uma amiga que não quis se identificar e que conhecia a vítima de feminicídio havia dez anos, ela já tinha relatado pelo menos um tapa na cara e uma série de brigas que teriam sido motivadas pelo uso de drogas por parte do agressor. 

"Ela dizia que ele usava essas porcarias e ela não gostava, porque ele ficava diferente, mais agressivo. Quando via que ele estava desse jeito [sob efeito de drogas], a Thaís arrumava uma mochila e passava o dia na casa da mãe dela", conta à Universa.

Segundo informações do "Estadão Conteúdo", o crime ocorreu quando o casal voltou de um desfile de Carnaval na cidade de Borborema, no interior de São Paulo, onde viviam. Em casa, por volta das 3h30, eles teriam começado a brigar e Anderson teria apertado o pescoço de Thaís até que ela desmaiasse. 

Essa não teria sido a primeira agressão de Anderson contra a mulher, com quem estava junto havia oito anos, mas o crime surpreendeu a amiga. "Ele parecia ser bom marido e bom padrasto, não passava a impressão de ser agressivo. Sempre que ela saía de casa, ele implorava para ela voltar, dizia que a amava e tratava ela muito bem, aquele papo de homem", conta.

As duas amigas se viram pela última vez no domingo de Carnaval (3), menos de dois dias antes da morte de Thaís. "Eles [Thaís e Anderson] estavam com a filha dela [uma menina de 14 anos, de um relacionamento anterior], brincaram com meu filho", lembra.

A amiga não sabe dizer se Anderson estava sob efeito de drogas no dia do crime. Segundo relatos que disse ter ouvido de vizinhos e parentes da vítima no velório, que aconteceu na manhã desta quarta-feira (5), ele teria usado cocaína, droga em que seria viciado.

Anderson, que foi denunciado pelo próprio pai, fugiu a pé antes que a polícia chegasse ao local do crime, mas foi preso horas depois e aguarda julgamento na cadeia de Ibitinga, cidade vizinha de Borborema.

A Polícia Civil informou ao "Estadão Conteúdo" que o suspeito, indiciado por feminicídio, forneceu material para exames que vão indicar se ele estava sob efeito de álcool ou drogas quando praticou o crime. 

Até a noite de terça-feira (5), Anderson Dornelos Urich não havia apresentado advogado de defesa. 

Mais Violência contra a mulher