PUBLICIDADE

Topo

Violência contra a mulher

Manterrupting? Gleici é cortada 15 vezes em "Altas Horas" e fãs reclamam

Gleici no "Altas Horas", exibido em janeiro de 2019 - Reprodução / TV Globo
Gleici no 'Altas Horas', exibido em janeiro de 2019 Imagem: Reprodução / TV Globo

Ana Bardella

Colaboração para Universa

09/01/2019 04h00

Próximo à estreia da 19ª temporada do reality "Big Brother Brasil", o programa "Altas Horas" levou apenas campeões de edições passadas para uma roda de conversa. Entre os escolhidos estavam Dhomini, Max Porto, Rafinha, Diego Alemão, Marcelo Dourado, Fernanda Keulla e Gleici Damasceno — essa última, vencedora do ano passado. Durante o bate-papo, os ex-participantes avaliaram suas passagens pelo reality e o impacto da vitória em suas trajetórias.

Veja também

Houve momentos de discordância. Quando uma retrospectiva de Alemão foi exibida, o apresentador Serginho Groisman relembrou seu envolvimento com duas mulheres na casa, Fani Pacheco e Iris Stefanelli. Gleici emitiu sua opinião, alegando que o país tem passado por mudanças e que, nos dias de hoje, o triângulo poderia não ser bem aceito. Nesse momento, Alemão a interrompeu: "Com todo o respeito, o que eu não acho legal é você prejulgar uma atitude", alegando ter sido honesto com ambas.

Repercussão negativa

Essa não foi a única vez em que a acreana sofreu cortes em suas falas pelos colegas homens. Enquanto formulava outras considerações, a moça chegou a se irritar com as sobreposições de Rafinha e Max, pedindo que pudesse concluir o que estava dizendo. Ao todo, foram quinze interrupções masculinas — o que não passou despercebido. No Instagram, seguidores de Gleici criticaram a postura dos rapazes. "Amei sua participação e amo seu jeitinho, mas odiei os cortes. Foi insuportável", disse uma. "Educação básica, não interromper as pessoas. Tosco", completou outra.

De acordo com Carla Bianca Salcedo, neuropsicóloga e psicanalista do espaço Vivacità, a situação poderia ser encaixada no termo "manterrupting" - quando um ou mais homens interrompem a fala de uma mulher com o intuito de prejudicar sua linha de raciocínio ou expressão de ideias.

Origem machista

"O ato tem uma conotação sexista e desqualifica a fala feminina. Pode acontecer na família, no trabalho e outras situações de convívio social. Ele tem como consequência minar a autoconfiança de uma mulher. Com a repetição, a tendência é que a pessoa afetada pare de expor suas opiniões", explica.

O que Gleici pensa sobre o assunto?

No Twitter, ela comentou sobre a situação, fazendo um alerta para que a culpa da situação não seja colocada sobre a mulher.

Violência contra a mulher