Topo

Ela estava assustada, com medo, diz delegada sobre jovem agredida em vídeo

Luciana Sinzimbra publicou em suas redes sociais uma foto do rosto machucado e do ex-namorado, Victor Junqueira - Reprodução / Instagram
Luciana Sinzimbra publicou em suas redes sociais uma foto do rosto machucado e do ex-namorado, Victor Junqueira Imagem: Reprodução / Instagram

Bia Sant'Anna

Da Universa

27/12/2018 16h33

Na madrugada do dia 15 de dezembro a advogada Luciana Sinzimbra foi agredida pelo namorado, o piloto Victor Junqueira. De tarde, ela foi na companhia de amigas à 1ª Delegacia da Mulher de Goiânia registrar queixa e solicitar uma medida protetiva. "Ela chegou muito fragilizada e aparentava estar com medo dele ainda", disse à Universa Bruna Damasceno, delegada adjunta que fez o atendimento de Luciana.

A advogada Luciana Sinzimbra fez um boletim de ocorrência sobre a agressão do ex-namorado - Arquivo pessoal
A advogada Luciana Sinzimbra fez um boletim de ocorrência sobre a agressão do ex-namorado
Imagem: Arquivo pessoal

A advogada fez um exame de corpo de delito e entregou à polícia um vídeo que comprovava as agressões. As cenas de violência foram registradas por ela com um celular escondido. Victor teria se descontrolado após Luciana terminar o relacionamento. As imagens viralizaram nas redes sociais, mas Universa decidiu não reproduzi-las aqui, em respeito à vítima.

No vídeo, Victor dá um forte tapa na cara da namorada e, na sequência, segue com as agressões: dá um soco em sua cabeça e a chacoalha segurando seu pescoço. Luciana pede para ele parar, dizendo "você vai me matar desse jeito". Ela tenta se livrar dos socos com as pernas, pedindo que ele se acalme: "você está louco, Victor, para". Os dois estavam no quarto de Luciana, em seu apartamento de Goiânia.

Relacionamento de três anos

Victor Junqueira (à esq.) e Luciana em foto com amigos - Arquivo Pessoal
Victor Junqueira (à esq.) e Luciana em foto com amigos
Imagem: Arquivo Pessoal

Segundo a delegada, Luciana e Victor namoravam havia três anos. "Ela estava muito assustada, abalada. Afinal era um namoro longo. Mas ela disse que queria justiça." Ainda de acordo com Bruna Damasceno, a medida protetiva foi instaurada no dia 15 mesmo e o ex-namorado está proibido de chegar perto ou de entrar em contato com a advogada.

"O juíz não viu motivo para decretar uma prisão preventiva porque o autor (Victor) tem colaborado conosco. Ele está cumprindo as sanções determinadas pela Justiça e veio no decorrer da semana seguinte prestar depoimento", explicou a delegada. "Ele veio com um advogado, mas decidiu não falar nada por enquanto."

O inquérito contra o piloto já foi finalizado. Agora deve ser apreciado pelo Ministério Público para, então, um eventual processo criminal ter início. "As provas são muito fortes", diz Bruna, que não acredita na dispensa do caso pelo MP.

"Estou me fortalecendo", escreveu Luciana em seu Instagram - Reprodução/Instagram/@lucianasinzimbra
"Estou me fortalecendo", escreveu Luciana em seu Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram/@lucianasinzimbra

Combate à violência doméstica

Luciana foi procurada pela reportagem, mas preferiu não se manifestar. Nas suas redes, agradeceu o apoio que tem recebido e disse que está "bem fisicamente, porém, muito abalada emocionalmente". E segue: "Estou me fortalecendo para me pronunciar em breve e ajudar no combate à violência doméstica".

Nesta quinta-feira (27), Luciana publicou uma foto em que aparece com o olho roxo após as agressões. Ao lado, colocou uma imagem do ex-namorado, com a palavra "covarde" escrita em cima. Ela também usou a hashtag #mexeucomumamexeucomtodas.

O advogado de Victor, Romero Ferraz, fez uma declaração sobre o caso em nota oficial: "Em razão do incidente da madrugada do último dia 15, a defesa de Victor Junqueira informa que não se manifestará acerca dos vídeos que foram divulgados. Além de se tratar de processo sigiloso, [a defesa] não exporá, ainda mais, a vítima que já assinalou em redes sociais o seu constrangimento com a exposição. Foram impostas medidas cautelares em desfavor de Victor pela Justiça, as quais estão sendo fielmente cumpridas, em respeito às instituições". 

Mais Violência contra a mulher