Topo

Americana é acusada de homicídio por abortar após levar tiros na barriga

Marshae Jones - Reuters
Marshae Jones Imagem: Reuters

28/06/2019 09h06

Uma americana que sofreu aborto após ser baleada na barriga foi detida pela justiça do Alabama acusada de matar o feto.

Defensores do direito ao aborto imediatamente apoiaram a jovem, destacando que seu caso é um símbolo da atual campanha contra o aborto naquele estado conservador e religioso do sul dos Estados Unidos.

"Marshae Jones foi acusada de homicídio involuntário por perder uma gravidez após receber cinco tiros na barriga. Sua agressora segue em liberdade. Vamos tirá-la da prisão e daremos assistência legal", postou no Twitter a organização YellowFund, que dá suporte para mulheres fazerem aborto.

A jovem de 27 anos foi atacada por outra mulher durante uma briga em dezembro.

"A única vítima verdadeira foi o bebê por não nascer", declarou o chefe da polícia local, Danny Reid, segundo o portal de notícias AL.com. "Foi a mãe do bebê que iniciou e continua a briga que resultou na morte" do feto, acrescentou.

A autora dos disparos foi inicialmente acusada por um grande juri, que logo em seguida retirou as acusações contra ela e acusou Marshae Jones, detida na quarta-feira.

O Alabama aprovou em maio uma lei que proíbe o aborto, inclusive em casos de estupro e incesto, e equipara a interrupção da gravidez ao homicídio.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Direitos da mulher