PUBLICIDADE

Topo

Esfoliação: o que é, para que serve e quando vale a pena fazer

Getty Images
Imagem: Getty Images

Elisa Soupin

Colaboração para Universa

03/08/2020 04h00

Desde o início da quarentena, as buscas pelo termo esfoliação dispararam no Google. Em casa, muita gente quer aprender a cuidar a cuidar melhor da da pele. Para tirar todas as dúvidas sobre o assunto, para o isolamento e para depois, conversamos com a dermatologista Gina Matzenbacher, da Clínica Leger, que explicou todas as dúvidas sobre esfoliação da pele, das mais simples às mais complicadas. É aquele link para salvar e consultar, quando bater alguma dúvida.

Esfoliação: para que serve e como fazer em casa

Quando se deve fazer esfoliação?

A esfoliação é indicada para peles acneicas, com muitos cravos e comedões, mas sem inflamação ou pus. Ela também é indicada para peles muito oleosas, quando se trata de rosto. Para o corpo, a recomendação é passar o esfoliante em áreas mais ásperas, principalmente pontos de apoio, como o calcanhares, cotovelos e a planta dos pés.

Como fazer esfoliante caseiro?

O esfoliante caseiro pode ser feito com substâncias mais endurecidas e que possuam grânulos, como por exemplo, o mel açucarado com aveia ou o açúcar cristalizado com um elemento hidratante ou mel. Quer uma sugestão? Misture uma colher de sopa de mel cristalizado com uma colher de sopa de abacate. O abacate é responsável pela consistência cremosa e pela hidratação. Para uma esfoliação mais potente, troque o mel pelo açúcar cristal.

Como funciona o processo de esfoliação?

O processo da esfoliação é feito normalmente com agentes mais duros que a consistência da pele e de cremes. Assim, eles realizam um dano mecânico à pele, de modo que consigam remover as células mortas que ficam depositadas na superfície. Mas a abrasão não pode machucar.

O que é e como se faz uma esfoliação?

Esfoliação é uma abrasão leve na pele com o objetivo de remover células mortas, que ficam superficialmente na derme. O processo da esfoliação é feito normalmente com agentes mais duros que a consistência da pele e de cremes. Assim, eles realizam um dano mecânico à pele, de modo que consigam remover as células mortas que ficam depositadas na superfície.

Que tipos de esfoliante podem ser encontrados no mercado?

Os esfoliantes tradicionais são agentes físicos (composto de grãos) que realizam atrito na pele de modo a remover mecanicamente as células mortas da derme. Já os esfoliantes químicos e enzimáticos são ativos que têm ação diferente da mecânica para melhorar a qualidade da pele. Eles complementam as formulações de esfoliantes físicos. Esfoliação mecânica é a tradicional, realizada por meio do atrito dos grânulos do esfoliante (por exemplo, pó de café ou açúcar cristal) com a pele.

Qual a diferença entre esfoliação e peeling?

A esfoliação é um procedimento externo, que resulta em uma abrasão bem superficial da pele, sem penetração. No caso do peeling, há uma penetração de ativos químicos na pele que causam uma queimadura, quando se trata de um peeling químico. O peeling físico é realizado a partir de um abrasor, como cristal, diamante e ouro, por exemplo, bem semelhante a uma esfoliação física potencializada, pois atinge camadas mais profundas da derme, sendo mais intenso e um pouco mais agressivo.

O que é um esfoliante enzimático?

O esfoliante enzimático, famoso na indústria de cosméticos, é composto por ativos esfoliantes que também possuem função de renovação celular da pele. Eles podem ser complementares ao físico, já que dificilmente se encontra no mercado um esfoliante puramente enzimático. Nos produtos tradicionais, eles atuam tanto fisicamente, com a presença dos grânulos, como também quimicamente, ao penetrar na pele e auxiliar na renovação celular.

O que é uma esfoliação química?

É a esfoliação realizada a partir de ativos químicos, como o ácido glicólico e ácido mandélico, resultando em uma ação semelhante a um peeling leve, superficial, que gera uma renovação celular da pele.

Qual é a frequência ideal para esfoliar a pele?

Não é indicado esfoliar a pele todos os dias, pois ela pode machucar e inflamar, mesmo em peles bastante oleosas. Em casos extremos, é possível resultar em dermatites, ressecamentos, acne rebote e lesões na pele. Ela pode ser feita uma vês por semana nos pés. Para o corpo, pode ser fazer quinzenal ou mensalmente e, para o rosto, para peles acneicas ou bem oleosas, o indicado é no máximo uma vez na semana. Para outros tipos de pele, ainda que com grande quantidade de cravos, a cada dez dias.

Como esfoliar o rosto e o corpo?

A esfoliação deve ser realizada com movimentos circulares, com pressão leve no rosto. Nas áreas da testa, nariz e queixo (a zona T), o movimento e pressão podem ser mais intensos. Na região das bochechas, o movimento deve ser muito suave. Não é recomendado realizar esfoliação na área dos olhos.

No corpo, pode-se usar a palma da mão em movimentos de vaivém, com pressão mais forte do que no rosto, espalhando bem o esfoliante escolhido.

Como o esfoliante age na pele?

Os esfoliantes físicos, mais comuns, funcionam pelo atrito, desprendendo as células mortas (que são escamas invisíveis da pele) e deixando a derme mais lisa, sem nenhum tratamento aprofundado. Alguns esfoliantes combinam as ações física e enzimática, possuindo ativos químicos além dos grânulos, que realizam um afinamento momentâneo da pele e podem gerar uma renovação celular, dependendo da sua composição. Como ficam pouco tempo na pele, no máximo 10 minutos antes de serem enxaguados, dificilmente eles realizam uma ação mais profunda e duradoura.

O que se deve fazer depois de uma esfoliação?

O recomendado é utilizar algo que acalme a pele, como loções calmantes ou água termal. Para o corpo, pode ser utilizado o hidratante comum.

Como esfoliar o couro cabeludo?

A esfoliação do couro cabeludo é semelhante à de outras áreas, com exceção do cabelo. É possível encontrar produtos específicos para esta área do corpo e a recomendação é não utilizar os métodos caseiros de esfoliação, para evitar danos aos fios capilares. Ela deve ser feita com movimentos circulares mais intensos do que nas outras áreas do corpo, devido a maior espessura do couro cabeludo em relação à pele do resto do corpo.

A boca ou os lábios devem ser esfoliados?

Sim, da mesma forma que em outras regiões, porém com movimentos leves e laterais nos lábios superior e inferior. É importante ressaltar que a esfoliação nesta área pode acarretar em ressecamento. Então se a pessoa já possui os lábios ressecados, não se deve esfoliar a área nem umidificar com saliva, e sim aumentar a hidratação com os produtos específicos para lábios e evitar esfoliações.

Fonte: Dermatologista Gina Matzenbacher, da Clínica Leger

Beleza