PUBLICIDADE

Topo

Mayumi Sato

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

'Dia do Corno' é comemorado amanhã e adeptos do fetiche 'cuckold' celebram

Na prática de cuckold, o homem se excita ouvindo ou assistindo parceira fazendo sexo com outro - Foto de Anna Shvets no Pexels
Na prática de cuckold, o homem se excita ouvindo ou assistindo parceira fazendo sexo com outro Imagem: Foto de Anna Shvets no Pexels
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mayumi Sato

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está "não estamos" só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Colunista de Universa

24/04/2022 04h00

Segunda-feira, 25/04, é uma data e tanto para os adeptos do cuckold, já que é comemorado o "Dia do Corno", um dos fetiches mais populares no Brasil e no mundo. O mais curioso é que essa data tem inspiração católica, tudo por conta da celebração a São Marcos. Durante o século 18, os fiéis levavam em procissão uma coroa com um corno de animal na ponta e, na missa, os vigários coroavam os homens casados.

Mas, católicos ou não, o fato é que o fetiche do corno - também conhecido como cuckold - além de popular foi, com o tempo, sofrendo modificações e recebendo variações, indo além do prazer do casal (em sua maioria, heterossexuais) de envolver uma a pessoa a mais no sexo, que em geral se relaciona apenas com a mulher, deixando o marido (o tal do corno), chupando o dedo.

Além do cuckold padrão, existem hoje variações que envolvem voyeurismo, dogging, submissão, entre outros diferentes fetiches que eu detalhei aqui algum tempo atrás.

Ao contrário do que se imagina, casais que se interessam por esse fetiche não são nada diferentes de qualquer casal que você conheça por aí, por isso, é bom tomar cuidado com piadinhas, pois com certeza há alguém do seu convívio que pode acabar achando que ela é um convite para um encontro mais safado.

No Sexlog.com, uma comunidade com mais de 16 milhões de pessoas, cerca de 80% se diz, de alguma forma, interessada nessa fantasia. Para muitos ela fica apenas no campo da imaginação, mas para outros o importante é realizar.

Alguns casais mais exibicionistas fizeram questão de compartilhar as suas histórias:

"Na nossa primeira vez, fomos para um sítio passar o fim de semana com um casal, sem nenhuma intenção a mais. Eles brigaram antes da viagem e o marido acabou indo sozinho. De madrugada, minha esposa e eu acordamos e eu perguntei se ela queria ir ao quarto dele. Ela foi e eu fiquei assistindo e me masturbando na janela."

"Eu gosto muito mais de sexo que o meu marido, por isso ele concorda que eu saia com outros homens. Só faço isso quando ele está presente e é ótimo para a nossa relação."

"Nas nossas férias de 2021 ficamos em um resort na Bahia e logo na primeira noite um hóspede casado chegou na minha esposa para conversar na piscina. Eu fiquei de longe só observando. Ela saiu da piscina e me avisou que iria ao nosso quarto esperá-lo para transar. Eu fiquei super excitado e fui para a porta ouvir eles transarem. Foi delicioso!"

"Teve uma vez em que ela foi ao encontro de outro homem e fez uma chamada de vídeo para eu poder acompanhar tudo ao vivo. Me acabei de tanto prazer."

"A primeira vez que ela aceitou foi pra me dar de presente de aniversário. Contratei um garoto de programa, fomos para o motel. Pedi para ele fazer massagem nela e a coisa evoluiu para muitos beijos, chupadas e carícias, mas não houve penetração. Nesse dia tive vontade de participar e interagir com ele também, coisa que nunca tinha sentido antes."

"Estava no motel com uma amiga casada e ela falou que ia fazer uma vídeo chamada para o marido. Fiquei nervoso no começo, mas vi que ele estava excitado com a situação e aí a coisa rolou com ele assistindo. Um outro dia marcamos um encontro de casais, ela, o marido, eu e minha esposa, para uma noite de pizza e vinho. Rolou de tudo entre todos e a partir desse dia continuamos saindo juntos."

Combinei com ela de eu chegar em casa enquanto ela transava com outro. Sentei na sala e fiquei escutando o gemido dela por um tempo e depois entrei no quarto. O cara se assustou muito, mas eu cheguei e dei um beijo na minha esposa e perguntei se ela estava gostando. Logo em seguida pedi pra eles ficarem à vontade que eu ia esperar lá fora, mas queria ouvir o gemido bem alto."

Parece que diversão não falta para quem curte o cuckold. E você, já pensou em ser corno um dia ou se envolver com uma mulher casada enquanto o marido assiste? Teria coragem? Conta nos comentários!

Mayumi Sato