PUBLICIDADE

Topo

Ana Paula Xongani

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vou revelar a vocês o Plano Beyoncé e por que eu acho ele bom demais

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram
Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani é multiempresária: no Ateliê Xongani, de moda afro-brasileira, e também na empresa que leve o seu nome, de criação de conteúdo. Apresenta o programa Se Essa Roupa Fosse Minha, no GNT, sobre moda consciente. Fala com leveza e responsabilidade sobre temas sempre importantes para que todo mundo junto construa um mundo mais justo e acolhedor para todos, especialmente para as mulheres pretas. Ativismo afetivo, como costuma dizer.

Colunista de Universa

04/03/2021 04h00

Vamos falar sobre Beyoncé mais uma vez? Vamos falar de Beyoncé mais uma vez sim!

Ela acaba de lançar mais uma coleção de sua marca, a Ivy Park, em parceria com a Adidas. Como sempre, tudo muito lindo e tudo esgotando rápido. Amei o látex valorizado na coleção, aliás.

Claro que só dá ela e a galera louca pelas peças na minha timeline e isso tá me lembrando de vários impactos que esta mulher já causou em minha vida. Vários. Um deles, inclusive, foi o lançamento da Black Parade, que veio com uma música e uma plataforma que valoriza e divulga empreendedores negros americanos que atuam nas mais diversas áreas. Um catálogo mesmo, bem bem legal.

Definitivamente, não é só na música que ela me inspira e isso parte de uma parada que eu quero compartilhar com vocês, quem sabe inspira também. Eu vou falar aqui do Plano Beyoncé.

Eu sempre a li e vi como uma mulher ativista, que fala sobre questões raciais e de gênero. Mas, não dá pra negar que nos últimos álbuns, últimas criações, foi assim, mais forte que a média.

Pra hoje ela ter um impacto mundial fazendo ativismo com sua arte, ela precisou construir isso tijolo a tijolo esse lugar, este espaço para ocupar. E isso, certamente, demandou muito tempo. Tempo de conquista mesmo. De conquistar a mídia, as redes sociais, a televisão, o universo da música, da moda e do cinema. Conquistar respeito. Conquistar, prin-ci-pal-men-te e para si, os meios de produção. Ela é dona dos próprios projetos e, por isso, entendo que, hoje, ela tem poder.

Não foi sempre assim, é claro que não. Beyoncé se deu o tempo necessário para construir e fazer as coisas do seu jeito.

Não sei se vocês que me acompanham por aqui sabem, mas eu fiquei um tempo afastada da produção de conteúdo da internet. E quando eu voltei, fiz um vídeo falando sobre a teoria do copo cheio. O maior aprendizado eu vou contar aqui: quando a gente tem nosso copo cheio, seja de experiência, seja de dinheiro, seja de ideias, seja até de tranquilidade, a gente consegue também dividir com mais qualidade. É preciso encher nossos copos para dividirmos com os nossos, com as pessoas que amamos, com a nossa comunidade.

E hoje, o copo dela tá cheio, tá mais que cheio, tá transbordando. Na verdade, Beyoncé tem o quê? Tem uma fonte né minha gente? E isso é o quê? É estratégia.

Tenho certeza que ela foi muito cobrada e julgada no processo. Claro! Mas ela certamente lidou com isso, fez o que pôde, fez o que deu, quando deu. Quando não deu, não fez. Certamente fez as parcerias necessárias, negociou. Certas vezes deve ter escolhido ficar em silêncio para poder falar mais alto depois. Fez o que foi preciso pra encher o seu copo, pra que hoje ela possa nos surpreender com cada coisa que realiza.

Mas, lembra gente: tudo é caminho, é processo, é construção.

A gente tá falando da Beyoncé de hoje. Mas, a gente precisa sentar com ela, bater um papo com ela pra entender qual era o plano de Beyoncé uns vinte anos atrás? Sobre isso, comento também que é por isso que a gente deve cobrar menos, principalmente mulheres pretas. Você não sabe qual é a estratégia delas.

Vai saber se para além do plano Beyoncé, tem o plano Iza, o plano Liniker, o plano Lázaro Ramos, o plano Taís Araújo, o plano Xongani. Pra que um dia, assim como a Beyoncé, esses planos possam te surpreender mais do que um dia você sonhou ou julgou.

Eu digo sempre que o nosso objetivo é comum, mas nosso caminho pode ser muito diferente. E o plano Beyoncé, cara, na moral, eu acho f***!

O que você pegaria do plano Beyoncé e faria pra você? Ou oq vc faria diferente? Porque como eu também sempre digo, a diversidade também é sobre nossas estratégias pra fazer um mundo melhor poderem ser diferentes. E tá tudo certo.

E você? Tem um plano? Qual o nome do seu plano? Conta aqui pra mim nos comentários!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL