PUBLICIDADE

Topo

Ana Canosa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Usar emojis em mensagens aumenta chances de segundo date, diz pesquisa

Freepik
Imagem: Freepik
só para assinantes
Ana Canosa

Ana Canosa é psicóloga clínica, sexóloga, professora, escritora e comunicadora. Apresenta o podcast Sexoterapia, em Universa/UOL. Sendo há 28 anos testemunha das mais diferentes histórias afetivas, é categórica em afirmar que muitas vezes, só o amor não é suficiente. Fala de sexualidade desde que se entende por gente, unindo seus estudos acadêmicos com a experiência clínica e seu olhar de observação do mundo.

Colunista de Universa

28/06/2022 04h00

Nas últimas décadas, tivemos que aprender a usar a linguagem mediada pela tecnologia para as interações amorosas e sexuais. Para os que não são nativos digitais foi e tem sido uma experiência diferente paquerar por Apps, trocar nudes, vídeos e afins.

Algumas pessoas definitivamente detestam, justamente porque acham que emoções não "cabem" em palavras e o risco de serem mal interpretadas é grande. Preferem o olho no olho.

De fato, parece que abordar uma potencial parceria a fim de avaliar/demonstrar interesse e compatibilidade e posteriormente construir intimidade fica mais difícil em correspondências mais curtas e emocionalmente limitadas - como no caso das mensagens escritas - do que nos encontros presenciais.

Basta uma rápida lida em comentários de um tweet com temática um pouco mais polêmica que será possível constatar como as pessoas carecem de interpretação de texto, não é mesmo?

Na verdade, nossa capacidade de comunicação afetiva evoluiu para a comunicação verbal e não verbal e, ainda vai demorar um tempo para que nossa espécie se adapte automaticamente na decodificação da valência emocional na comunicação escrita.

Sabendo-se da importância das nuances da comunicação afetiva para a percepção sobre como as pessoas se sentem interagindo, não à toa que os emoticons foram criados para dar intencionalidade emocional às palavras. Em 2011 a Apple incorporou a linguagem dos emojis. Imbatível, para mim, são as maravilhosas "figurinhas" do WhatsApp. Sou capaz de estabelecer uma conversa só com elas.

Uma pesquisa realizada com mais de 5000 norte-americanos solteiros, com idade entre 18 e 94 anos, publicada em 2019 investigou o uso de emojis como ferramenta para conectar aos potenciais parceiros a fim de indicar expressão afetiva. Os pesquisadores se perguntavam se esse formato de interação estaria associado a ideia da pessoa ser mais emotiva, influenciando positivamente suas oportunidades românticas e sexuais.

Cerca de 30% da amostra declarou usar emojis/emoticons com regularidade nas trocas de mensagens com possíveis dates, a fim de expressarem melhor sua intenção e sentimentos. Comparados à parte dos pesquisados que não os usam, eles pareceram melhores para estabelecer conexão emocional com outras pessoas, já que tiveram mais primeiros encontros e atividade sexual.

Além disso, os participantes que usaram emoji com mais frequência, aumentaram a probabilidade de ter um segundo date, foram mais propensos a ter beijado, feito sexo ou terem estabelecido uma relação de compromisso com alguém que conheceram online. Embora a pesquisa não estabeleça uma relação de causa e efeito, mas sugira a associação, a hipótese me parece bastante plausível. É preciso habilidade para descrever sentidos em texto e eles ficam mais lúdicos e leves acompanhados de carinhas, símbolos e memes.

Por isso, quando alguém demonstra seu estado emocional durante uma conversa, está abrindo o seu campo afetivo para que o receptor também se coloque - o que promove uma sensação de conforto - preparando o terreno para um primeiro encontro.